Portugal relatou quase metade das mortes de COVID-19 em 3 de janeiro.

LISBOA – Portugal relatou quase metade das mortes de Covid-19 em janeiro, destacando a gravidade da epidemia em um país cuja situação trouxe muitos países europeus para ajudar.

Hospitais em todo o país com mais de 10 milhões de pessoas parecem estar à beira do colapso, com ambulâncias às vezes fazendo fila por horas devido à falta de leitos e algumas unidades de saúde lutando para encontrar espaço refrigerado suficiente para manter os cadáveres.

A Embaixada da Áustria em Lisboa disse que a Áustria está preparada para receber doentes de cuidados intensivos e que as autoridades portuguesas aguardam uma sugestão de quantos doentes pretendem transferir.

A Alemanha enviará equipes e equipamentos médicos.

Uma fonte do Ministério das Relações Exteriores da Espanha disse à Reuters que o vizinho espanhol gravemente afetado também ofereceu ajuda, mas Portugal ainda não havia aceitado, enquanto a chanceler Arancha Gonzalez Laya disse à LaSexta TV que os dois países estão “em contato direto todos os dias e de todo níveis. “

Em janeiro, 5.576 pessoas morreram de COVID-19, o que representa 44,7 por cento de todas as 12.482 mortes desde o início da epidemia em Portugal, informou a Autoridade de Saúde Pública da DGS.

As autoridades portuguesas atribuíram o aumento maciço nas taxas de infecção e mortalidade ao tipo de doença mais contagiosa descoberta pela primeira vez na Grã-Bretanha, embora reconheçam que a redução das restrições ao movimento social durante as férias de Natal teve um papel importante.

A associação que representa as casas funerárias avisou que os hospitais públicos estão a ficar sem espaços refrigerados para preservar os corpos das vítimas do COVID-19 e alguns, incluindo o maior hospital português em Santa Maria, instalaram contentores frigoríficos adicionais para aliviar a pressão sobre a sua morgue.

READ  Que países podem se beneficiar com o atraso do Euro 2021?

Um paciente está sendo transferido para a Unidade de Terapia Intensiva (UTI) COVID-19 do Hospital de Cascais, em meio à pandemia da Doença do Coronavírus (COVID-19) em Cascais, Portugal, em 27 de janeiro de 2021. Foto tirada em 27 de janeiro de 2021.
Um paciente é transferido para a UTI COVID-19 do Hospital de Cascais em Cascais, Portugal, a 27 de janeiro de 2021.
Reuters

Mais de 711.000 feridos foram relatados desde março de 2020, 43% dessas infecções em janeiro, de acordo com a DGS, que aumentou o número em 275 mortes e 5.805 casos na segunda-feira.

Portugal tem a maior taxa de circulação mundial de sete dias de novos casos diários por milhão de habitantes, de acordo com o data tracker ourworldindata.org.

Com 865 pacientes com coronavírus em terapia intensiva e 6.869 em enfermarias, os hospitais estão ficando sem leitos e há escassez de médicos e enfermeiras.

Portugal tem 850 leitos de UTI dedicados a casos COVID-19 no sistema público de saúde do continente e mais 420 leitos para portadores de outras doenças, de acordo com os dados mais recentes.

Para a maioria das pessoas, a vacinação contra o vírus é uma luz no fim do túnel. Mas até agora, quase 70.000 pessoas foram totalmente vacinadas com as duas doses necessárias. Aqueles com mais de 80 anos começam a receber suas vacinas na segunda-feira.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *