A libertação de um empresário israelita após a sua detenção, uma investigação policial em Portugal

Um empresário israelense foi libertado após ser preso por interrogatório em conexão com uma investigação policial sobre negócios imobiliários.

Elad Dror, CEO do Fortera Group, foi preso na terça-feira junto com outras seis pessoas. As prisões fizeram parte de uma operação chamada “Babilônia”, lançada após uma condenação anônima. O nome “Babel” foi utilizado para esta investigação devido à vitória de Dror na construção do edifício mais alto de Portugal.

Dror, um judeu sefardita, foi libertado na sexta-feira após ser interrogado pelos promotores. Ele negou qualquer transgressão.

Como ele saiu?

Dror anunciou à saída do Tribunal de Instrução Criminal (TIC) do Porto que iria “pagar a quantia de um milhão de euros” que lhe tinha sido aplicada como medida coerciva para ser libertado, segundo o notícias de portugal.

Foto ilustrativa de uma prisão. (crédito: PIXABAY)

notícias de portugal O site disse que Dror foi libertado sob fiança de um milhão de euros e seu passaporte, enquanto outros foram enviados para prisão domiciliar ou permaneceram detidos para interrogatório.

Além de Dror, foi também detido outro empresário do setor imobiliário, Paulo Malavía, que já tinha sido detido no âmbito da Operação Vortex, ao abrigo da qual se encontra em prisão preventiva o ex-presidente da Câmara Municipal de Espinho, Miguel Reis.

Também foi detido o vice-presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia, Patrocínio Azevedo, responsável pelo urbanismo. A mídia portuguesa disse que os promotores acreditam que Dror foi subornado por Azevedo.

No site de sua empresa, Dror é chamado de “cidadão do mundo”, porque “viajou e morou em mais de 6 países e abriu negócios e empresas com sucesso nos Estados Unidos, Reino Unido, Espanha, Bélgica, Holanda e Portugal”. Para o site, a Dror desenvolve negócios em Portugal desde 2010 com uma vasta experiência na gestão de projetos complexos, no mercado internacional, sendo atualmente responsável por 150 colaboradores em Portugal. “Recentemente foi capa da Forbes Portugal destacando a sua atuação no mercado imobiliário”, refere o jornal.

A comunidade judaica expressou preocupação com as prisões

A comunidade judaica do Porto manifestou preocupação com as detenções e acusou a comunicação social de anti-semitismo.

O presidente da comunidade, Gabriel Cenderović, disse que as prisões foram uma “caça às bruxas” e que foram “usadas para atacar toda a comunidade”.

Disse que a comunidade foi “apresentada como imigrantes de que Portugal não precisa” e que as detenções foram “uma forma de dizer que aqui não somos bem-vindos”.

Em julho, o Portugal News publicou um artigo sobre o projeto Skyline, que a Fortera Properties pretende construir “e representa um investimento de 150 milhões de euros, mais 30 milhões de euros do que inicialmente previsto. Citando Dror, afirma que os aumentos no sector da construção” são atrás do aumento do valor do investimento.

READ  Polkenhorn quer enfrentar adversários fortes em Espanha e Portugal

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *