O que é DREX, a próxima moeda digital do banco central brasileiro

No ano passado, o banco central do Brasil ganhou as manchetes ao revelar seu projeto de moeda digital, Drex. Também conhecido como Digital Real, este banco central digital deverá espelhar a moeda do país e deverá ser lançado até o final do ano, marcando um marco importante na ambiciosa jornada de inovação do regulador, que já viu iniciativas pioneiras como Pix e Finanças Abertas.

À medida que a utilização de ativos digitais continua a crescer, os bancos centrais estão a tomar medidas proativas para explorar a emissão de CBDCs. Este esforço visa fornecer uma alternativa moderna ao uso cada vez mais comum de criptomoedas, que se tornaram um aspecto familiar do ecossistema latino-americano com o uso crescente de stablecoins.

Projetado para complementar sua moeda tradicional, o Drex do Banco Central do Brasil visa reduzir despesas operacionais, melhorar a inclusão financeira e aumentar a segurança e eficiência de grandes transações, como imobiliárias.

Drex terá 'adoção generalizada'

Embora quase uma centena de bancos centrais estejam a considerar projetos semelhantes, apenas alguns os implementaram até agora. No Brasil, o forte histórico do regulador em inovação financeira sólida levou os analistas a monitorar de perto a implementação do Drex.

“[Como]o Brasil já é líder em muitas tecnologias de economia digital, esperamos uma adoção generalizada do sistema Drex, que fortalecerá o ambiente de negócios”, disse a Economist Intelligence Unit em um relatório recente. um relatório. O banco central do Brasil iniciou sua jornada de moeda digital do banco central (CBDC) no final de 2020. Desde então, fez progressos significativos, incluindo um projeto piloto em andamento que chegará a conclusões sobre a melhor utilização do Drex em meados de 2024.

Ao contrário do Pix, que atende a transações de varejo, o Drex tem maior probabilidade de se concentrar em operações de alto valor. A Economist Intelligence Unit observou que a Drex, como representante digital da moeda brasileira, o real, se beneficiará da tecnologia blockchain para melhorar a segurança e a transparência. “A Drex pode revolucionar a precificação de ativos, agilizar as operações entre ativos, facilitar transações internacionais e automatizar contratos, enriquecendo assim o cenário comercial no Brasil.”

READ  Grande regresso à final!

Os reguladores estão encontrando um caminho para o DeFi

O banco central espera que o Drex sirva como uma ponte para o ambiente de finanças descentralizadas (DeFi). Introduzirá o conceito de tokenização, reduzindo, esperançosamente, a emissão de moeda física e melhorando a eficiência bancária.

Em evento sobre o Drex, o governador do Banco Central, Roberto Campos Neto, disse que o Drex será capaz de “aproximar o sistema DeFi dos bancos centrais”.

Embora os bancos centrais tenham adotado principalmente uma posição de proibir os bancos de tokenizar ativos ou interagir com ativos criptográficos, Campos Neto quer abraçar totalmente a tecnologia. “O trem já saiu da estação, então precisamos trazer esse ambiente para mais perto de nós. Se as stablecoins forem amplamente utilizadas e apresentarem um grande problema, isso também afetará de alguma forma o sistema bancário. .”

Nos últimos anos, o banco central do Brasil agitou-se com o lançamento do Pix, um sistema de pagamento instantâneo revolucionário que teve rápida adoção no país de 210 milhões de pessoas. Rapidamente adotado por quase dois terços dos brasileiros, o Pix redefiniu o cenário de pagamentos do país em pouco tempo, processando agora quase US$ 400 bilhões em transações mensais e estabelecendo novos padrões para inovação em mercados emergentes.

Roberto Campos Neto, Presidente do Banco Central do Brasil.

Drex vai “sacudir” os bancos

Agora, o banco central acredita que a Drex irá mais longe em termos de inovação.

“Precisamos mudar os antigos sistemas dinossauros dentro dos bancos”, disse ele durante a reunião anual da Drex em dezembro. “E abalar os dinossauros é difícil, estou lá há 22 anos e é muito difícil fazer uma grande mudança na tecnologia. Os retornos diminuem antes de subirem novamente, e há muito investimento em tecnologia.

READ  O crescimento dos lucros básicos de três anos na B3 - Brasil Bolsa Balcão (BVMF:B3SA3) é promissor, mas os acionistas ainda estão no vermelho ao longo desse período.

Além de ser uma moeda digital, o Drex é uma plataforma que hospedará representações digitais de diversos tipos de ativos, como casas, carros, ações e outros títulos. Esta plataforma, que utilizará a tecnologia blockchain, converterá ativos em “tokens” – que podem representar tanto um ativo tangível (como uma casa ou um carro) quanto um ativo intangível (como uma marca ou patente).

“Tokenização” é o processo de conversão de algum ativo valioso em um token digital dentro de um blockchain. Ou seja, os direitos de propriedade sobre uma mercadoria podem ser convertidos em um ativo digital para que, se necessário, as transações de compra e venda possam ser realizadas em um ambiente totalmente virtual.

Drakes e imóveis

Este mês, o órgão brasileiro de fiscalização de transações imobiliárias (COFECI) anunciou Anunciar Exigirá que todos os intermediários registrem contratos no blockchain. Esta iniciativa inédita visa modernizar o processo de fiscalização das atividades de corretagem imobiliária à luz das novas tecnologias e abre mais um caminho para a Drex avançar nos casos de uso. Quando lançadas em 2025, as blockchains da Drex e da COFECI deverão ser capazes de trocar dados e ativos, possibilitando a utilização de dinheiro programável no setor imobiliário.

“Representa mais um passo importante na construção da jornada de integração das operações imobiliárias, com o objetivo de viabilizar todos os eventos relacionados à aquisição e transferência de imóveis, bem como liquidações financeiras, no blockchain, simplificando todo o processo”, afirmou Carlos Augusto Dei. Oliveira, CEO da ABFintechs. “Há um longo caminho a percorrer junto com a evolução da DREX, da tokenização e da digitalização dos processos de registro imobiliário.”

READ  Portugal está pronto para formar pilotos e mecânicos de aviões de combate ucranianos - FM Kuleba

Bancos e empresas fintech estão a bordo

Desde o início, tanto os bancos como as empresas fintech demonstraram grande interesse na tecnologia. Mais de 700 instituições no Brasil adotam o BEX. Os analistas esperam uma recepção semelhante para a Drex.

“Vejo um forte movimento em direção a infraestruturas baseadas em blockchain devido à diretriz do banco central local de avançar em direção a uma economia simbólica, com a Drex como transportadora”, disse Bruno Diniz, consultor de fintech. “Bancos e empresas fintech farão um esforço para migrar produtos financeiros tradicionais para esta nova infraestrutura que a Drex irá agitar o mercado no Brasil e dominar a agenda estratégica de muitas instituições.

Há apenas alguns meses, o Itaú, o maior banco do país, revelou seus serviços de negociação de criptomoedas em antecipação ao lançamento iminente do Drex. Empresas de investimento poderosas como o BTG Pactual e o Santander Brasil também estão fortalecendo suas equipes em preparação para a introdução do real brasileiro digital.

No entanto, alguns afirmam que um CBDC não reduzirá necessariamente o apelo das stablecoins na América Latina, mas sim fornecerá uma alternativa. “O cenário pode ser uma competição”, disse Sebastian Camiser, professor da Universidade Austral, na Argentina, ao Fintech Nexus. “Mesmo sendo tecnologicamente semelhantes, uma coisa é a versão centralizada como os CDBCs e a outra é a versão descentralizada.”

  • Davi FilipaDavi Filipa

    David é um jornalista da América Latina. Ele reporta regularmente sobre a região para organizações de notícias globais, como The Washington Post, The New York Times, The Financial Times e Americas Quarterly.

    Trabalhou na S&P Global Market Intelligence como correspondente financeiro na América Latina e ganhou experiência em fintech e tendências de mercado na região.

    Mora em Buenos Aires.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *