A revolução dos negócios individuais está se espalhando por todo o mundo

De acordo com um novo relatório global, as empresas individuais estão em ascensão em 19 países.

Das 32 economias pesquisadas neste tópico em Monitor Global de Empreendedorismo De 2019 a 2022, houve um aumento em 19 países na porcentagem de pessoas que iniciaram ou administram um novo negócio, mas não esperavam adicionar ninguém à folha de pagamento em cinco anos.

Os líderes desta tendência foram a República Eslovaca (de 40% em 2019 para 71% em 2022), Alemanha (de 41% para 69%) e Omã (de 41% para 69%), que é o país mais é comum na Europa, mas também ocorre em outros países. 48% a 71%)

No entanto, a taxa de empreendedorismo individual diminuiu em 13 países, com as maiores quedas na Polônia (de 40% em 2019 para 15% em 2022), Brasil (54% para 31%) e República da Coreia (38% para 20% ). . Isso não é necessariamente uma tendência negativa: pode ser porque os empresários desses países planejam contratar funcionários.

Global Entrepreneurship Monitor, agora são 24y ano, oferecendo talvez a visão mais abrangente do mundo sobre empreendedorismo, pesquisando 51 economias que representam quase dois terços da população mundial. Tudo começou como uma joint venture entre Babson College e London Business School. Babson é seu patrocinador global, e um consórcio de especialistas acadêmicos em mais de 300 instituições de pesquisa contribui para o relatório.

Os pesquisadores entrevistaram uma amostra aleatória de pelo menos 2.000 adultos em cada economia participante, para um total de 173.000 pessoas. Também inclui uma pesquisa com 36 especialistas nacionais em 51 economias para fornecer contexto.

O relatório, escrito pelo autor principal Stephen Hill, professor da Escola de Negócios da Universidade Estadual de Cleveland, posiciona os empreendedores como uma solução vital para países ao redor do mundo que lutam com o “novo normal” moldado pelas mudanças climáticas, aumento da pobreza, mudanças e lacunas no mercado. na cadeia de suprimentos, sistemas de varejo e distribuição quebrados e um sistema global e econômico em rápida mudança.

“O empreendedorismo é sem dúvida – e sempre foi uma parte importante da solução para reparar economias e sociedades danificadas”, escreveram no relatório os diretores executivos do GEM, Aileen Ionescu-Somers e José Ernesto Amorós Espinosa.

O relatório é organizado por três grupos de economias: Nível A, com PIB per capita superior a US$ 40.000 (países como Estados Unidos, Reino Unido, Suíça, Canadá e Japão); Nível B, com PIB per capita de US$ 20.000 a US$ 40.000 (países como Argentina, Chile, Grécia e Polônia); e Nível C, com um PIB per capita inferior a US$ 20.000 (incluindo Brasil, China e Índia).

Uma das principais descobertas é que muitos cidadãos em todo o mundo estão sofrendo financeiramente após a pandemia, com muitos daqueles que não podem pagar relatando uma queda na renda familiar. Entre os países Tier A de renda mais alta, o declínio foi de 32% em média. Para o Nível B, foi de 62%. Para o nível C, foi de 72%. O país com as perdas mais generalizadas foi o Togo, com 90% dos adultos relatando uma diminuição na renda familiar.

Diante desse cenário, pessoas de todo o mundo citaram quatro razões principais para iniciar um negócio: acumular grande riqueza, ganhar a vida porque as oportunidades de negócios são escassas, fazer a diferença e continuar uma tradição familiar. Os dois primeiros eram geralmente os mais populares. As motivações para construir grande riqueza e fazer a diferença não estavam relacionadas ao nível de renda; No entanto, o desejo por uma alternativa de trabalho foi maior entre os de menor renda.

Houve muitas outras descobertas que fornecem um instantâneo de onde o empreendedorismo está decolando em todo o mundo – e onde será necessário apoio para iniciá-lo ou revivê-lo.

O relatório define as pessoas como empreendedoras se elas tomaram medidas para iniciar um negócio ou já estão administrando um – em oposição a alguém que está pensando em começar.

Aqui estão alguns dos resultados que surgiram:

  • A proporção de adultos que abrem e administram um novo negócio é maior em cinco países: Colômbia, Chile, Guatemala, Panamá e Uruguai, seguidos por Uruguai e Togo.
  • Os Emirados Árabes Unidos (UAR) estão no topo da lista dos 12 países onde a atividade empreendedora tem crescido, com uma taxa de participação de 12%. Segue-se a Colômbia e o Irão (ambos com 6%).
  • Havia 16 países mostrando declínios significativos na atividade empreendedora total. As maiores quedas foram no Chile (queda de 10%), Marrocos (queda de 7%) e Israel (queda de 4%).
  • A República Árabe Unida tem o maior ambiente de inscrição para iniciar e desenvolver um negócio, pelo segundo ano consecutivo, entre as 51 economias avaliadas por especialistas no Índice Nacional de Contexto de Empreendedorismo. O índice mede os ecossistemas de empreendedorismo em países individuais com base em fatores como acesso ao capital, disponibilidade de educação para o empreendedorismo e políticas governamentais.
  • Os próximos nove países, em ordem, são Arábia Saudita, Taiwan, Índia, Holanda, Lituânia, Indonésia, Suíça, República da Coreia e Catar. Os Estados Unidos terminaram em 14º com a Noruega. A Venezuela, que vive uma inflação de dois dígitos e estagnação em sua principal indústria, o petróleo, está no final da lista.
  • Mais da metade dos adultos no Brasil, Panamá, Tunísia e Togo planeja abrir um negócio nos próximos seis meses.
  • As oportunidades de emprego estão vazando em alguns países. Em duas economias – República Árabe Unida e Panamá – a porcentagem de adultos que iniciaram negócios esperando contratar seis ou mais pessoas foi quatro vezes maior do que seus colegas que abriram intencionalmente empresas individuais.
  • O setor mais popular para iniciar um negócio é o de serviços ao consumidor e às empresas. As empresas desse setor representam mais de 2/3 das novas startups em 40 dos 49 países.
  • Empreendedores nas economias da América Latina e do Golfo estão adotando tecnologias digitais em seus pequenos negócios em taxas mais altas do que em outras partes do mundo, deixando-os bem posicionados para o sucesso.
  • A maior porcentagem de saídas por motivos “positivos”, como vender um negócio ou buscar uma oportunidade de negócio, foi na Arábia Saudita (5%) e Emirados Árabes Unidos, Canadá e Estados Unidos (todos 3%).
  • A Arábia Saudita tem a maior porcentagem de adultos (quase 9/10) que acreditam que haverá uma boa oportunidade para iniciar um negócio local nos próximos seis meses. A Indonésia estava seguindo isso de perto. O Japão tem o menor.
  • A Arábia Saudita também tem o maior percentual de adultos que acham fácil abrir um negócio (quase 90%), seguida da Holanda e da Noruega. A porcentagem em Israel foi a mais baixa.
  • A Arábia Saudita encabeça a lista quando se trata da porcentagem de pessoas que estão confiantes de que possuem as habilidades e confiança para iniciar um negócio (quase 90%), seguida pelo Togo. A porcentagem é a mais baixa do Japão.
  • Em 37 das 49 economias participantes, mais de 40% dos entrevistados que viram boas oportunidades expressaram medo do fracasso que poderia impedi-los. A Arábia Saudita tem a maior porcentagem de pessoas que veem uma oportunidade, mas dizem que seriam dissuadidas de persegui-la por medo do fracasso (pouco menos de dois terços). A República da Coreia tem a menor porcentagem de adultos retardados pelo medo do fracasso (um em cinco).
  • O Chile teve a maior porcentagem de adultos (22%) que investiram no negócio de outra pessoa nos últimos três anos, seguido pela Guatemala (14%).
  • Os homens eram mais propensos a iniciar negócios, com exceção de quatro países – Indonésia, Polônia, Catar e Togo.
  • Os mais jovens eram os mais propensos a iniciar um negócio em todo o mundo, com a atividade empreendedora total daqueles entre 18 e 34 anos sendo maior do que aqueles entre 35 e 64 anos nos 37 países onde isso foi medido.

“Nossa ambição no GEM é clara: fornecer transparência aos formuladores de políticas para que eles possam tomar melhores decisões para realmente promover o empreendedorismo, entender as circunstâncias nacionais específicas e também monitorar e agir sobre o impacto de suas decisões ao longo do tempo”, disse o professor. Jose Ernesto Amoros, Presidente do Conselho de Administração da GEM-GERA e membro da equipe GEM México, disse em um comunicado.

Por fim, os dados fornecem um poderoso material para reflexão para os formuladores de políticas que acreditam que o empreendedorismo pode ser uma maneira valiosa de construir um futuro econômico melhor.

Me siga Twitter ou linkedin. pagando para mim local na rede Internet.

READ  Como a Fitch classificou o Brasil em seu último relatório? A última vez foi negativo - MercoPress

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *