Aliados dizem que o jet-setter Lula corre o risco de perder o foco nas questões do Brasil

Escrito por Lisandra Paraguaso

BRASÍLIA (Reuters) – A fixação do presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva em política externa e uma agenda implacável de viagens ao exterior ameaçam distraí-lo de questões domésticas espinhosas, disseram à Reuters dois aliados importantes do presidente de esquerda.

Seus comentários sinceros, expressos sob condição de anonimato, indicam crescente desconforto dentro do campo de Lula sobre seu ritmo de viagem e seu compromisso de mediar a paz entre a Rússia e a Ucrânia em um momento em que há grande pressão por resultados rápidos ou o risco de dar vantagem ao primeiro . O presidente Jair Bolsonaro e seus apoiadores de direita.

Ambas as fontes elogiaram a vontade de Lula de mostrar que o Brasil está de volta depois que Bolsonaro manchou a posição internacional do país – mas não à custa da solução de problemas domésticos. Uma fonte disse que eles disseram a Lula que ele deveria se concentrar mais em resolver os problemas do Brasil, pois não havia muito tempo para obter resultados e muito trabalho a fazer.

Uma pesquisa da Quaest/Genial no mês passado descobriu que 59% dos brasileiros querem que o partido dos trabalhadores de Lula se concentre em questões nacionais, em vez de seu último esforço para negociar o fim da guerra Rússia-Ucrânia, contra 35% que apoiam o plano do presidente para resolver o conflito conflito.

Lola sempre gostou de apertar o corpo em partidas internacionais. Mas até agora, menos de seis meses em seu terceiro mandato, ele fez duas vezes mais viagens ao exterior do que no início de sua primeira presidência em 2003.

Na quarta-feira, dias após retornar da coroação do rei Charles em Londres, o presidente partirá para uma cúpula do G7 no Japão – sua sexta viagem ao exterior desde que assumiu o cargo em janeiro, incluindo viagens a Pequim e Washington.

READ  Gregoire Munster, estrela da M-Sport, prepara-se para participar no Rali de Portugal

Em comparação, o presidente mexicano de esquerda Andrés Manuel López Obrador, que não foi coroado, fez cinco viagens ao exterior desde que assumiu o cargo em 2018.

“Esse foco na agenda externa está errado e não ajudará o governo neste momento”, disse à Reuters uma das fontes, um assessor sênior do presidente.

“Você tem que se concentrar nas questões críticas”, disse o assessor, citando a necessidade de maior crescimento econômico e criação de empregos.

A assessoria de imprensa de Lula defendeu seu histórico, apontando uma vitória legislativa antecipada que garantiu maior gasto social com as famílias pobres, entre outras medidas.

“Não há foco apenas na política externa, mas em um conjunto de medidas internas e externas para reconstruir o país dos estragos causados ​​pelo governo anterior”, acrescentou.

A negligência de Bolsonaro com minúcias diplomáticas e instituições multilaterais e seu desrespeito pela floresta amazônica significaram que a reputação internacional do Brasil foi atingida nos países ocidentais durante sua presidência, enquanto sua retórica anti-China irritou as penas de Pequim.

No entanto, disseram as fontes, as viagens frequentes de Lula atrasaram a tomada de decisões em um momento em que a economia estava lenta e o governo tinha pouco espaço de manobra após sua estreita vitória eleitoral no ano passado, que o viu derrotar Bolsonaro com apenas 1,8% dos votos. .

O índice de aprovação de Lula caiu para 36% na pesquisa Quaest/Genial em meados de abril, ante 40% no mês anterior, incluindo uma queda acentuada de nove pontos no Nordeste empobrecido do país, um tradicional bastião de seu apoio.

Relação conturbada com o Congresso

As questões domésticas de Lula são complicadas pelo relacionamento tenso entre seu governo e um Congresso recém-conservador, com alguns legisladores reclamando que ele falhou em liberar dinheiro de porco para lançar sua agenda legislativa.

READ  Diogo Dalot: Acordo com o Borussia Dortmund depende da contratação do lateral-direito suplente do Manchester United | notícias de futebol

“As viagens internacionais fazem parte da agenda presidencial, mas não no início do governo… É preciso cuidar do país e cumprir as promessas de campanha”, disse Marco Feliciano, deputado pró-Bolsonaro na Câmara dos Deputados.

Em cinco meses, disse Feliciano, Lula não implementou nada internamente, porque não conseguiu reunir apoio legislativo.

“A direita está unida e trabalhando”, acrescentou.

Lula precisa de apoio do Congresso para uma nova “âncora fiscal” que permita que as finanças do governo avancem sem aumentar a dívida pública do Brasil. Além disso, sem aprovação legislativa, seu decreto presidencial que cria 12 novos ministérios expirará em junho.

Leonardo Pareto, chefe de análise política da Vector Consultoria em Brasília, disse que as viagens de Lula ao exterior são positivas para o país.

Mas Pareto acrescentou que Lula não está disposto a delegar a seus ministros, a se intrometer nas minúcias e a centralizar a tomada de decisões, o que pode ser problemático.

No entanto, Lula não mostra sinais de desaceleração, com vôos chegando à cúpula do BRICS na África do Sul em agosto, à Assembleia Geral das Nações Unidas em setembro e à cúpula do G20 em Nova Delhi ainda este ano.

(Reportagem de Lisandra Paraguaso; Reportagem adicional de Dave Graham e Anthony Bodel; Roteiro de Anthony Bodel; Edição de Flavia Mariero, Gabrielle Stargaardter e Rosalba O’Brien)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *