Bolsonaro pede tribunal para revogar restrições COVID-19 do Brasil | Notícias da pandemia do vírus Corona

O número de mortos por COVID-19 no Brasil aumentou acentuadamente nas últimas semanas, chegando a mais de 290.000, perdendo apenas para os Estados Unidos.

O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, supostamente pediu à Suprema Corte do país que cancelasse as restrições ao coronavírus impostas por vários estados federais, apesar do número de pessoas infectadas atingir novos níveis.

Na sexta-feira, a mídia local noticiou que Bolsonaro acusou prefeitos e governadores de se comportarem como ditadores e famintos brasileiros, obrigando-os a ficar em casa.

Eles estão impondo um estado de sítio inconstitucional. Eles não podem fazer isso sem a aprovação do Congresso. Eles insultam os moradores e dizem que estão salvando vidas. Como eles podem salvar vidas, disse Bolsonaro, eles estão morrendo de fome.

O número de mortos por COVID-19 no Brasil aumentou acentuadamente nas últimas semanas, chegando a mais de 290.000, perdendo apenas para os Estados Unidos.

Na sexta-feira, o Ministério da Saúde informou que o país registrou 90.570 casos de coronavírus nas últimas 24 horas e 2.815 mortes devido ao Covid-19, o segundo maior número de mortes diárias desde o início da epidemia, há um ano.

Ao final da semana mais letal de uma onda do vírus impulsionada por uma variante local mais contagiosa, o país sul-americano agora tem um total de 11.871.390 casos, enquanto o número de mortos subiu para 290.314, segundo dados do ministério da saúde.

Na sexta-feira, o prefeito do Rio de Janeiro disse que vai fechar as praias populares da cidade no final de semana e proibir as chegadas de ônibus na tentativa de conter a disseminação do coronavírus.

Eduardo Paes disse que a situação na popular cidade litorânea é “muito crítica” e exortou os moradores a ficarem em casa para diminuir a disseminação do vírus.

READ  Royal Rumble 2021: Uma nova esperança

Ele alertou que medidas mais restritivas podem ser anunciadas na segunda-feira, depois que ele se reunir com o painel de especialistas que o aconselham sobre a pandemia.

A cidade de 6,7 milhões de habitantes já havia ordenado o fechamento de negócios às 21h (meia-noite GMT) a partir de 5 de março.

Atualmente, o Rio tem uma taxa de ocupação de 95% nas unidades de terapia intensiva de hospitais públicos.

Como grande parte do país, está lutando para lidar com uma nova onda de casos COVID-19 que, dizem os especialistas, é motivada em parte pelo surgimento de uma nova cepa mais contagiosa do vírus conhecida como “P1”, ou variante brasileira .

O Rio também fechou suas praias há um ano, durante a primeira onda do COVID-19, com resultados limitados. Praias populares como Copacabana e Ipanema costumavam ficar lotadas em dias de sol, com poucos policiais por perto para garantir o fechamento.

A cidade reabriu totalmente suas praias novamente em novembro, pouco antes do verão no hemisfério sul.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *