Brasil já supera exportações de carne suína em 2022 | Estratégia nutricional

No final de novembro, as exportações brasileiras de carne suína atingiram 1,118 milhão de toneladas no ano. Esse número é 10% superior às 1,017 milhão de toneladas comercializadas em 2022, segundo Associação Brasileira de Proteína Animal (Abbá).

Incluindo todos os produtos suínos frescos e processados, o comércio de novembro de 105.700 toneladas métricas foi mais de 13% superior ao mesmo mês do ano passado, embora a receita mensal tenha caído ligeiramente em relação ao ano anterior.

Em termos de receitas, as receitas de exportação atingiram quase 2,59 mil milhões de dólares no final de Novembro – 11,5% acima de todo o ano de 2022.

Esses números confirmam a previsão das exportações brasileiras de carne suína em 2023, segundo o presidente da ABPA, Ricardo Santin.

O principal destino do comércio brasileiro de carne suína até agora em 2023 tem sido a China, embora com cerca de 362 mil toneladas métricas, seu volume seja 11% inferior ao de 2022. No entanto, com 114 mil toneladas métricas, o valor das exportações para Hong Kong aumentou 27%. . Anualmente.

Outros mercados importantes para a carne suína brasileira neste ano foram Filipinas (113 mil toneladas), Chile (76,4 mil toneladas), Cingapura (57,9 mil toneladas), Vietnã (45,3 mil toneladas), Uruguai (43,8 mil toneladas) e Japão (35,3 mil toneladas). ). Com exceção da China, os volumes de exportação foram maiores para todos esses destinos, observou o Diretor de Mercados da ABPA, Luis Roy. Os aumentos foram de 40% ou mais em relação ao ano anterior nas Filipinas, Chile e Japão.

No final de novembro, os principais estados exportadores eram Santa Catarina (cerca de 700 mil toneladas) e Rio Grande do Sul (260 mil toneladas), no extremo sul do Brasil.

Um relatório recente sobre as perspectivas para os mercados globais de proteína animal em 2024 prevê uma desaceleração no crescimento global para o próximo ano. No entanto, espera-se que o Brasil contrarie esta tendência à medida que a produção de todos os tipos – especialmente carne suína – continua a expandir-se.

A peste suína clássica é nativa do estado do Nordeste do Brasil

Após um hiato de 11 meses, foi confirmada a presença do vírus da peste suína clássica no estado do Piauí.

A doença notificada foi detectada em resultado de vigilância passiva, de acordo com a notificação oficial emitida pela Agência Nacional de Medicina Veterinária para Organização Mundial de Saúde Animal (Uau).

Durante a última semana de Novembro, dois dos 15 suínos morreram numa manada no quintal do concelho de Cocal de Telha. A fonte da infecção não foi determinada.

Como o Piauí está fora da zona livre de PSC do Brasil, é pouco provável que este desenvolvimento tenha impacto nas exportações de carne suína do país. Durante algum tempo, foi proibida a movimentação de suínos e derivados do Piauí para os centros de produção e exportação de carne suína do país.

Também conhecida como cólera suína, é uma doença de notificação obrigatória que afeta membros da família dos suínos, segundo a WOAH. Pode causar perdas devastadoras em animais domésticos e selvagens, sem afetar a saúde humana. A transmissão para animais saudáveis ​​ocorre geralmente através do contato direto com suínos infectados ou seus produtos. Sabe-se que o vírus da PSC pode sobreviver durante vários meses em carne de porco refrigerada e durante anos em carne congelada.

Embora semelhantes nos seus nomes e efeitos, os vírus da PSC e da peste suína africana são causados ​​por vírus não relacionados. O vírus mais recente ainda não foi descoberto no Brasil.

READ  O presidente brasileiro Lula apresentará uma política de recuperação de pastagens na COP28

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *