O Novo Banco de Desenvolvimento: BRICS e a Nova Geopolítica Econômica Internacional

O declínio da velha ordem liderada por norte-americanos e europeus está se tornando uma realidade cada vez mais tangível. Vivemos uma nova era. Os exemplos são inúmeros: a perda de influência geopolítica, econômica e ideológica. Analisemos o caso do Novo Banco de Desenvolvimento (NBD), o “Banco dos BRICS”, para responder à pergunta: o NBD pode atuar como uma alternativa à centralização financeira ocidental? Mais especificamente: o Fundo Monetário Internacional e o Banco Mundial manterão o controle e imporão prescrições neoliberais na provisão de créditos internacionais?

Gostaríamos de chamar sua atenção para detalhes sobre a maioria das revisões no NBD até o momento. A maioria menciona quase exclusivamente os efeitos econômicos do banco na estrutura financeira global, deixando de lado os aspectos geopolíticos que a instituição suscitará no cenário internacional. As implicações económicas e financeiras são, sem dúvida, significativas. geopolítico maior.

O século XXI trouxe uma série de transformações na economia e nas relações internacionais. A República Popular da China consolidou-se como um importante player global devido ao seu crescimento econômico desde a década de 1980. Ao final da Guerra Fria, a economia capitalista experimentou uma expansão significativa e, ao mesmo tempo, os Estados Unidos e a Europa começaram a cair gradativamente no atual ciclo sistêmico de acumulação, liderado por Washington (Arrighi 1996). Esse contexto oferece uma “oportunidade” para ações anti-regime por parte de muitos países, como China, Rússia, Índia e Brasil (Pennaforte 2021). Cada um tem objetivos políticos, econômicos e estratégicos, mas tem como horizonte um mundo multipolar e multilateral.

A criação do Banco Nacional de Dubai em 2015 constituiu a primeira iniciativa financeira (institucional) fora do eixo euro-atlântico desde 1945. Desde o fim da Segunda Guerra Mundial, norte-americanos e europeus lideram o sistema financeiro internacional que, ao longo do tempo, impôs a série de medidas econômicas de oferta de crédito pelo FMI Fundo Monetário Internacional (FMI) aos países em desenvolvimento que buscavam se industrializar. Tais medidas econômicas afetaram fortemente a sociedade ao impor cortes de gastos que sempre afetaram as áreas sociais, promoveram a queda dos investimentos e levaram a recessões, especialmente na América Latina.

READ  LATAM Airlines busca aprovação do tribunal de falências para US$ 2,75 bilhões em empréstimos de saída

O NBD foi criado em 2014 na cúpula do BRICS em Fortaleza, com entrada em vigor em Xangai (China) em 2015, com capital autorizado de US$ 100 bilhões. Pela primeira vez na história, os países “emergentes” ou países do Sul Global começam a criar um organismo financeiro com capacidade para estender o crédito à comunidade internacional. Com a ajuda do Banco Nacional de Dubai, muitos países interessados ​​em financiamento conseguem avançar seus projetos de desenvolvimento em melhores condições.

O NBD posiciona os países do BRICS como potencial player global na disputa por esferas de influência no sistema internacional. O Banco Nacional de Dubai pode se tornar um importante mecanismo geopolítico e econômico no momento atual para a transição sistemática para um cenário em que o eixo Washington-Bruxelas perca sua influência.

A criação de um novo centro de provisão de crédito trará novas perspectivas para inúmeros países que não necessariamente dependeriam do Fundo Monetário Internacional ou do Banco Mundial para iniciar ou continuar suas operações de desenvolvimento.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *