O foguete Vulcan se prepara para seu primeiro lançamento com uma missão de pouso na Lua

Um novo foguete americano está na plataforma de lançamento em Cabo Canaveral, Flórida, e pela primeira vez em mais de 50 anos, uma espaçonave americana irá em direção à superfície da lua. O foguete se chama Vulcan e foi fabricado pela United Launch Alliance. Aqui está o que você precisa saber sobre sua viagem inaugural.

O lançamento está agendado para 2h18 ET de segunda-feira. A cobertura será Transmitido na TV NASA A partir de 1h30

As previsões dão 85% de chance de melhoria do tempo. Se o lançamento for adiado para terça-feira, as condições meteorológicas irão deteriorar-se, com apenas 30 por cento de hipóteses de condições favoráveis.

Existem oportunidades de lançamento adicionais em 10 e 11 de janeiro.

A Astrobotic Technology em Pittsburgh está enviando Peregrine, uma espaçonave robótica, para pousar em Sinus Viscositatis – latim para “Baía da Aderência” – uma região misteriosa no lado próximo da lua. A NASA está pagando US$ 108 milhões à Astrobotic para conduzir cinco experimentos lá, parte do programa Commercial Lunar Payload Services, ou CLPS, da agência espacial. O programa visa reduzir o custo de envio de itens à superfície lunar.

O foguete Vulcan, construído pela United Launch Alliance, uma joint venture entre a Boeing e a Lockheed Martin, substituirá os dois foguetes existentes da empresa, Altas V e Delta IV.

Desde que a United Launch Alliance foi fundada em 2006, o seu principal negócio tem sido o lançamento de cargas militares ultrassecretas para o governo dos EUA. Os seus mísseis eram caros – demasiado caros para a maioria dos clientes comerciais – mas extremamente fiáveis. Através do Vulcan, a ULA busca conquistar uma fatia maior do mercado comercial. Já vendeu mais de 70 lançamentos Vulcan, incluindo 38 para a Amazon enquanto constrói o Projeto Kuiper, uma constelação de satélites de comunicações pela Internet.

A Força Espacial dos EUA gostaria de ver dois lançamentos bem-sucedidos do Vulcan antes de colocar qualquer uma de suas cargas a bordo. O lançamento de segunda-feira é o primeiro lançamento de certificação. Um segundo pode acontecer já em abril. Isto levaria o Dream Chaser, um avião espacial não tripulado construído pela Sierra Space em Louisville, Colorado, numa missão de entrega de carga à Estação Espacial Internacional.

Se for bem-sucedido, quatro lançamentos adicionais do Vulcan este ano colocarão cargas úteis da Força Espacial em órbita.

A Nação Navajo se opõe às cinzas humanas e ao DNA encontrados a bordo da sonda Peregrine da Astrobotic.

Além dos cinco experimentos da NASA, o módulo de pouso Peregrine da Astrobotic também transporta diversas cargas úteis para clientes comerciais. Estas incluem Celestis e Elysium Space, empresas que homenageiam pessoas enviando alguns de seus restos mortais para o espaço.

Na quinta-feira, o presidente da nação Navajo, Bo Nygren, disse em um comunicado que havia enviado uma carta à NASA e ao Departamento de Transportes dos EUA pedindo o adiamento do lançamento.

“A lua é parte integrante da espiritualidade e da herança de muitas culturas indígenas, incluindo a nossa”, escreveu ele. “Colocar restos humanos na Lua é uma profanação profunda deste corpo celeste que o nosso povo considera sagrado.”

Durante conferências de imprensa, funcionários da NASA indicaram que não estavam encarregados da missão e que não tinham voz direta em outras cargas úteis que a Astrobotic vendeu no Peregrine.

“Há uma reunião intergovernamental sendo preparada com a nação Navajo que a NASA apoiará”, disse Joel Kearns, vice-administrador associado para exploração da NASA, durante uma entrevista coletiva na quinta-feira.

READ  Outros 344 casos de COVID-19, 14,3.000 novas vacinas foram relatados no domingo em Utah

O CEO da Astrobotic, John Thornton, disse na sexta-feira que estava desapontado porque “essa conversa surgiu tão tarde no jogo”, porque sua empresa havia anunciado a parceria Celestis-Elysium anos antes.

“Estamos realmente tentando fazer a coisa certa”, disse Thornton. “Espero que possamos encontrar um bom caminho a seguir com a Nação Navajo.”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *