A pobreza está matando a floresta amazônica. Um melhor tratamento do solo e os agricultores podem ajudar a salvar o que resta

A Terra revela um dos paradoxos da floresta tropical. A floresta é conhecida pela sua beleza e biodiversidade, e os nutrientes vitais da floresta são armazenados principalmente nas árvores e outras plantas, e não no solo.

Quando a floresta é desmatada – para uma fazenda de gado, um campo de soja ou mesmo um pequeno grupo de casas de aldeia – a combinação do sol quente da Amazônia e das chuvas torrenciais se combinam para lixiviar os escassos nutrientes do solo em apenas alguns anos, deixando para trás uma terra surpreendentemente árida.

Essa sujeira pobre dificulta a manutenção do plantio em um só lugar.

Numa região com os mais elevados níveis de pobreza no Brasil, pessoas com poucas opções abandonaram frequentemente campos degradados e desmataram mais florestas – acelerando um ciclo de desflorestação que ameaça o clima do planeta e milhões de espécies exclusivas da Amazónia.

“A biodiversidade é rica, mas muitas pessoas são muito pobres”, disse Judson Ferreira Valentim, cientista de solos da agência governamental de pesquisa agrícola Embrapa. “Não podemos proteger as florestas tropicais sem combater a pobreza na Amazônia.”

___

Nota do Editor – Esta história faz parte de The Protein Problem, uma série da AP que examina a questão: Podemos alimentar este mundo em crescimento sem deixar o planeta faminto? Para ver o projeto completo, visite https://projects.apnews.com/features/2023/the-protein-problem/index.html

___

A única maneira de atingir ambos os objetivos é criar mais caminhos para as pessoas ganharem a vida na Amazônia sem destruir ainda mais a floresta tropical, afirmam especialistas que trabalham há muito tempo na região. Isto significa utilizar terras já desmatadas de forma mais eficiente – reduzindo a pressão para desmatar mais florestas – bem como apoiar empresas que colhem de forma sustentável produtos locais como o açaí e o cacau.

READ  Como a inteligência empresarial ajuda você a enfrentar crises

A escala de fazendas e pastagens abandonadas em toda a Amazônia brasileira é enorme – cobrindo uma área maior que Portugal, de acordo com uma análise da AP de dados extraídos de imagens de satélite pela colaboração de pesquisa brasileira Mapbiomas.

Outros pesquisadores estimam que a pecuária, responsável por 60% a 80% do desmatamento na Amazônia brasileira, é apenas um terço da produtividade que deveria ser, e que o aumento da eficiência na mesma quantidade de terra atenderia à crescente demanda por gado.Florestas. Carne até 2040. O Brasil é um grande exportador de carne bovina para os mercados globais, e 43% do gado brasileiro é atualmente criado na Amazônia, de acordo com uma análise da AP de dados do governo.

“É preciso aplicar leis contra o desmatamento, mas isso é apenas parte da solução. É preciso também dar às pessoas alternativas” para melhorar seus meios de subsistência, disse Rachel Jarrett, pesquisadora da Universidade de Cambridge que conduz trabalho de campo na Amazônia desde então. 2006.

Há 28 milhões de pessoas vivendo apenas na parte brasileira da Amazônia – incluindo agricultores indígenas, pecuaristas que migraram de outras partes do país e colonos que foram realocados à força décadas atrás, quando o governo confiscou suas antigas terras para projetos de infraestrutura como a Itaipu. Barragem.

Carregamento do solo

O produtor de leite Edson Cesar de Oliveira está experimentando cultivar uma leguminosa local chamada amendoim forrageiro junto com grama em suas pastagens no estado do Acre. Esta planta atrai bactérias para suas raízes que podem extrair nitrogênio do ar para o solo, agindo essencialmente como um fertilizante natural de baixo custo.

READ  Brazilian Americana apresenta plano de recuperação via Reuters

Embora as pastagens exclusivamente de pasto possam deteriorar-se em apenas dois ou três anos, a adição de leguminosas pode aumentar a fertilidade do solo durante dez anos ou mais. Também é mais rico em proteínas do que apenas a grama, o que ajuda o gado a crescer mais rápido.

De Oliveira, que disse não ter dinheiro para comprar fertilizantes químicos, notou que as pastagens que contêm amendoim não ficam amarelas durante a estação seca. As vacas que pastam ali durante pelo menos duas noites produzem cerca de 20% mais leite, disse ele.

Sabores da floresta tropical: ay e cacau

Cesar de Mendes está tentando expandir seu negócio florestal sem cortar nenhuma árvore.

Ao caminhar pela selva ao longo de um afluente do rio Amazonas, no Pará, ele apontou frutos amarelos brilhantes brotando, às vezes aos pares, no meio dos troncos das árvores. É o cacau, planta responsável por um dos maiores prazeres do mundo: o chocolate.

Sua empresa, De Mendes Chocolates, utiliza cacau colhido em florestas tropicais intocadas. Ele espera que os clientes apreciem como os diferentes microclimas e condições do solo em toda a região afetam o sabor do chocolate.

A ideia de colher os frutos da floresta tropical é simples, mas nem sempre é fácil escalar um negócio sustentável. Colocar a fruta no mercado antes que estrague pode ser um grande desafio. No ano passado, durante a época das chuvas, uma estrada ficou fechada durante 90 dias.

Uma solução é construir pequenas fábricas de processamento perto da floresta, como o coletivo agrícola Projeto RECA tem feito há muito tempo no estado de Rondônia, no norte do Brasil.

READ  Kestria adiciona uma nova empresa membro no Brasil

Os trabalhadores coletam o açaí dos colhedores locais e depois os transportam para o campus do Projeto RECA na garupa de uma motocicleta para que possam ser rapidamente transformados em geleia, xarope e polpa de fruta congelada antes que estraguem.

“A floresta nos apoia”

Os efeitos das mudanças climáticas já estão sendo sentidos localmente na região amazônica, obrigando outras adaptações.

Ao longo das suas histórias, os indígenas Tembe da aldeia de Tekohau usaram o fogo para limpar pequenas parcelas de terra para cultivar mandioca, feijão e outras culturas de subsistência. Depois de cultivar durante três anos, eles limparam novas terras.

Como as suas parcelas eram pequenas, o impacto global sobre a floresta foi mínimo. Mas o chefe da aldeia quer agora encontrar outras formas de gerir a fertilidade do solo.

“Queremos melhorar a agricultura aqui, num local específico, e não continuar a queimar campos e a empurrar a natureza para trás”, disse Kabare Tembe, colocando a enxada no chão e enxugando o suor da testa. “Precisamos cuidar do solo.”

No início deste ano, os aldeões trataram o campo com um pó feito de calcário moído. É uma tecnologia para reduzir a acidez natural do solo amazônico. Tempe também começou a plantar outro tipo de leguminosa, chamada ervilha indiana, para adicionar nitrogênio ao solo.

Ao retornar para a aldeia, Tempe ouviu o grito alto da arara vermelha.

“É um lembrete de onde estou”, disse ele. “A floresta apoia-nos, aos animais e às plantas – queremos protegê-los.”

___

O Departamento de Saúde e Ciência da Associated Press recebe apoio do Grupo de Mídia de Ciência e Educação do Howard Hughes Medical Institute. A AP é a única responsável por todo o conteúdo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *