Banqueiros suíços acusados ​​de ficar sem milhões ligados a amigo de Putin

Quatro banqueiros foram a julgamento em Zurique na quarta-feira acusados ​​de ajudar a encobrir a movimentação de dezenas de milhões de francos suíços por meio de contas abertas em nome de um músico russo com laços estreitos com o presidente Vladimir Putin.

O caso centra-se em duas contas bancárias em nome de Sergei B. As contas foram abertas na unidade suíça do Gazprombank, um dos principais credores da Rússia.

O julgamento levanta questões mais amplas sobre o papel dos bancos suíços como destino preferencial de bilhões de dólares em depósitos vinculados a autoridades russas, um oligarca e, finalmente, a Putin, especialmente após a invasão da Ucrânia pela Rússia no ano passado.

Os promotores suíços dizem que os réus – o CEO do Gazprombank e três outros funcionários do banco – foram criminalmente negligentes ao não realizar a devida diligência robusta para determinar o beneficiário efetivo dos ativos que fluem pelas contas. Os banqueiros, três russos e um suíço, negaram a acusação.

Os promotores dizem que os banqueiros deveriam ter suspeitado que Roldugin não era o beneficiário efetivo desses ativos, mas meramente, como observa a acusação, um “espantalho” ou “bolsa” para Putin.

A acusação dizia: “É bem conhecido que oficialmente o presidente russo Putin tem apenas uma renda de 100.000 francos suíços, ele não é rico, mas na verdade ele tem enormes ativos que são administrados por pessoas próximas a ele.”

Os promotores também chamaram a atenção para as empresas criadas pelo Banco da Rússia em nome de Roldugin, uma empresa cujo presidente, o bilionário Yuri Kovalchuk, disse, “é considerado o tesoureiro de Putin”.

O Sr. Roldugin admitiu que não é um empresário. “Não tenho milhões”, disse ele em uma entrevista em 2014, mas contas abertas no Gazprombank atribuíram a ele ativos de mais de US$ 50 milhões e ele recebe mais de US$ 8 milhões anualmente, segundo a acusação.

Em entrevista à TV russa em 2016, Roldugin disse que sua suposta fortuna consiste principalmente em doações de ricos empresários para financiar a compra de instrumentos musicais caros por músicos russos.

O Gazprombank abriu as contas em 2014, depois que a Rússia anexou a Crimeia, e as administrou até 2016. Sua presença foi demonstrada no vazamento dos Panama Papers de 2016, que divulgou mais de 11 milhões de documentos contendo detalhes financeiros de mais de 214.000 entidades comerciais offshore.

O regulador do mercado financeiro suíço, FINMA, iniciou uma investigação logo após o vazamento, o que acabou levando a acusações criminais apresentadas pelos promotores contra o Gazprombank.

A Suíça tomou medidas para limpar sua reputação de paraíso para o dinheiro sujo, e o julgamento de um dia na quarta-feira atraiu a atenção como prova de que os banqueiros estão sendo responsabilizados pelas autoridades suíças. Também foi criticado pelas penas brandas que os promotores estão buscando. Eles pediram uma pena suspensa de sete meses de prisão, com dois anos de liberdade condicional, para cada réu.

“É absurdo se você quiser mudar o ambiente em que os banqueiros lavam dinheiro para as autoridades russas”, disse William F. Browder, financista britânico e ativista contra a corrupção na Rússia, em entrevista por telefone. “Eles deveriam enfrentar penas de prisão, não um tapa na cara.”

Browder, que era um grande investidor na Rússia, disse que começou uma campanha para sancionar autoridades russas corruptas depois que seu consultor tributário, Sergei Magnitsky, foi preso, severamente espancado e dado como morto na prisão.

Em 2021, as autoridades suíças encerraram uma investigação de uma década sobre um escândalo de lavagem de dinheiro envolvendo dinheiro sequestrado em contas bancárias suíças por autoridades russas, sem acusações feitas. Em janeiro, as autoridades decidiram devolver à Rússia mais de US$ 14 milhões em fundos congelados nesta investigação e mantidos em contas do Credit Suisse e do UBS.

READ  Ilhas Salomão proíbe navios navais de portos até que um novo processo esteja em vigor

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *