A confusão da Euromoney Banco do Brasil manda uma mensagem clara

No início da semana passada, o Banco do Brasil anunciou um programa de realinhamento que racionalizaria sua base de custos, redirecionaria sua estratégia e aumentaria as margens.

O autor do plano e CEO do banco, Andre Brandau, foi nomeado para o cargo em setembro passado vindo do HSBC, onde foi chefe de bancos e mercados globais para as Américas e supervisionou um desafio estratégico semelhante.

Os analistas saudaram o plano, que propunha a “desativação” de 361 unidades de negócios, incluindo 112 filiais inteiras, e a expectativa de demissões de 5.000 funcionários.

Relatório do Citi elogiou a mudança, que resultará em uma economia na gestão de R $ 2,7 bilhões (US $ 513 milhões) até 2025, além de colocar o banco em melhor posição para um novo ambiente competitivo.

O Citi também estimou que o plano geraria 42 pontos básicos para melhoria na classificação de eficiência do banco a cada ano durante os próximos quatro anos.

No entanto, na quarta-feira, 13 de janeiro O valor queO principal jornal financeiro do Brasil publicou uma manchete dizendo que o presidente do país, Jair Bolsonaro, demitiu Brandão depois que ele ficou irritado com a demissão planejada.

O banco emitiu um comunicado no dia seguinte dizendo que não houve rescisão formal.

Posteriormente, soube-se que o presidente do banco central, Roberto Campos – que havia indicado Brandão para o cargo – e Paulo Guedes, o ministro da Fazenda que aprovou o plano, intervieram para evitar a demissão de Brandão.

READ  O estatal Banco do Brasil tem problemas de servidor

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *