Rússia avança na Ucrânia enquanto Putin encontra Xi na China: atualizações ao vivo

7h15 horário do leste dos EUA, 16 de maio de 2024

A mídia estatal russa informou que o soldado americano detido na Rússia “se declarou culpado”.

De Radina Jegova da CNN e da equipe de Moscou

O soldado norte-americano Gordon Black, que foi preso na Rússia sob suspeita de roubo, “se declarou culpado” e está cooperando com a investigação, informou quinta-feira a agência de notícias estatal russa TASS, citando agências de aplicação da lei.

Um representante da lei disse à TASS: “O acusado se declarou culpado e está cooperando com a investigação. Isso está acontecendo em inglês por meio de um intérprete”.

Sargento O Tribunal Distrital de Pervomaisky, em Vladivostok, disse que Gordon Black foi preso em Vladivostok em 2 de maio. Ele é acusado de “cometer roubo secreto” de propriedade e causar “danos graves”.

Black permanece em prisão preventiva enquanto as autoridades avaliam se ele recebeu tudo o que precisa, incluindo acesso a um advogado, disse o chefe da Comissão de Controle Público regional (ONC), Vladimir Naydin, à TASS.

Black estava estacionado na Coreia do Sul e, após completar seu serviço, foi a Vladivostok para visitar uma mulher russa com quem teve um relacionamento amoroso, segundo a TASS. Ele foi preso num momento em que as tensões entre os Estados Unidos e a Rússia aumentavam à medida que a guerra na Ucrânia continuava. No entanto, um representante do Ministério das Relações Exteriores da Rússia disse à TASS que o caso “não está relacionado com política ou espionagem”.

O Departamento de Estado dos EUA confirmou, no momento da sua detenção, que um cidadão americano estava detido na Rússia. “Não temos prioridade maior do que a segurança dos cidadãos americanos no exterior”, disse na época um porta-voz do Departamento de Estado. Vários outros americanos também estão detidos na Rússia, incluindo dois que o Departamento de Estado dos EUA declarou detidos injustamente – o repórter do Wall Street Journal, Evan Gershkovich, e o ex-fuzileiro naval Paul Whelan.

READ  O Ministro da Defesa de Israel sugere que Israel pode abrir uma segunda frente no Líbano - Politico

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *