Os Meninos do Brasil – film-authority.com

O drama de caça aos criminosos de guerra de Franklin J. Schaffner veio no final de uma série de filmes semelhantes de caça aos nazistas (The Odessa File, Marathon Man), e sim, o elenco estava envelhecendo devido ao seu apelo de bilheteria (James Mason, Gregory Peck, Laurence Olivier) na era Travolta e Star Wars, mas meu entusiasmo juvenil por The Boys from Brasil não pôde ser extinto; Olhando hoje para o livro de Ira Levin, ainda é um bom veículo, com uma história boba de ficção científica que esconde conotações sérias sobre as raízes do fascismo que sustenta o sistema político de hoje. Sim, é lento e árduo, e a direção é constante, mas essa qualidade árdua se encaixa na ideia de sobreviventes da Segunda Guerra Mundial lutando por três décadas após o fim da guerra. Olivier e Peck acharam ridículo que os dois velhos com quem eles interpretavam estivessem se debatendo no chão para salvar suas vidas no clímax aqui, mas esse desespero é exatamente o assunto do livro.

A piada da época era “mandar os clones” em detrimento da trama um tanto barroca aqui descrita; 94 Pequenos Hitlers, clonados do Führer e que crescem para se tornarem Grandes Hitlers em todo o mundo, laboratório científico liderado pelo médico maluco Josef Mengele (Peck usando maquiagem e cinquenta tons de branco). Mengele ainda estava fugindo na época de seu lançamento, o que acrescentou alguma vantagem em 1978, mas em 2024, a ideia de clones como o pior assassino em massa do mundo parece mais uma metáfora do que literal. “Chegou a hora”, diz Mengele, ansioso por “um Hitler adaptado às décadas de 1980, 1990 e 2000…” Felizmente, Steven Gutenberg (como era então) informou o caçador de nazis Lieberman (Olivier) do plano de Mengele. Atividades, estabelecendo um clímax sangrento com muitos cães demoníacos…

READ  Quem ganha a série Paramount + Reality?

“Quem acreditaria em uma história tão absurda?” Mas é o subtexto, e não o texto, que torna The Boys from Brasil interessante, diz um personagem. O texto em si é um tanto aleatório, com uma pulseira de garras de urso com significado totêmico, mas nunca devidamente explicada, bem como anúncios de Thin Lizzy, Sybil Fawlty/Prunella Scales, discussões sobre tênias, mutantes e um sólido elenco de apoio de clássicos antigos. . Dramaturgos que você sempre seguirá, incluindo Lily Palmer, Linda Hayden, Denholm Elliott, Michael Gove, Bruno Gantz, Uta Hagen, Rosemary Harris e muito mais. Olivier faz a coisa judaica de “não tenho filho” um pouco melhor do que fez em The Jazz Singer, e o melhor que podemos dizer de Beck é que seu Mengele é fisicamente imponente; Na verdade, é um Alto Maçom tradicional cujo chefe nazista descontente, relutante em quebrar o disfarce, parece ser o elemento mais confiável aqui.

Embora a complicada trama de Os Meninos do Brasil nunca seja resolvida de forma satisfatória, é uma ferida aberta quando se trata de capturar atitudes racistas reacionárias. Mengele imagina que o seu laboratório na América do Sul se tornará um dia “um local de peregrinação para milhões de crianças em idade escolar”. Restaurar o poderoso controlo dos nazis sobre as massas é o Santo Graal da política moderna. Mengele teme que o mundo esteja sendo deixado para “judeus, negros e bastardos orientais que não se importam muito”, e quando finalmente estabelecemos uma figura paterna para o próximo jovem Hitler, ele é interpretado por um ator desconhecido, um personagem secundário que ignora qualquer significado. De sua própria responsabilidade. “É o que me incomoda”, é como ele se explica numa fala que costuma ser cortada para transmissão. Apesar do prestígio de seu elenco, Os Meninos do Brasil ainda é um filme ruim e perverso, intencionalmente. Como Capricórnio Um de 1978, é um filme de teoria da conspiração numa época em que teorias de conspiração absurdas eram raras, em vez de uma ferramenta para esconder a criminalidade, abrindo caminho para que todos nós participemos do “Reich Unido” que nos foi prometido em 2024.

READ  Brasileiro Gabriel Henrique marca o gol de ouro - placa

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *