As pessoas viram alienígenas após a queda de um OVNI no Brasil em 1996: doc

Parece ficção científica. Em 13 de janeiro de 1996, a Força Aérea dos EUA abateu um OVNI, que caiu a 10 quilômetros de uma cidade de médio porte no sudeste do Brasil.

Sete dias depois, duas irmãs, de 14 e 16 anos, e uma amiga, de 21 anos, descobrem um pequeno alienígena assustado com grandes olhos vermelhos, agachado contra uma parede. Eles correm gritando para sua mãe.

A polícia e os militares brasileiros capturam pelo menos dois dos alienígenas, um dos quais arranha, ferindo e eventualmente matando um oficial, antes de morrer com seus companheiros alienígenas. A Força Aérea dos EUA confisca os corpos alienígenas e os leva para um local desconhecido. O maciço acobertamento pelos militares brasileiros, reforçado com ameaças de morte, já dura 26 anos.

Mas se tudo for inventado, é uma das maiores obras de ficção científica da história. Acima de tudo, aqueles que ouvem as testemunhas contarem sua história depois de um quarto de século estão convencidos de que estão dizendo a verdade.

No filme, Carlos de Souza descreve ter visto o OVNI balançar e balançar no céu antes de cair no chão.
David E West

Agora, um novo documentário,momento de contato(atualmente transmitido na Amazon e Apple TV +) apresenta o caso mais convincente de que os alienígenas não apenas existiram, mas visitaram e morreram na Terra.

O professor universitário e piloto amador dos leves chamado Carlos de Souza disse que testemunhou a queda do avião em Varginha, Brasil, em 13 de janeiro de 1996.

No filme, De Sousa descreve a espaçonave do tamanho de um ônibus escolar, mas com a forma de um submarino com fumaça branca escapando de um corte nas costas. Ele compara o OVNI a uma máquina de lavar com defeito, balançando e balançando no céu.

READ  PWC 2022: Baixo Guando, Brasil
Quando testemunhas contataram o alienígena, disseram que o medo parecia estar sofrendo com o calor.
Quando testemunhas contataram o alienígena, disseram que o medo parecia estar sofrendo com o calor.
Os cineastas recriaram o local da queda do OVNI com base em relatos que descreviam o objeto como um submarino feito de papel alumínio.
Os cineastas recriaram o local da queda do OVNI com base em relatos que descreviam o objeto como um submarino feito de papel alumínio.
Cortesia de James Fox

De Souza diz que correu para o local do acidente e viu pedaços de metal, como uma fina folha de alumínio, espalhados pelo campo. Ele disse que pegou um pedaço de metal, quebrou-o na mão e soltou-o, voltando à sua forma original.

Imediatamente depois, disse ele, os militares apareceram e os soldados começaram a gritar para ele ir embora.

“Afaste-se! Afaste-se!”, gritaram, enquanto um dos policiais apontava uma arma para seu rosto.

Katja Xavier (esquerda), Valcoria Silva e Lilian Silva voltam ao local onde afirmam ter visto uma criatura
Katja Xavier (esquerda), Valcoria Silva e Lillian Silva voltam ao local onde afirmaram ter visto uma criatura “triste e encolhida” no Brasil em 1996.

Sete dias depois, as irmãs Liliane e Valquíria Silva e a amiga Kátia Xavier caminhavam em um quintal vazio entre duas casas quando avistaram a criatura a apenas dois metros e meio de distância.

“Eu estava na frente e eles estavam um pouco mais atrás”, explica Lillian, que tinha 16 anos em 1996, em The Moment of Connection, de James Fox.

“Passe por aqui o grafite me chamou a atenção. Olhei e vi a criatura. Parecia estar sofrendo com o calor.”

Valkyria tinha 14 anos quando contou ao mundo suas descobertas, que foram recebidas com escárnio na época.
Valkyria tinha 14 anos quando contou ao mundo suas descobertas, que foram recebidas com escárnio na época.

“Quando Lillian gritou, eu olhei para cima e fiquei com medo”, disse Valkyria, que tinha 14 anos na época. “Eu olhei em seus olhos e vi que ele estava com medo. Assim como eu estava com medo, a criatura também estava com medo. Eu vi que ele estava com medo de nós. Foi uma troca de medos. Por nossa causa. Nós tínhamos medo de nós da mesma forma que tínhamos medo de um ser que não conhecíamos.”

“O que vi me fez parar no caminho”, diz Katya, que tinha 21 anos na época. “Ele me prendeu neste lugar. Ela tinha olhos vermelhos, pele oleosa. Eu não conseguia ver uma boca aberta. Sem sorriso… expressão triste. Costas encolhidas. Ela não tinha cabelo. Olhos três vezes maiores que os nossos.”

READ  Anunciando a lista de selecionados para o 2021 Active Digital Marketing Awards

Depois que Lillian grita, ela começa a fugir e as duas garotas se juntam a ela.

Valkyria e seus amigos dizem que o que viram não era humano nem animal.
Valkyria e seus amigos dizem que o que viram não era humano nem animal.

“O que vimos não era humano, nem animal. Hoje acho que era um ser de outro planeta”, diz Liliana.

“Não era um homem, não era um animal. O que era, não sei dizer”, diz Valkyria. Depois de corrermos por algum tempo, paramos e perguntamos o que vimos e corremos para nossas mães.

“Saí para conhecer as meninas”, diz a mãe delas, Louisa, no filme. “Porque as mães têm um sexto sentido… Elas tinham medo e andavam devagar e se arrastavam.

Mike Guillen/New York Post

“Éramos crianças católicas e pensávamos que poderia ser um demônio. Por isso tínhamos tanto medo”, disse Lillian.

Louisa obriga as meninas a voltarem e quando elas voltam ao local, a mãe vê a pegada na terra, que ela havia desenhado para o Diretor Fox. Era um pé redondo com três dedos longos.

“Durante 20 dias eu cheirei muito bem”, disse Louisa. “Não aguentei o cheiro. Não sei de onde veio. Até lavei o nariz com álcool e água.

“Cheirava a amônia”, diz Katya.

Eu não suportava o cheiro. Não sei de onde veio. Cheira pior que enxofre.

Luisa Silva, descrevendo o cheiro da criatura

“Não, não era amônia”, diz a mãe. Cheirava pior que enxofre. Que cheiro esquisito… Agarrei a Katya e disse: “Vamos sair daqui!”

Eles contaram sua história para a imprensa e foram recebidos com escárnio na época. Mas as meninas não mudaram de diploma nos 25 anos que se passaram entre o evento e a realização do filme em 2021.

A dez quilômetros do local do acidente, segundo o filme, os militares fizeram um bloqueio em um bairro residencial. Fontes dizem que o corpo de bombeiros local, sob o controle da Polícia Militar, apreendeu uma das criaturas pela manhã, e outro policial capturou uma segunda perto de onde as três meninas foram vistas no final da tarde.

Fontes dizem que Marco Cherez (foto mostrada por sua irmã) morreu após ser arranhado por uma das criaturas.
Fontes dizem que Marco Cherez (foto mostrada por sua irmã) morreu após ser arranhado por uma das criaturas.
David E West

Foi quando a criatura arranhou um jovem policial, Marco Scherez, que logo adoeceu, e pediu socorro no hospital, segundo o filme. O médico que o tratou disse que Cherez falou abertamente sobre o que havia acontecido porque temia estar morrendo e lutava para sobreviver.

Duas pessoas que não estiveram envolvidas no “Momento de contato” falaram com exclusividade ao The Post sobre altos funcionários brasileiros contando sobre seus encontros privados com as criaturas.

“Ele era magro, fraco e frágil”, disse Vittorio Pacaccini, um investigador civil de OVNIs que disse ter visto um fragmento de filme de 35 segundos de um oficial sênior em 2012. no corpo. Sua cabeça era grande com olhos vermelhos e sem pupilas. O rosto era como um réptil, como um sapo, com estranhos olhos vermelhos três vezes maiores que os nossos e três protuberâncias no alto da cabeça.

Depois de mais de duas décadas alegando ter encontrado os alienígenas, testemunhas traçaram uma analogia entre as criaturas "momento de contato" Cineastas.
Depois de mais de duas décadas supostamente encontrando alienígenas, testemunhas desenharam uma semelhança das criaturas para os cineastas de “Momento de contato”.

Pacaccini disse que a criatura estava viva, mas parecia prestes a morrer.

“Eu fiz um leve som”, disse ele. “Como uma abelha.”

Patricia Fernández Silva descreveu duas criaturas quase idênticas à descrita por Pacaccini e as três meninas. Ela diz que um ex-prefeito da Virgínia que descobriu que ela era uma pesquisadora de OVNIs a convidou para um prédio de escritórios em 2014, onde ele e outros quatro policiais a interrogaram por horas.

O local no Brasil onde testemunhas oculares dizem que tiveram contato pela primeira vez com alienígenas.
O local no Brasil onde testemunhas oculares dizem que tiveram contato pela primeira vez com alienígenas.
David E West

“O tempo todo me perguntavam sobre minha relação com Varginha, mas nunca investiguei o caso. Eu sabia, mas não tinha nada a ver com isso!”

Finalmente, o oficial superior disse aos outros oficiais para saírem da sala. Então ele mostrou a ela uma fotografia colorida, fotografada em filme e impressa em papel Kodak.

Na foto, diz Silva, havia duas criaturas, uma morta e a outra agachada da mesma forma que as três meninas a descreveram. Ela disse: “Tinha três – eu não diria chifres – mas três cistos no alto da testa”.

Vittorio Pacaccini afirmou ter visto as criaturas.  Ele disse que ameaças de morte o forçaram a se mudar para a Itália.
Vittorio Pacaccini afirmou ter visto as criaturas. Ele disse que ameaças de morte o forçaram a se mudar para a Itália.

“Ele tirou a foto e disse: ‘Tem certeza de que não sabe nada sobre este dia? Olhe para a foto! Fiquei com medo! Mas eu disse: ‘Não. Não tinha conhecimento.'”

O ex-prefeito disse a Silva que suas mãos estavam paralisadas desde que ele agarrou a criatura pelas pernas. As mãos do homem estavam rígidas, disse ela, e ele teve dificuldade em tirar a foto de um jornal velho que guardava em um arquivo transparente.

Ao contrário de Pacini e das meninas, Silva disse que os olhos da criatura são pretos, não vermelhos. Mas fora isso, criaturas idênticas são descritas.

Patricia Fernandez Silva afirmou ter visto as criaturas.
Patricia Fernandez Silva afirmou também ter visto as criaturas.

“A boca era tão estreita”, disse ela. “A pele do bairro tinha brilho, mas não era oleosa. Era meio pegajosa como se tivesse acabado de sair de uma piscina. Tinha a pele úmida e molhada.”

Pacaccini disse que gravou entrevistas em vídeo com pelo menos sete militares sobre o confronto, que ele mantém em locais seguros. Depois de acusar os militares de encobrimento, ele disse que motoristas hostis bateram em seu carro em quatro ocasiões diferentes na rodovia. Na quarta ocasião, dois tiros foram disparados contra seu carro. Ele disse ter recebido centenas de ameaças de morte ao longo dos anos e, em 2004, mudou-se para a Itália para escapar.

O “momento da chamada” chega em um momento em que o interesse pelos OVNIs está crescendo. Em 2017, a grande mídia cobriu os relatórios dos pilotos da Marinha sobre OVNIs – renomeados como Fenômenos Aéreos Não Identificados (UAPs) – gravados em filme infravermelho.

Um desenho de Patricia Fernandez Silva dos alienígenas que ela disse ter visto em 1996.
Um desenho de Patricia Fernandez Silva dos alienígenas que ela disse ter visto em 1996.

Em maio deste ano, um oficial de inteligência da Marinha disse que o Exército tinha um banco de dados de 400 incidentes de UAP, mas nenhuma evidência havia sido encontrada. Ao mesmo tempo, os militares não descartaram que os UAPs pudessem ser alimentados por ETs. Em junho, a NASA anunciou que se juntaria à investigação dos UAPs do Exército.

Cada vez mais, o público começa a acreditar que os alienígenas são reais, disse Jack Vallee, astrônomo e ufólogo.

“Na Catedral Nacional, há dois anos… o diretor do Serviço Nacional de Inteligência disse que este é um tópico científico, não apenas um tópico de inteligência”, disse ele ao The Washington Post. “Tema Abrir Ciências. O subtexto era: chega de sarcasmo. Este é um problema real e ninguém tem qualquer explicação.

“Estou tão confuso quanto qualquer um”, acrescentou. E a Força Aérea está perdida. E a Marinha está perdida. A Força Aérea não disse nada. Ele se lembra dos bons velhos tempos e pode não querer fazer parte do diálogo.”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.