Os negócios inacabados da “nova classe média” brasileira.

tempo de leitura: 3 minutos

Este artigo foi extraído de Abdul Qadeerde Relatório especial sobre Millennials na política

Ter uma piscina parece divertido, mas poucas famílias de classe média conseguem desfrutar desse luxo. Os motivos são bastante óbvios: eles exigem altos custos e altos custos de manutenção, sem falar no amplo espaço no pátio. Em climas temperados, eles não são úteis durante todo o ano.

Mas às vezes o bom senso não é o que importa para as pessoas. No primeiro longa-metragem da diretora brasileira Thais Fujinaga, A alegria das coisasa busca incansável por uma piscina simboliza o desejo de uma família pelo status de classe média – e uma visão de felicidade que parece mais duvidosa do que nunca.

Paula, de 40 anos, passa o verão com a mãe e os dois filhos em Caraguatatuba, cidade portuária na zona leste de São Paulo. Entre as cenas de férias idílicas e pacíficas, vemos um grande buraco cavado no jardim da frente. Perto está um tanque azul gigante deitado imóvel de lado. Depois de satisfazer o desejo dos filhos por uma piscina, Paula fica sem dinheiro antes de se instalar.

A preocupação com a piscina inacabada domina a vida de Paula. Ela passa grande parte do tempo ao telefone – com o homem que lhe vendeu o tanque, que a ameaça com as quantias que ainda lhe deve; E seu ex-marido, que não para, é a parte dele no trato. Sua obsessão se torna tão intensa que ela não consegue reconhecer as mudanças nas situações de sua família. A mãe dela, Antônia, tenta ser a voz da razão: “Logo essa casa vai começar a desmoronar, e você está preocupada com a piscina. A piscina é só uma baita dor de cabeça.” Mas Paula não desistia da ideia: “Até ontem todo mundo queria uma piscina. A piscina era incrível”.

READ  Boldyn Networks e ASM Global redefinem a experiência dos fãs conectados com uma rede convergente de última geração no Cowtown Coliseum, com 5G DAS, CBRS privado e Wi-Fi 6E

alegria das coisas (A felicidade das coisas)


Dirigido por Taise Fujinaga

Escrita tailandesa Fujinaga

Distribuído por Filmes de Plástico e Lira Cinematográfica Brasil

Com Patricia Saraphi, Magali Bev, Messias Joyce e Lavínia Castellari

Abdul Qadeer Avaliação: 5/5


Vemos a teimosia de Paula materializada de outras formas também. Antônia é frequentemente punida por conversar com um pescador lançando redes em um pequeno trecho de seu quintal à beira de um rio. “Isso é privado”, ela o repreende. “Eu comprei isso.” O caçador está tecnicamente invadindo, mas não incomoda ninguém. Seu sustento depende do acesso à margem do rio onde ele pesca há anos – terras que hoje pertencem parcialmente a Paula. Seus filhos são até amigos de seu filho adolescente, Gustavo. Nada disso importa: a visão luxuriosa de Paula sobre a realeza obscurece seu julgamento, isolando-a das pessoas que mais importam.

Há um contexto mais amplo para o que a piscina e o pescador dizem sobre o foco de Paula no status. No início dos anos 2000, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva instituiu políticas sociais que reduziram consideravelmente a pobreza no Brasil. administrá-lo, Sociólogo Perry Anderson Ele argumentou, “ele começou a ostentar sua conquista ao criar uma ‘nova classe média'”. Os ex-pobres do Brasil foram convidados a se identificar com o “individualismo consumista” da classe média estabelecida. a suposta estabilização dessa “nova classe média” – mas não suas novas esperanças e expectativas.

O comício pode ser uma metáfora para a política no Brasil – ou em muitos outros países latino-americanos. Rodovias são apenas parcialmente construídasE Hospitais estão em construção permanenteE escolas negligenciadas— A lista de sonhos não realizados, retomados em tempos de recompensa e abandonados em tempos de carência, continua indefinidamente. A enorme lacuna entre realidade e ambição levanta a questão: por que estamos perseguindo esses planos em primeiro lugar?

READ  Luke Grimes, estrela de "Yellowstone", é casado com modelo brasileira

A alegria das coisas Sobre os destroços deixados por falsas promessas. Sob o pretexto da piscina, Paula passa a maior parte de seu tempo e energia longe de sua família. Ela está quase tão ausente quanto o pai de seus filhos, que nunca é visto na tela. Mas o mais triste e irônico é que a família de Paula passa o verão no litoral: a princípio quase não precisam de piscina. Por que se preocupar com o aborrecimento e as despesas quando o oceano está ao lado?

Alvarado é escritor e ex-editor assistente da Oceano Atlântico.

Tag: Brasil, Cultura, Crítica de Cinema, Millennials na Política

Gostou do que leu? Inscreva-se no AQ para mais.

Quaisquer opiniões expressas neste artigo não refletem necessariamente opiniões Trimestral das Américas ou seus editores.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *