Resenha do livro: “A Teoria Literária dos Robôs”, de Dennis Yee Tennen

Teoria Literária para Robôs: Como os Computadores Aprenderam a EscreverEscrito por Dennis Yee Tinen


Em The Literary Theory of Robots, um novo livro divertido de Dennis Yi Tinen sobre inteligência artificial e como os computadores aprenderam a escrever, um de seus exemplos mais poderosos surge na forma de um pequeno erro.

Tennen estabelece conexões entre chatbots modernos, geradores de enredos de ficção científica, dicionários antigos e rodas de profecias medievais. Ambos os utópicos (Os robôs vão nos salvar!)) e os pessimistas (Os robôs vão nos destruir!) Argumenta. Haverá sempre um aspecto humano irredutível na linguagem e na aprendizagem, um núcleo crucial para o significado que emerge não apenas da sintaxe, mas da experiência. Sem isso, você não consegue nada além do tagarelar dos papagaios, que, “de acordo com Descartes em suas Mediações, é apenas repetição sem compreensão”, escreve Tennen.

Mas Descartes não escreveu “Mediações”; Tenen deve ter significado “reflexos” – o “t” ausente passaria em qualquer software de verificação ortográfica porque ambas as palavras são perfeitamente legítimas. (O índice do livro lista o título corretamente.) Esse simples erro de digitação não tem relação com o argumento de Tennen; Na verdade, isso fortalece o argumento que ele deseja defender. As máquinas estão a tornar-se mais fortes e mais inteligentes, mas ainda estamos a decidir o que é significativo. O homem escreveu este livro. E apesar dos robôs no título, ele foi feito para ser lido por outros humanos.

Tennen, hoje professor de inglês e literatura comparada na Universidade de Columbia, era engenheiro de software na Microsoft. Ele usa seus conjuntos de habilidades díspares em um livro que é surpreendente, engraçado e nada assustador, ao mesmo tempo que evita grandes questões sobre arte, inteligência, tecnologia e o futuro do trabalho. Acho que o tamanho pequeno do livro – menos de 160 páginas – faz parte da questão. As pessoas não são máquinas infatigáveis, absorvendo incansavelmente grandes quantidades de tópicos vastos. Tennen descobriu como apresentar uma rede de ideias complexas a nível humano.

READ  Um hacker invadiu o Apex Legends para reclamar dos hackers do Titanfall • Eurogamer.net

Para tanto, ele conta histórias, começando com o estudioso árabe do século XIV, Ibn Khaldun, que registrou o uso da Roda da Profecia, e terminando com um capítulo sobre o matemático russo do século XX, Andrei Markov, que analisou as contingências da escrita. sequências em “Eugene Onegin” de Pushkin. Forma um alicerce fundamental da IA ​​generativa (jogadores regulares de Wardell sentem essas possibilidades o tempo todo). Tennen escreve sobre as barreiras tecnológicas que impediram os modelos anteriores de aprendizagem por computador, antes “da força bruta necessária para explorá-los”. “Tudo o que foi postado em inglês foi facilmente processado. Ele nos exorta a estar vigilantes. Ele também nos exorta a não entrar em pânico.

“A inteligência está a evoluir em larga escala, desde a ‘assistência parcial’ até à ‘automação total’”, escreveu Tennen, dando o exemplo de uma transmissão automática num carro. Dirigir uma automática na década de 1960 deve ter sido incrível para quem estava acostumado com transmissões manuais. A automática funciona automatizando decisões importantes, reduzindo a marcha em subidas e enviando menos potência às rodas em caso de mau tempo. Ele removeu a opção de parar ou retificar engrenagens. Ele era “inteligente artificialmente”, mesmo que ninguém usasse essas palavras para descrevê-lo. Agora, os motoristas americanos consideram seu charme garantido. Isto foi desmistificado.

Quanto aos debates atuais sobre inteligência artificial, este livro também tenta desmistificá-los. Em vez de falar sobre inteligência artificial como se ela tivesse vontade própria, Tennen fala sobre o trabalho colaborativo necessário para construí-la. “Estamos usando taquigrafia cognitiva e linguística ao condensar e atribuir a própria tecnologia”, escreve ele. “É mais fácil dizer”o telefone Completa minhas mensagens com 'em vez de'A equipe de engenharia por trás do software para escrever a ferramenta de preenchimento automático depende das seguintes dezenas de artigos de pesquisa Complete minhas mensagens.

READ  CEO do smartphone Saygus que nunca divulgou um telefone acusado de fraude

As nossas metáforas comuns para a inteligência artificial são, portanto, enganosas. Tennen diz que devemos ser céticos em relação a todas as metáforas que atribuem aspectos cognitivos humanos familiares à IA. Uma máquina pensa, fala, explica, compreende, escreve, sente, etc., apenas por analogia. É por isso que grande parte de seu livro gira em torno de questões de linguagem. A linguagem nos permite comunicar e compreender uns aos outros. Mas também permite enganos e mal-entendidos. Tennen quer que “acabemos com a metáfora” da inteligência artificial – uma sugestão que pode, à primeira vista, parecer um hobby de um professor de inglês, mas que se revela inteiramente apropriada. Uma metáfora demasiado genérica pode tornar-nos complacentes. Nosso senso de possibilidade é moldado pelas metáforas que escolhemos.

Os geradores de texto, seja na forma de chatbots do século 21 ou na “mágica de mensagens” do século 14, sempre enfrentaram o problema da “verificação externa”, escreve Tennen. “Texto gerado processualmente pode fazer sentido gramatical, mas nem sempre pode fazer sentido senso sentido.” Tomemos o famoso exemplo de Noam Chomsky: “Pensamentos verdes e incolores dormem ferozmente.” Qualquer pessoa que tenha vivido no mundo material saberia que esta frase gramaticalmente impecável é um absurdo. Tennen prossegue apontando a importância da “experiência vivida” porque que descreve nossa condição.

Tennen não nega que a inteligência artificial ameaça muito do que chamamos de “trabalho cognitivo”. Também não há como negar que automatizar algo também reduz o seu valor. Mas ele também coloca a questão de outra forma: “A automação reduz as barreiras à entrada e aumenta a oferta de bens para todos”. A aprendizagem é agora mais barata, por isso ter um grande vocabulário ou repertório de factos memorizados já não é a vantagem competitiva que era antes. “Os escribas e estudiosos de hoje podem desafiar-se com tarefas mais criativas”, sugere ele. “As tarefas tediosas são terceirizadas para máquinas.”

READ  Aleatório: fãs japoneses de Zelda roubam cópias do TOTK trabalhando como assistentes de entrega

Concordo com o seu ponto de vista, mesmo que a perspectiva ainda me pareça terrível, com um segmento cada vez menor da população a realizar um trabalho criativo desafiante enquanto um ecossistema outrora próspero entra em colapso. Mas Tennen também argumenta que nós, como seres sociais, temos o poder de agir, mas apenas se nos permitirmos aceitar a responsabilidade que isso implica. Ele reconhece que “a IA individual representa um perigo real, dada a sua capacidade de acumular poder na prossecução de um objetivo”. Mas o perigo real advém “da nossa incapacidade de responsabilizar os fabricantes de tecnologia pelas suas ações”. E se alguém quisesse anexar um motor a jato a um carro e ver como ele funcionava bem nas ruas de uma cidade lotada? A resposta é clara: “Não faça isso”, diz Tennen.

Por que “não faça isso” pode parecer fácil em um campo, mas em outro não requer mais reflexão, mais precisão, mais escrutínio – todas qualidades que caem no esquecimento quando nos curvamos à IA, tratando a tecnologia como um divindade única, em vez de ser um deus. Muitas máquinas construídas por um grande número de pessoas. Tenen lidera pelo exemplo, usando sua inteligência humana para influenciar a IA. Ao refletir sobre nossos hábitos coletivos de pensamento, ele oferece uma reflexão própria.


Teoria literária dos robôs: Como os computadores aprenderam a escrever? | Escrito por Dennis Yee Tinen | Norton | 158 pág. | US$ 22

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *