Últimas notícias sobre a guerra entre Israel e o Hamas e atualizações sobre o conflito em Gaza

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, aprovou planos para uma operação militar em Rafah, anunciou seu gabinete na sexta-feira. A declaração não forneceu detalhes adicionais sobre o ataque, ao qual muitos líderes mundiais e organizações humanitárias se opõem, que afirmam que poderá ser devastador para mais de 1,4 milhões de palestinos que se estima estarem em busca de refúgio na cidade.

O secretário de Estado, Antony Blinken, disse a repórteres em Viena na sexta-feira que o governo Biden não tinha visto um plano de Israel detalhando como proteger os civis caso os militares se mudassem para a cidade densamente povoada. O presidente Biden alertou no início deste mês que uma invasão israelense de Rafah cruzaria a “linha vermelha”, embora tenha dito: “Nunca deixarei Israel”.

John Kirby, porta-voz do Conselho de Segurança Nacional da Casa Branca, disse numa conferência de imprensa no mesmo dia que os Estados Unidos não poderiam apoiar um ataque em Rafah que “não inclua também um plano credível, realizável e executável para cuidar do segurança e proteção” dos palestinos. O povo de Gaza está lá – e a operação sem tal plano seria um “desastre”.

O porta-voz do exército israelense, Daniel Hagari, disse quinta-feira que o exército israelense pretende direcionar uma parcela “significativa” da população de Rafah para “ilhas humanitárias” no centro de Gaza, que serão criadas em cooperação com a “comunidade internacional”.

Israel também anunciou na sexta-feira que enviaria uma delegação ao Catar para continuar as negociações para a libertação dos reféns detidos pelo Hamas em troca da libertação dos prisioneiros palestinos detidos por Israel. Esta medida surge na sequência da recente proposta de cessar-fogo feita pelo Hamas, que foi acordada por Israel Acusado Fazendo “exigências irrealistas”.

Kirby disse na sexta-feira que a proposta do Hamas era “ataques amplos, dentro dos limites do acordo em que temos trabalhado há vários meses”.

Aqui está o que mais você deve saber

O presidente Biden elogiou recentemente carta Escrito pelo líder da maioria no Senado, Charles E. Schumer (DNY), que criticou o governo Netanyahu Ele apelou a Israel para realizar novas eleições. Biden descrito É um “bom discurso” que “expressa uma preocupação séria que não é partilhada apenas por eles”. [Schumer] Mas por muitos americanos. Autoridades israelenses criticaram os comentários de Schumer, com o embaixador de Israel nos Estados Unidos chamando-os de “contraproducentes para nossos objetivos comuns”.

Um segundo navio de ajuda prepara-se para navegar de Chipre para Gaza, transportando “centenas de toneladas adicionais de alimentos”. Cozinha Central Mundial Ele disse Sexta-feira nas redes sociais. O primeiro navio co-organizado pela organização sem fins lucrativos dos EUA – fundada pelo famoso chef José Andrés – chegou mais cedo naquele dia através de um novo corredor marítimo destinado a aumentar a ajuda à região. À beira da fome. Uma em cada três crianças com menos de dois anos de idade no norte de Gaza sofre de subnutrição aguda. Um aumento significativo em relação a janeiro, segundo UNICEF.

Pelo menos 20 pessoas morreram e mais de 150 ficaram feridas na noite de quinta-feira enquanto esperavam por ajuda no norte de Gaza. Enquanto as autoridades palestinas na Faixa de Gaza disseram que foi um ataque israelense. Testemunhas oculares entrevistadas pelo The Washington Post disseram ter visto um helicóptero israelense e drones atirando aleatoriamente contra os palestinos. Os militares israelenses negaram a responsabilidade pelos assassinatos e, na sexta-feira, divulgaram imagens editadas do que diziam mostrar “homens armados palestinos abrindo fogo contra civis em Gaza”. Os relatos das testemunhas e das FDI não puderam ser confirmados de forma independente.

Pelo menos 31.490 pessoas foram mortas e 73.439 ficaram feridas em Gaza desde o início da guerra. De acordo com Ministério da Saúde em GazaO que não faz distinção entre civis e combatentes. Israel estima que cerca de 1.200 pessoas foram mortas no ataque do Hamas em 7 de outubro 249 Soldados foram mortos desde o início da sua operação militar em Gaza.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *