Últimas notícias sobre a guerra entre Israel e o Hamas: Os Estados Unidos estão construindo um cais para permitir a entrada de ajuda em Gaza por via marítima

O Fundo Monetário Internacional concordou em duplicar o pacote de resgate para o Egipto, que atravessa a sua pior crise económica em décadas, que foi agravada pela guerra na vizinha Faixa de Gaza e na Ucrânia.

O fundo planeia agora fornecer 8 mil milhões de dólares ao Egipto, acima dos 3 mil milhões de dólares iniciais anunciados em Outubro de 2022.

A chefe da missão do Fundo Monetário Internacional no Egipto, Ivana Vladkova Hollar, observou numa conferência de imprensa que a já sofrida economia egípcia foi ainda mais prejudicada pelo conflito entre Israel e o Hamas, que cortou o vital comércio turístico do país.

Entretanto, as receitas do Canal de Suez caíram para metade depois de militantes Houthi, que dizem estar a agir em solidariedade com os palestinianos em Gaza, terem começado a atacar navios de carga que utilizavam as rotas marítimas do Mar Vermelho.

O primeiro-ministro egípcio, Mostafa Madbouly, disse que o acordo permitirá ao governo garantir um adicional de 1,2 mil milhões de dólares, mais de 8 mil milhões de dólares, do Fundo de Relevância Ambiental do Fundo Monetário Internacional, e encorajará parceiros de desenvolvimento como o Banco Mundial e a União Europeia a dar ao Egipto mais. Empréstimos para ajudá-los a alcançar a estabilidade financeira.

Na semana passada, o Egipto concluiu um acordo de 35 mil milhões de dólares com os Emirados Árabes Unidos para desenvolver partes da sua costa mediterrânica. As autoridades egípcias celebraram-no como o maior investimento estrangeiro direto na história do Egito.

Horas antes do anúncio do acordo com o FMI, numa tentativa de conter a inflação elevada, o Banco Central do Egipto desvalorizou a moeda em mais de 35% – esta foi a quarta desvalorização em dois anos – e aumentou as taxas de juro em 600 pontos base.

Lojas no Antigo Cairo Islâmico em março. Numa tentativa de conter a inflação elevada, o Banco Central do Egito desvalorizou a moeda em mais de 35 por cento.crédito…Fátima Fahmy para o New York Times

Madbouly disse que o seu governo e o Fundo Monetário Internacional chegaram a um consenso sobre os objectivos do plano de reforma estrutural do Egipto.

Acrescentou que o objectivo é aumentar as reservas cambiais, reduzir o peso da dívida, garantir o fluxo de investimentos directos estrangeiros e trabalhar para alcançar elevadas taxas de crescimento para a economia egípcia.

Madbouly disse que o governo e o FMI estão comprometidos com medidas de protecção social para grupos vulneráveis ​​que serão afectados pelos planos de reforma.

Nos últimos 18 meses, uma grave escassez de moeda estrangeira no Egipto, que depende fortemente das importações, elevou os preços – e a ansiedade quanto ao futuro – a níveis sem precedentes. O custo de alguns produtos alimentares básicos quadruplicou, o peso da dívida atingiu um máximo histórico e a moeda perdeu uma parte significativa do seu valor, destruindo o poder de compra dos rendimentos das pessoas e o valor das suas poupanças.

O governador do Banco Central, Hassan Abdullah, disse que o plano de médio prazo do governo visa reduzir a inflação, que atingiu um nível recorde de cerca de 40 por cento no verão passado, para um dígito.

Antes do acordo com o FMI, as crescentes pressões económicas forçaram o governo a mudar as suas tácticas, incluindo o congelamento de alguns megaprojectos dispendiosos encomendados pelo Presidente Abdel Fattah al-Sisi, incluindo uma nova e luxuosa capital no deserto.

Pressão adicional veio do Fundo Monetário Internacional, que se recusou a entregar uma parte significativa do empréstimo inicial até que o Egipto cumprisse certas condições de política económica. Entre elas estava encorajar o crescimento do sector privado, eliminando as vantagens competitivas de que gozavam as empresas de propriedade militar no Egipto.

Durante a última década, a economia egípcia tem lutado para se estabilizar. Muitos observadores dizem que a má gestão, incluindo gastos excessivos em megaprojectos e a dependência excessiva de longa data das importações, tornou o Egipto vulnerável a sucessivos choques externos. Além da guerra em Gaza, houve a pandemia do coronavírus e a guerra na Ucrânia, que afetou o turismo e as importações essenciais de trigo.

O horizonte emergente da nova capital administrativa do Egito, a leste do Cairo, em janeiro. Muitos analistas dizem que os gastos excessivos nestes megaprojectos tornaram o Egipto vulnerável a choques externos.crédito…Khaled Al-Feki/EPA, via Shutterstock

Sisi tem defendido repetidamente as políticas do seu governo, dizendo que a revolta de 2011 que depôs o Presidente Hosni Mubarak causou fragilidade económica permanente.

Mas nas interações diárias nas ruas do Cairo e nas redes sociais, muitos culpam o presidente, a quem acusam de gastar em projetos vaidosos e de enfraquecer a economia ao ponto de minar a influência do Egito na região.

Alguns especialistas dizem que o Fundo Monetário Internacional, que emprestou milhares de milhões de dólares ao Egipto desde 2016, é parte do problema.

“Eles não se aprofundam o suficiente no que se passa na máquina”, disse Mohamed Fouad, consultor financeiro e antigo legislador egípcio.

Fouad espera que o credor internacional tome agora decisões mais ponderadas.

Ele disse: “O maior erro ocorreu entre 2016 e 2020, quando todos estavam aplaudindo, concentrando-se apenas no aspecto macroeconômico. Mas a base era frágil”.

Viviane Yee Contribuiu para relatórios.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *