Atualizações ao vivo sobre a guerra entre Israel e o Hamas: Blinken chega ao Oriente Médio para reunir apoio ao plano de cessar-fogo

Antony Blinken, secretário de Estado dos EUA, chega a Riad, na Arábia Saudita, na segunda-feira. Ele foi recebido por Mohammed Al-Ghamdi, do Ministério das Relações Exteriores da Arábia Saudita.crédito…Mark Schiefelbein/Associated Press

O secretário de Estado, Antony Blinken, iniciou uma viagem ao Médio Oriente na segunda-feira com o objetivo de evitar uma guerra mais ampla na região e reunir aliados em torno de uma proposta para libertar reféns detidos em Gaza. A visita ocorre no momento em que a administração Biden continua os ataques retaliatórios contra as milícias apoiadas pelo Irão que visavam as forças dos EUA.

Sr. Blinken chegou à Arábia Saudita Sua quinta viagem Para a região desde os ataques de 7 de Outubro em Israel. Autoridades dos EUA disseram que ele espera fazer progressos nas negociações sobre uma série de acordos interligados para acabar com a guerra em Gaza, e manterá reuniões com os líderes da Arábia Saudita, Egito, Catar, Israel e Cisjordânia – todos os principais atores nas negociações sobre uma possível interrupção da guerra em Gaza. Brigando.

A administração Biden e os seus aliados árabes ainda aguardam a resposta do Hamas a um acordo-quadro que inclui a troca de mais de 100 reféns israelitas detidos em Gaza em troca da cessação dos combates e da libertação dos palestinianos detidos nas prisões israelitas.

Uma autoridade dos EUA, falando sob condição de anonimato para esclarecer detalhes dos esforços diplomáticos, disse que Blinken diria aos aliados dos EUA na região que os recentes ataques do governo Biden contra milícias apoiadas pelo Irã não deveriam ser interpretados como uma escalada dos combates no Médio Oriente. Leste. leste.

Os Estados Unidos lançaram dezenas de ataques militares nos últimos dias contra alvos no Iraque e na Síria, em resposta ao assassinato de três militares americanos numa base perto da fronteira com a Síria, na Jordânia. Aviões de guerra dos EUA e da Grã-Bretanha, com o apoio de aliados, realizaram uma nova ronda de ataques aéreos contra a milícia Houthi apoiada pelo Irão no Iémen, numa tentativa de dissuadir o grupo de atacar navios no Mar Vermelho.

Os ataques no Iraque e na Síria levaram a Rússia a convocar uma reunião “urgente” do Conselho de Segurança da ONU, que estava marcada para a tarde de segunda-feira. Maria Zakharova, porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, acusou no sábado os Estados Unidos de agravar o conflito no Oriente Médio, dizendo que os ataques mostraram a “natureza agressiva da política americana” na região.

Em Israel, o principal diplomata de Biden transmitirá as preocupações americanas sobre o número crescente de mortes de civis em Gaza. Mais de 27 mil palestinos foram mortos desde 7 de outubro, segundo o Ministério da Saúde de Gaza, e os combates deslocaram quase dois milhões de pessoas.

“Fomos igualmente claros que devemos nos preocupar e responder ao enorme e terrível sofrimento do povo palestino”, disse Jake Sullivan, conselheiro de segurança nacional de Biden, no domingo. “Isto significa pressionar Israel em questões relacionadas com a ajuda humanitária que ajudámos a abrir e a chegar à Faixa de Gaza, e deve haver mais ajuda.”

Blinken também discutirá o que os diplomatas chamam de planos do “dia seguinte” para administrar Gaza após o fim dos combates, incluindo o papel potencial da Autoridade Palestina, que administra partes da Cisjordânia ocupada por Israel.

READ  Taxas de mortalidade aumentam no sudeste da Ásia à medida que a onda do vírus se espalha

A administração Biden também espera fazer progressos no sentido de convencer a Arábia Saudita a estabelecer relações diplomáticas com Israel, um objectivo de longo prazo que os Estados Unidos consideram importante para a estabilidade no Médio Oriente. Segundo o acordo proposto, os Estados Unidos ofereceriam à Arábia Saudita um tratado de defesa, ajudariam num programa nuclear civil e aumentariam as vendas de armas, enquanto os sauditas e os americanos iriam, em teoria, fazer com que Israel aceitasse os termos para tomar medidas concretas no sentido da criação de uma nação israelita. estado. Estado palestino em troca do reconhecimento saudita.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *