O rover Curiosity da NASA revela os segredos da água antiga em Marte

Curiosity Mars Rover da NASA

A exploração do Canal Gediz Vallis em Marte pela Curiosity oferece novos insights sobre o passado do planeta, revelando uma possível história de fluxos de água e mudanças climáticas que desafia crenças anteriores sobre a secura de Marte. Fonte da imagem: NASA/JPL-Caltech/MSSS

O veículo espacial atingiu uma área onde pode haver evidências de água líquida fluindo Marte Por muito mais tempo do que se pensava anteriormente.

NASAO rover Curiosity começou a explorar uma nova região em Marte, que poderá revelar mais sobre quando a água líquida desapareceu de uma vez por todas da superfície do Planeta Vermelho. Há milhares de milhões de anos, Marte era mais húmido e talvez mais quente do que é hoje. O Curiosity lança um novo olhar sobre esse passado semelhante ao da Terra à medida que passa e eventualmente atravessa o Canal Gedes Valles, uma formação sinuosa em forma de cobra que – pelo menos vista do espaço – parece ter sido esculpida por um antigo rio.

Essa possibilidade despertou o interesse dos cientistas. A equipe do rover está procurando evidências de como o canal foi escavado na rocha. As laterais da formação são íngremes o suficiente para que a equipe não acredite que o canal tenha sido formado pelo vento. No entanto, fluxos de detritos (deslizamentos rápidos e úmidos) ou um rio que transporta rochas e sedimentos podem ter energia suficiente para penetrar na rocha. Depois que o canal foi formado, ele ficou cheio de pedras e outros detritos. Os cientistas também procuram descobrir se estes materiais foram transportados por fluxos de detritos ou por avalanches secas.

A curiosidade chega a Gediz Valles

Depois de chegar a Gediz Valles, o rover Curiosity da NASA capturou esta imagem panorâmica de 360 ​​graus usando uma de suas câmeras de navegação em preto e branco em 3 de fevereiro. Esta formação despertou a curiosidade dos cientistas pelo que pode lhes contar sobre a história da água na Terra. Planeta vermelho. Fonte da imagem: NASA/JPL-Caltech

Desde 2014, o Curiosity tem subido as encostas do Monte Sharp, que fica a 5 quilômetros acima do fundo da Cratera Gale. As camadas nesta parte inferior da montanha formaram-se ao longo de milhões de anos no meio das mudanças climáticas marcianas, proporcionando aos cientistas uma forma de estudar como a presença de água e os componentes químicos necessários à vida mudaram ao longo do tempo.

Por exemplo, a parte inferior destas encostas tinha uma rica camada Minerais de argila Onde muita água interagiu com as rochas. O rover está agora explorando uma camada rica em sulfatos, minerais salgados que muitas vezes se formam à medida que a água evapora.


Percorra este vídeo de 360 ​​graus para ver o canal Gediz Vallis do ponto de vista do rover Curiosity Mars da NASA. Crédito: NASA/Laboratório de Propulsão a Jato-Instituto de Tecnologia da Califórnia

Revise a programação do Monte Sharp

Serão necessários meses para explorar completamente o canal, e o que os cientistas aprendem pode alterar a linha do tempo da formação da montanha.

Uma vez que as camadas sedimentares do baixo Monte Sharp foram depositadas pelo vento e pela água, a erosão as reduziu para revelar as camadas visíveis hoje. Somente após esses longos processos – bem como períodos de seca severa durante os quais a superfície do Monte Sharp era um deserto arenoso – foi possível escavar o Canal Gedes Valles.

Os cientistas acreditam que as rochas e outros detritos que encheram o canal vieram do topo da montanha, onde o Curiosity nunca chegaria, dando à equipa uma ideia dos tipos de materiais que podem estar lá.

Curiosidade da NASA Caminho do Mars Rover até o Canal Gedes Valles

O caminho íngreme percorrido pelo rover Curiosity Mars da NASA para chegar ao Canal Gediz Vallis é destacado em amarelo nesta visualização feita a partir de dados orbitais. No canto inferior direito está o ponto onde o rover desviou para ver mais de perto uma crista formada há muito tempo por fluxos de detritos do topo do Monte Sharp. Fonte da imagem: NASA/JPL-Caltech/UC Berkeley

“Se o canal ou pilha de detritos foi formado por água líquida, isso é realmente interessante. Isso significa que é muito tarde na história do Monte Sharp”, disse o cientista do projeto Curiosity, Ashwin Vasavada, do Laboratório de Propulsão a Jato da NASA no sul da Califórnia. – a água voltou, e em grande estilo.”

Esta explicação seria consistente com uma das descobertas mais surpreendentes que a Curiosity fez durante a subida ao Monte Sharp: a água parece ir e vir por etapas, em vez de desaparecer gradualmente à medida que o planeta seca. Esses ciclos podem ser vistos como evidências de fissuras na argila. Lagos rasos e salgados. Logo abaixo do canal, os catastróficos fluxos de detritos que se acumularam para formar a extensa cordilheira de Gedes Valles.

No ano passado, o Curiosity realizou uma desafiadora missão de subida para estudar a cordilheira, que atravessa as encostas do Monte Sharp e parece crescer no final do canal, sugerindo que ambos fazem parte de um único sistema geológico.

Acompanhe o canal de perto

O Curiosity documentou o canal com um panorama em preto e branco de 360 ​​graus da câmera de navegação esquerda do rover. A imagem, tirada em 3 de fevereiro (sol 4086 da missão), mostra areia escura preenchendo um lado do canal e uma pilha de detritos subindo logo além da areia. Na direção oposta está a encosta íngreme que o Curiosity subiu para chegar a esta área.

O rover tira esses tipos de panoramas com suas câmeras de navegação ao final de cada viagem. A equipe científica agora confia mais em câmeras de navegação enquanto os engenheiros tentam resolver um problema que limita o uso de um único dispositivo de imagem pertencente à Mast Camera colorida, ou Mastcam.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *