OPEP+ dá passo decisivo com adesão do Brasil

O “conflito” entre o grupo OPEP+ e os seus concorrentes, liderados pela Agência Internacional de Energia, parece inclinar-se a favor do primeiro.

Esta mudança exige que os dois grupos reavaliem a sua tensa relação, um passo que poderá ter significado para os seus interesses mútuos e para a economia global. Lidar com o sentido histórico de superioridade da AIE já não é sustentável nem prático, dada a mudança no equilíbrio de poder entre os dois órgãos ao longo das últimas duas décadas.

A AIE foi criada em 1974 com a intenção expressa de se opor à OPEP em matéria de preços após o primeiro boom do petróleo.

A prova do impacto da OPEP+ é o seu âmbito alargado e a sua maior capacidade para enfrentar desafios, especialmente os relacionados com os níveis de produção, que são frequentemente caracterizados por sensibilidade e tensões persistentes. Por exemplo, a OPEP+ concordou, em 30 de novembro, em expandir os seus membros para incluir o Brasil a partir de janeiro, aumentando assim o número dos seus membros para 24.

A inclusão do Brasil na OPEP+ representa um grande ganho para o grupo. Sendo o maior produtor de petróleo da América do Sul, com reservas petrolíferas significativas e uma capacidade de 3 milhões de barris por dia de petróleo e condensado de petróleo, a listagem não só fortalece a capacidade de produção combinada da OPEP+, mas também aumenta a sua capacidade de influenciar a produção global.

Brasil adicionará mais apelo

A participação do grupo na produção global de petróleo deverá aumentar de 40% para 43%. Embora o Brasil não seja um exportador de petróleo e a quota da OPEP+ nas exportações globais de petróleo permaneça em 60 por cento, espera-se que a adição do novo membro às quotas de produção reforce o controlo sobre a oferta. A participação do grupo nas reservas globais de petróleo aumentará para mais de 80%.

READ  Eleições brasileiras: por que Lula enfrenta um terceiro mandato mais difícil - Institutional Investors

Outro desenvolvimento importante na última reunião foi a forma hábil como a OPEP+ lidou com os litígios de produção envolvendo a Nigéria, Angola e o Congo, demonstrando a sua capacidade flexível de resolução de litígios. Isto coincidiu com o compromisso da Arábia Saudita de prolongar a sua redução voluntária de um milhão de barris por dia até ao final de Março.

Além disso, a redução voluntária de 500.000 barris por parte da Rússia e outras reduções por parte dos EAU, Kuwait, Omã, Iraque, Argélia e Cazaquistão elevam cumulativamente a redução voluntária para 3,1 milhões de barris por dia durante o primeiro trimestre de 2024.

Estas medidas estratégicas melhoram a capacidade da OPEP+ de manter a estabilidade dos preços e o equilíbrio do mercado. “Os cortes na produção de petróleo da OPEP+ podem continuar para além do primeiro trimestre, se necessário”, disse o Ministro da Energia saudita na Conferência das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas (COP28) no Dubai.

Estas decisões levaram à estabilização dos preços do petróleo acima dos 80 dólares por barril no final da semana passada. É claro que a OPEP+ está firme no seu compromisso de manter estes níveis de preços no futuro próximo, o que está em linha com as necessidades financeiras e de desenvolvimento dos Estados-Membros.

Movimentos de soft power da AIE

Espera-se que a dinâmica competitiva com a AIE continue e que os membros desta última explorem provavelmente medidas adicionais para reduzir os preços do petróleo. Isto pode incluir o aproveitamento do “soft power” através da divulgação de informações imprecisas, como a OPEP+ indicou anteriormente.

Este raro comentário sobre os dados da AIE teve um impacto temporário nos mercados.

READ  Especialistas dizem que com a floresta amazônica queimando, só o clima pode evitar desastres

Esta situação levanta duas questões cruciais. A primeira é sobre a viabilidade de tentar baixar os preços, tendo em conta a forte unidade entre os países da OPEP+ e a sua influência crescente, enquanto a segunda é sobre a possibilidade de harmonia entre os dois grupos.

A era do petróleo barato acabou e os membros da OPEP+ têm afirmado consistentemente o seu compromisso em garantir preços justos para as suas exportações e demonstrado determinação colectiva para proteger os seus interesses e manter preços justos.

Isto nos leva à segunda questão, que gira em torno da possibilidade de conciliar os objetivos desses dois grupos. Isto exige uma abordagem realista por parte da AIE, que, apesar da sua influência global, tem lutado para baixar os preços nos últimos dois anos. Isto indica que os seus esforços podem permanecer questionáveis ​​e podem não produzir os resultados desejados.

Uma solução mais eficaz, que seja mutuamente benéfica e contribua para a estabilidade dos mercados petrolíferos, envolverá a obtenção de consenso sobre preços justos. Isto iria satisfazer as necessidades de desenvolvimento dos países produtores de petróleo sem afectar negativamente as economias dos países importadores.

Alcançar este equilíbrio exige uma reavaliação da abordagem da AIE e das suas interações com a OPEP+ – um passo crucial para estabilizar a economia global e mitigar as crises económicas em curso.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *