O legado cinematográfico pioneiro do modernismo brasileiro

Durante sete dias em fevereiro de 1922, marcando o centenário da independência do Brasil de Portugal, artistas em São Paulo organizaram exposições, concertos e leituras de poesia que quebraram os moldes das formas de arte até então socialmente aceitáveis. O pintor Emiliano de Cavalcanti e o poeta Mario de Andrade, entre outros, exibiram obras que se desviavam dos estilos europeus e buscavam, em vez disso, uma sensibilidade local, buscando gestos que entusiasmassem o público e emocionassem a crítica com sua independência radical.

Cem anos desde o evento catalítico conhecido como Semana de arte moderna (“Modern Art Week”), e no bicentenário da independência do país, uma série de filmes co-apresentada pela Brooklyn Academy of Music (BAM) e pela Triple Canopy celebrará a ascensão e a ressonância duradoura do modernismo brasileiro. De 11 a 15 de fevereiro, seis filmes que abrangem seis décadas de história do cinema brasileiro serão exibidos nos Rose Cinemas do Interdisciplinary Arts Center, no bairro de Fort Greene, no Brooklyn.

pôster para Ondi Anda Makunima? (2020) direção de Rodrigo Silos.

A escritora e tradutora Katrina Dodson, que programou a série, indica que 2022 pode ser um ano crucial para o Brasil, com… Próximas eleições Isso poderia levar à destituição do presidente conservador Jair Bolsonaro.

“Eu queria que esta série destacasse as questões que os artistas e escritores brasileiros ainda fazem sobre a história e os efeitos do colonialismo, que remontam ao movimento modernista da década de 1920, quando os artistas tentavam expandir suas ideias sobre como representar o Brasil e o que isso significava: “Seja brasileiro olhando além da estética dominante europeia ou norte-americana e incorporando tradições folclóricas rurais, culturas indígenas e influências africanas”, disse Dodson ao Hyperallergic.

“Eu chamo isso de ‘pluralismo ambivalente’ porque esses artistas eram essencialmente cosmopolitas e relativamente brancos em São Paulo e no Rio de Janeiro, então havia algumas restrições inevitáveis ​​em suas opiniões sobre como representar ‘o povo'”, acrescentou ela.

Entre os títulos contidos em Modernismo brasileiro em seu 100º ano É um filme mudo de 1931 de Mário Peixoto Limite, uma obra-prima de vanguarda sobre um homem e duas mulheres encalhados no mar. Famoso Inspirado Através de um retrato perturbador de Andre Kertesz, a ação poética se desenrola ao som da música de Claude Debussy, Erik Satie, Igor Stravinsky e outros.

A série também destaca os clássicos do movimento Cinema Novo das décadas de 1960 e 1970, quando cineastas brasileiros direcionavam suas câmeras para a desigualdade social e a luta de classes. em Antonio das Mortes (1969), dirigido por Glauber Rocha, o protagonista de mesmo nome é assombrado com.cangaceiros No campo brasileiro, os camponeses se transformaram em bandidos que se rebelaram contra os ricos proprietários de terras. O filme ilustra a realidade da população rural reprimida ao mesmo tempo em que explora as conexões entre folclore, misticismo e política na região Nordeste do país.

“Incluí Glauber Rocha Antonio das Mortes Não só é um ótimo filme, mas também “Ele incorpora a natureza híbrida e mestiça da vida social brasileira, em suas tradições populares e religiões sincréticas, juntamente com o sentimento de um país onde o antigo e o hiperindustrial ainda coexistem lado a lado”, disse Dodson.

E ainda do filme Para Onde Anda Makunaíma? (2020)

Dois filmes terão estreia nos EUA no BAM: a semibiografia de Júlio Bressane; Miramar (1997) e o documentário mais recente Procurando por Makunima (2020) direção de Rodrigo Silos. Este último conta a história do herói indígena fictício do clássico modernista de Andrade de 1928 Makunima. Modernismo brasileiro em seu 100º ano vai Em conjunto com a nova tradução do romance de Dodson, que será publicada pela New Directions em 2023.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *