“Um passo crítico na melhoria dos serviços” para cidadãos imigrantes

O decreto regulamentar relativo à Lei dos Estrangeiros publicado hoje em Diário da RepúblicaAltera o “regulamento do regime jurídico de entrada, residência, saída e deportação de cidadãos estrangeiros do território nacional”.

O diploma abrange as novas funções da AIMA, que foi criada em 29 de outubro para substituir o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (espada) e o Alto Comissariado para as Migrações (ACM), e a GNR E BSPQue se tornam as instituições responsáveis ​​pelo controlo das fronteiras.

“Através deste decreto regulamentar, são modernizados e simplificados os procedimentos administrativos com o objetivo de garantir que a AIMA consegue emitir instruções e decidir sobre os processos relativos à permanência de cidadãos estrangeiros em território nacional em tempo útil e no cumprimento dos requisitos de cumprimento, ” lê-se no diploma hoje publicado.

Num comunicado enviado à Lusa, a AIMA explica que esta alteração “constitui um passo decisivo na melhoria dos serviços” aos cidadãos imigrantes, porque permite “a modernização e simplificação dos procedimentos administrativos, permitindo a instrução e a tomada de decisão sobre processos relacionados com a permanência de estrangeiros.” cidadãos ao território nacional em tempo útil e com requisitos de segurança acrescidos.”

Com este novo decreto regulamentar, será possível “disponibilizar serviços digitais no portal AIMA, enviar, receber e pagar pedidos de autorização de residência, cancelar agendamentos e deslocações” para locais físicos, e “liberar os colaboradores de serviços sem valor acrescentado”. tarefas, como processamento de pagamento de taxas.

A AIMA prometeu disponibilizar em breve serviços digitais no portal “iniciando, conforme já anunciado, com os pedidos de autorização de residência para reagrupamento familiar”.

O reagrupamento familiar tem sido uma das principais causas de queixas dos migrantes legais em Portugal, que acusam o país de violar as suas leis e acordos internacionais ao não responder a dezenas de milhares de pedidos pendentes.

READ  O presidente português foi acusado de traição depois de exigir reparações pela escravatura

Além disso, o diploma permite pedidos digitais de concessão e renovação de autorizações de residência e permite também que esses pedidos sejam apresentados por empregadores, centros de investigação ou instituições de ensino abrangidas por migrantes.

O diploma autoriza ainda a AIMA a “concluir os protocolos necessários para garantir a comprovação da situação jurídica através do acesso direto às diversas bases de dados das instituições públicas, e para garantir maior celeridade e segurança da informação”, como “comprovativo da presença de trabalho e residência no país.” Território nacional, situação cadastral, contribuição regular à Segurança Social e à Agência Tributária, frequência em instituição de ensino, trabalho voluntário ou estágio.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *