A espinha dorsal brasileira constrói pontes com a África

Com excepção de Nollywood, na Nigéria, que produz uma média de 2.500 filmes por ano, o “potencial de África como potência cinematográfica permanece largamente inexplorado”, apesar dos grandes avanços na produção, de acordo com um relatório da UNESCO.

A empresa brasileira Spcine, autoridade de cinema e televisão em São Paulo, espera mudar o status quo. Desde o lançamento da primeira política internacional de incentivo ao cinema do país, em 2019, a Spcine tem desempenhado um papel vital na promoção da indústria audiovisual brasileira em todo o mundo. Em 2020, liderou uma estratégia para reforçar as relações com o continente africano, especialmente nos mercados com maior potencial de crescimento, liderados pela Nigéria e pela África do Sul. A medida faz sentido, porque o Brasil abriga a maior população negra fora da África e a terceira maior do mundo, com mais de 79 milhões de afrodescendentes.

Em 2022, a Spcine participou de grandes eventos audiovisuais na África, em particular o Festival Africano de Cinema e Televisão (FESPACO) em Burkina Faso e na Nigéria onde participou de reuniões e visitas direcionadas, buscando negócios e parcerias estratégicas com distribuição, produção estúdios, institutos de formação e escolas.Diretores de cinema e festivais.

Mais recentemente, Sepsin enviou uma delegação à exposição Durban FilmMart na África do Sul, realizada de 20 a 30 de julho de 2023, que destaca os fundamentos da indústria cinematográfica africana.

Aqui a Spcine formalizou o seu compromisso, assinando um acordo de co-produção com a África do Sul que inclui um investimento de 20.000 dólares por projecto (cerca de 95.000 SAR), que cobrirá o apoio abrangente a quatro projectos, dois dos quais liderados por produtores sul-africanos e dois outros, de produtores sediados em São Paulo.

READ  Tudo o que há para saber sobre Gloria Grove

A previsão de publicação dos projetos é a publicação do primeiro semestre de 2024, disse a presidente da Spcine, Vivian Ferreira, que destacou os Encontros Profissionais Audiovisuais: São Paulo – África do Sul que reuniram criativos e executivos das indústrias paulistas e sul-africanas online para Eles podem apresentar seus projetos uns aos outros. “Foram quatro dias de reuniões com matchmaking e preparamos um catálogo com todos que tinham interesse em colaborar com São Paulo e vice-versa”, disse ela.

Segundo Sessin, existem vários fatores-chave que impulsionam uma maior cooperação entre o Brasil e a África:

  1. A Nigéria é o único outro país cuja população negra é maior que a do Brasil. Esta ligação, enraizada na diáspora africana, proporciona um terreno fértil para projetos colaborativos e intercâmbios culturais.
  2. As indústrias cinematográficas e audiovisuais de África são altamente influentes, contribuindo com cerca de 5 mil milhões de dólares para o PIB e apoiando cerca de 5 milhões de empregos, segundo estimativas da UNESCO. O futuro é promissor, com potencial para gerar 20 milhões de empregos e contribuir com 20 mil milhões de dólares para o PIB colectivo do continente.
  3. Muitos meios de comunicação informam que, até o final deste século, o número de falantes de português deverá atingir 442 milhões de pessoas no mundo. Actualmente, o Brasil lidera com 215,8 milhões de falantes, mas as expectativas são de que o crescimento do português seja liderado por países como Angola e Moçambique. O aumento populacional previsto nestes países indica a possibilidade de África emergir como o mercado consumidor número um de conteúdos audiovisuais, superando até mesmo o Brasil.
  4. As projecções para a Nigéria indicam a sua ascensão como potência global até 2100, impulsionada pela expansão da sua população em idade activa. Espera-se que este boom demográfico promova um rápido crescimento económico, elevando o país do 23.º lugar na classificação do PIB global de 2017 para o nono lugar. Esta mudança, tanto económica como demograficamente, revela oportunidades estratégicas para projetos cooperativos e investimentos no setor audiovisual entre o Brasil e a Nigéria.
READ  Governo propõe pacote Hajj 2022: peregrinos pagam mais 1 mil

Em outras iniciativas, como resultado direto da visita da Spcine a Lagos em março de 2023, o encontro São Paulo-Nigéria 2023 promovido pela Brazilian Content e organizado em parceria com o The Production Collective of Nigeria fortaleceu as parcerias comerciais entre Brasil e Nigéria. Coprodução, licenciamento de conteúdo original e prestação de serviços de produção foram discutidos em encontro virtual.

A Spcine também esteve presente no Festival Internacional de Cinema Africano (AFRIFF) de 5 a 10 de novembro. Ela participou de dois painéis – Oportunidades de Colaboração Cinematográfica Internacional com Cineastas Nigerianos, e Spcine em Talks with Nollywood – e apoiou um evento de networking e sessões de speed dating entre Brasil e Nigéria, onde produtores nigerianos apresentaram projetos.

Festival Brasileiro de Cinema de Hollywood
Cortesia da Spcine

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *