Amigável Portugal – Portugal News

Portugal é um país desenvolvido em muitas áreas, mas ao mesmo tempo, como estrangeiro, pode por vezes sentir que está a voltar 20 anos. Em bons e maus momentos. Este artigo é sobre algo bom que acho que muitas pessoas comigo podem sentir falta na Suécia hoje.

Os portugueses são geralmente pessoas amigáveis ​​e discretas. Eles são educados, costumam se dirigir uns aos outros por apelidos e sempre demonstram grande respeito pelos mais velhos. Muitas vezes pensei que, não muito tempo atrás (quando eu era jovem, nos anos 80), esse era um comportamento normal, mesmo na Suécia. Só quando me mudei para o Algarve é que percebi a grande mudança que tinha acontecido. É claro que sempre existem diferenças e exceções, especialmente entre áreas rurais e urbanas.

Aqui estão alguns exemplos de coisas que realmente aprecio em Portugal e que me dão alguma esperança de que qualidades como bondade, cuidado e respeito não tenham desaparecido completamente:

  • Em todas as filas, seja no supermercado, na farmácia ou no posto de gasolina, a prioridade é sempre dada a gestantes, famílias com crianças, idosos e pessoas com deficiência. Existem sinais claros que lhe dizem o que fazer. Isso é completamente normal e ninguém deve ficar chateado por ter que deixar alguém passar na frente dele na fila. Essa forma de pensar também se estende a outras situações. Por exemplo, é mais regra do que exceção que uma pessoa com pouca mercadoria seja convidada a avançar na fila se a pessoa que está à sua frente estiver com o carrinho cheio. Claro que acontece que alguém é simpático até nas filas suecas, mas isso é normal aqui em Portugal.
  • Fui pegar um carro alugado na sexta-feira e o pequeno escritório só tinha uma cadeira para esperar. Uma mulher da minha idade (40+) veio com seu filho adolescente que acho que tinha cerca de 15 anos. Ele estava tão absorto em um jogo para celular que provavelmente nem me notou quando entrou e se sentou na cadeira enquanto sua mãe falava com a equipe. Depois de um tempo, ele levantou a cabeça, me viu esperando e imediatamente se levantou e me ofereceu a cadeira. Isto é algo que se vê constantemente no quotidiano português. Os jovens demonstram respeito pelos mais velhos (e mesmo por aqueles de nós que não se sentem nem um pouco “velhos”, ha ha) e é normal que ofereçam lugar no ônibus ou na sala de espera.
  • Sou uma mulher forte e independente, com uma atitude clara de “eu posso fazer isso sozinha”. No entanto, acho muito simpático que os homens em Portugal sempre me abram a porta, puxem uma cadeira para mim num restaurante e mantenham a porta do carro aberta para mim. Para mim, isso é apenas um sinal de respeito e apreço e também pode contribuir para criar um sentimento romântico. Infelizmente, na Suécia estes gestos começaram a ser interpretados como uma expressão de misoginia na busca da igualdade absoluta. É claro que você pode pensar o que quiser sobre isso, mas eu pessoalmente aprecio isso da mesma forma que é natural para mim manter a porta aberta para uma pessoa idosa. Muitas vezes tive uma porta na minha cabeça quando a pessoa na minha frente na Suécia não tinha ideia de que alguém entraria…… Não perca!
  • Se você é uma pessoa um tanto desajeitada como eu, muitas vezes deixo cair coisas. Na rua, na loja ou em qualquer lugar onde a gravidade tire as coisas das minhas mãos… o que, claro, aconteceu muito nos meus 45 anos na Suécia também. A grande diferença é que a maioria das pessoas na Suécia ficou parada olhando enquanto eu tentava pegar papel e dignidade do chão. Por outro lado, raramente tenho tempo de me curvar antes que pelo menos duas outras pessoas entrem correndo para pegar coisas para mim.
READ  Brasil x Costa Rica: possível escalação para a Copa América 2024

Um sorriso, uma mão amiga, para ver o próximo, para fazer uma pequena boa ação no dia a dia sem a necessidade de ganho pessoal. Não é difícil, não custa nada e faz uma diferença infinita no clima social. Então, da próxima vez que você tiver a oportunidade de fazer algo por outra pessoa, faça! Você e seus companheiros se sentirão bem por dentro.


autor

Elise Slott vive em Portugal desde 2020. Além da profissão de escritora, é também empreendedora de turismo e guia de relocalização. Tem uma paixão pela autêntica região do Algarve e acredita que a partilha de culturas e conhecimentos sobre a mesma é a chave para que Portugal seja o local ideal para viver, tanto para os portugueses como para os estrangeiros que escolheram este país como a sua nova casa.

Elise Slott viajou no sedan português 2020. Ela escreve para nós aqui, e também promove o turismo como guia para homens num grande voo. Temos uma paixão pela autêntica ilha do Algarve, cheia de cultura e de aprendizagem com Varandra, que custa até Portugal ser perfeita para viver, e faz bem aos portugueses e aos imigrantes por terem terras para não sentarem.

Elise Slott

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *