O Fórum Econômico Mundial realiza a primeira reunião do Copresidente da Iniciativa Brasileira de Aceleração de Competências

  • O Fórum Econômico Mundial, a Secretaria de Produtividade, Emprego e Competitividade do Governo do Brasil e o Ministério da Economia realizaram a primeira reunião da Skills Accelerator Initiative no Brasil.
  • O Programa Accelerator visa preencher as lacunas de habilidades entre a força de trabalho atual e a futura e promover o refinamento e refinamento das habilidades da força de trabalho brasileira combinando as capacidades mais demandadas
  • A meta é atingir 8 milhões de trabalhadores brasileiros por meio de programas nacionais de capacitação

Nova York, EUA, 2 de março de 2021 – O Fórum Econômico Mundial, a Secretaria de Produtividade, Emprego e Competitividade do Governo do Brasil e o Ministério da Economia realizaram a primeira copresidência da Iniciativa Brasileira de Aceleração de Competências. O Accelerator visa desenvolver uma análise de sistema e um plano de ação para atingir 8 milhões de trabalhadores brasileiros por meio de programas nacionais de treinamento.

O programa Accelerator terá como foco os componentes locais e globais, criando uma plataforma público-privada única que reúne os principais atores empresariais, governamentais e da sociedade civil em uma sociedade mais ampla e voltada para a ação. O Programa Accelerator visa preencher as lacunas de habilidades entre a força de trabalho atual e a futura e promover o refinamento e o refinamento da força de trabalho brasileira combinando as capacidades mais demandadas. O objetivo é abordar a digitalização acelerada e o surgimento de uma difusão mais ampla de novas tecnologias, que afetaram os mercados de trabalho.

O Programa Accelerator é co-presidido pelos Vice-Ministros da Economia e da Educação, Microsoft Brasil, Banco BTG Pactual, Banco do Brasil e SENAI (Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial) do setor privado.

“A pesquisa do Fórum Econômico Mundial indica que o investimento acelerado na melhoria das habilidades e reabilitação dos trabalhadores pode adicionar pelo menos US $ 6,5 trilhões ao PIB global até 2030”, disse Saadia Zahidi, diretora-geral do Fórum Econômico Mundial. aprimorando o apoio a mais de 50 milhões de pessoas, esta plataforma entre os setores público e privado abordará as lacunas de competências e remodelará a forma como o Brasil desenvolve e dissemina seus talentos, criando condições de concorrência equitativas para todos ”.

READ  A TIM tem parceria com a DigitalReef para criar um novo canal de publicidade e marketing móvel

Marisol Arguita, presidente da América Latina, Fórum Econômico Mundial, reiterou que “isso faz parte do escopo de trabalho que vem sendo desenvolvido com o governo do Brasil em áreas de importância estratégica, alavancando capacidades públicas e privadas e expertise global para atender às desafios econômicos, em particular, neste caso. “, Em tempos difíceis para o emprego em todo o mundo, quando uma força de trabalho qualificada é a chave para a competitividade de um país.

Carlos Alexandre da Costa, Vice-Ministro da Economia Brasileira, afirmou: “Esta iniciativa terá como base as principais iniciativas de requalificação de competências do país, incluindo a Emprega +, que visa oferecer cursos de formação profissional de acordo com as necessidades do mercado de trabalho e reforçar os programas de aprendizagem e o sistema de emprego. Recrutamento Nacional de Trabalhadores. “

Por meio da orientação dos co-presidentes, a iniciativa se concentrará na definição de um plano de ação, na criação de grupos de trabalho e na expansão da comunidade para coletar amplos compromissos de ação, acompanhar o progresso e garantir o impacto.

/ Versão WEF. Este material vem do estabelecimento original e pode ser de natureza cronológica e é editado para maior clareza, estilo e extensão. Show completo Aqui.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.