Possíveis “restrições severas” nas águas algarvias

Segundo a decisão do Conselho de Ministros, poderão ser implementadas possíveis medidas adicionais, estipulando um “maior grau de emergência” após uma reavaliação da situação de seca na região, que será implementada em junho.

“[…] O Governo reserva-se o direito, caso as medidas agora tomadas se revelem insuficientes, nos termos da Lei de Bases da Protecção Civil, […] “Declarar estado de desastre”, diz o documento.

O Algarve está neste momento em alerta de seca, e caso haja declaração de calamidade será possível estabelecer limites e restrições à utilização da água para usos não essenciais, bem como medidas de racionalização nos serviços públicos de abastecimento de água.

No mesmo sentido, o Governo pode também limitar a utilização de águas superficiais ou subterrâneas, propriedade de entidades públicas ou privadas, pela concessionária do sistema multimunicipal de abastecimento de água e esgotos do Algarve, quando necessário, nos termos da Lei Orgânica. . A proteção civil está em vigor

Alternativamente, a declaração de estado de emergência ambiental poderia ser considerada conforme estipulado na Lei de Águas.

As medidas planeadas pelo governo para preservar as reservas de água na região incluem a suspensão do abastecimento público de água para irrigação dos campos de golfe.

Por outro lado, entre 1 de junho e 30 de setembro, fica suspensa a utilização de água pública para lavagem de veículos, exceto para estabelecimentos licenciados para atividade comercial equipados com sistemas de reciclagem de água.

Potenciais reduções

Segundo o governo, a situação atual na região do Algarve “afigura-se particularmente crítica”, podendo eventualmente haver “ruptura efetiva dos sistemas de abastecimento público” de consumo humano se o uso da água continuar nos níveis atuais.

“[…] Num cenário em que não são adoptadas e implementadas medidas que garantam a preservação das reservas hídricas e na ausência de precipitações muito acima dos valores máximos ocorridos nos últimos seis anos, o abastecimento de água para consumo humano na região do Algarve irá abaixo. “Fui exposto a perigo extremo”, dizia a decisão.

A Agência Portuguesa do Ambiente declarou alerta de seca no Algarve (Aba) em dezembro de 2023 e foi confirmado em 25 de janeiro.

De acordo com a decisão do Conselho de Ministros, desde maio de 2022 que os níveis de armazenamento de água nas albufeiras da região do Algarve estão abaixo dos 50%.

Atualmente, os níveis de armazenamento de água subterrânea são “muito baixos, com aproximadamente 84% das massas de água subterrâneas com um volume de armazenamento inferior ao percentil 20”, e “cerca de 48% destas massas encontram-se em estado muito crítico”.

Artigos relacionados:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *