Brawn: A história impossível da F1 – Keanu Reeves fala sobre ‘conto de fadas do azarão’

É um “conto de fadas do oprimido”, como disse o ator de Hollywood Keanu Reeves, que simplesmente deve ser contado na tela.

Em 2009, a Honda retirou-se da Fórmula 1, deixando os pilotos Jenson Button e Rubens Barrichello sem equipe.

Ross Brawn convenceu a empresa a deixá-lo liderar uma aquisição de gestão – comprando nominalmente a equipe por £ 1.

Poucos lhes deram a oportunidade de competir, mas tiveram um ano incrível Button ganhou o título mundial Campeonato de Construtores do Brown GP.

Reeves vai aos bastidores daquela famosa temporada em uma nova série de documentários da Disney + em quatro partes, Brawn: The Impossible F1 Story.

“Foi ótimo poder contar essa história”, disse ele à BBC Sport.

Aqui estão seis coisas que aprendemos com a série.

A história da Brawn GP é o ‘filme perfeito’

Button concluiu o campeonato com um desempenho impressionante na penúltima corrida da temporada de 2009

Apesar da turbulência da pré-temporada, Button venceu seis das sete primeiras corridas de 2009.

Depois de cair na segunda metade da temporada, ele conquistou o título de forma dramática no Brasil, onde subiu do 14º para o quinto lugar.

O britânico disse à BBC Sport: “Eu poderia ter terminado em oitavo e mantido o título na última corrida ao terminar em quinto ou sexto”. “Mas eu queria terminar em alta e provar a si mesmo, tanto quanto a qualquer outra pessoa, que você tem aquele instinto assassino.

“Olhando para trás, desde não estar lá como equipe até vencer nossa primeira corrida, até vencer mais cinco corridas, o grande declínio e o fim – é o filme perfeito.”

“As equipes veem problemas ou oportunidades.”

O órgão regulador da Fórmula 1, a FIA, introduziu novos regulamentos em 2009, numa tentativa de tornar a corrida mais emocionante, aumentando as ultrapassagens.

READ  Como o plano de vacinas Covid-19 do Brasil fracassou

A equipe Brawn GP focou em uma parte do carro não contemplada pelas novas regras, acrescentando um furo extra no difusor traseiro. Isto significou que eles obtiveram mais downforce – e, portanto, mais controle da pista – do que as regras pretendiam.

Como Brown explica no primeiro episódio: “Quando as equipes começam a olhar para o design dos carros, elas veem problemas e regulamentos, ou veem oportunidades”.

Equipes rivais protestaram junto à FIA, mas o chamado “difusor duplo” acabou sendo usado Foi considerado legal.

“Todas as equipes, de então e de agora, leem as regras de maneira diferente”, disse o ex-CEO da Fórmula 1, Bernie Ecclestone, no segundo episódio.

A moeda ‘inestimável’ de £ 1 de Brown viaja por toda parte

Ross Brown.
Ross Brawn nunca teve uma equipe antes da Brawn GP

Brawn foi o mentor de cinco dos sete campeonatos mundiais de Michael Schumacher na Ferrari.

Em 2007, ingressou na Honda como chefe de equipe. Quando se retiraram, dois anos depois, ele os convenceu a permitir que a administração fosse assumida.

Brown concluiu nominalmente o negócio em moeda de £ 1 – ganhando para sua equipe o apelido de “A equipe de £ 1”.

O CEO da Honda, Hiroshi Oshima, carrega esta moeda consigo onde quer que viaje.

“Esta libra não tem preço”, disse ele no episódio quatro.

Brown ‘continuava ficando sem peças’

Talvez não seja surpreendente dada a forma como a equipe se reuniu, mas a equipe Brawn GP tinha um orçamento limitado.

Conforme reflete Patton, ele diz que os tempos difíceis “aproximaram todos” – mas ele gostaria que tivessem mais dinheiro para gastar.

“Cada vez que danificamos o carro, acabamos ficando sem peças”, disse ele à BBC Sport.

READ  Teaser de "No Way Home" lançado pela Sony Pictures Brasil

Os dois pilotos eram bons amigos, mas ambos queriam vencer

Rubens Barrichello.
Rubens Barrichello terminou em terceiro na classificação de pilotos em 2009, com Sebastian Vettel dividido entre as duas equipes Brawn.

Barrichello ingressou na Honda em 2006, depois de passar cinco anos sendo o segundo violino de Schumacher na Ferrari.

O brasileiro não gostou da perspectiva de fazer o mesmo com Button no Brown GB Championship.

“Eu estava lidando com o fato de que não poderíamos perder pontos se quiséssemos que Jenson ganhasse o campeonato, mas não me importei”, diz ele no episódio três.

“Sou um grande amigo do Jenson, mas também queria vencê-lo.”

Brown é o “concorrente mais feroz e implacável”

Christian Horner.
Christian Horner não aceita que “editor duplo” seja considerado legal

A personalidade pública positiva de Brown não correspondia à experiência daqueles que o encontraram cara a cara.

“Nos bastidores, ele é o competidor mais formidável e implacável que já enfrentamos”, disse o chefe da equipe Red Bull, Christian Horner, no primeiro episódio.

Brown disse à BBC Sport que considerou isso um elogio.

“Eu costumava jogar rúgbi e meu pai sempre me ensinou que você deveria ser capaz de esmagar seus oponentes em campo e depois tomar uma cerveja”, disse ele.

Através do banner da BBCAtravés do rodapé da BBC

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *