O Brasil busca enfrentar o déficit com um ambicioso programa econômico

O governo de Luiz Inácio Lula da Silva anunciou na quinta-feira suas primeiras medidas econômicas, delineando uma série de propostas de aumento de impostos e cortes de gastos com o objetivo de transformar o déficit projetado do Brasil neste ano de mais de R$ 231 bilhões (US$ 45 bilhões) em um superávit de mais de R 11. Bilhões de dólares.

Ministro de finanças Fernando Haddad Ele alertou que essa meta seria difícil e disse que o governo se contentaria em terminar este ano com um déficit de menos de 1 por cento do PIB, abaixo da previsão de 2,1 por cento.

Next Motins violentos No domingo, em Brasília, muitos esperavam que o anúncio fosse adiado, mas o Ministério da Economia decidiu provar que seu trabalho não havia sido interrompido.

Haddad foi acompanhado por outros dois ministros e ministros seniores em um gesto destinado a transmitir o amplo apoio do governo a medidas que provavelmente serão impopulares entre os eleitores.

No entanto, eles podem se acalmar preocupações de mercado Sobre as contas públicas do estado e o compromisso do governo com a retidão fiscal.

“Esse programa de reestruturação fiscal parte do pressuposto de que não há crescimento sustentável permanente com déficit de R$ 230 bilhões”, disse Simon Tebet, ministro do Planejamento, que anunciou o pacote junto com Haddad.

“[This deficit] Significa que não podemos abrir espaço para geração de emprego e renda já comprometidos com 2% do PIB.” Isso afeta as taxas de juros e, portanto, a viabilidade do Brasil voltar a crescer.

Haddad chamou a incapacidade inicial de “ridícula” quando assumiu oficialmente o cargo em 2 de janeiro.

O pacote prevê aumentar as receitas em mais de R$ 190 bilhões e reduzir as despesas em R$ 50 bilhões.

READ  Companhia aérea brasileira Azul pretende aumentar rotas de cruzeiros em 30% em 2023, diz CEO

Isso será feito por meio de uma série de mudanças tributárias, incluindo a retirada da isenção para grandes empresas não financeiras aprovada nos últimos dias do governo anterior de Jair Bolsonaro. As medidas também vão mudar a forma como as empresas podem criar créditos tributários com o ICMS, que é um imposto nacional sobre circulação de mercadorias.

Além disso, as medidas visam restabelecer o chamado voto de qualidade do governo no Conselho Administrativo de Recursos Fiscais, órgão que julga disputas tributárias.

Restaurar esse voto praticamente garante que o governo federal vencerá as disputas quando houver um empate no tribunal, o que acontece com frequência. Isso, por sua vez, levará ao aumento da receita.

O Congresso votou pela retirada do voto de qualidade do governo em 2020 durante o governo Bolsonaro.

O pacote econômico é composto por uma série de portarias ministeriais e diversas portarias e decretos presidenciais que devem ser votados no Congresso, o que pode apresentar alguns entraves.

O pacote foi “uma boa estratégia até que mais medidas estruturais sejam implementadas”, disse Meryem Diop, economista-chefe da Grimper Capital.O mercado reagiu muito bem à notícia quando vazou na semana passada e acho que continuará respondendo bem.

Sergio Fall, economista-chefe da MB Associates, disse que o mercado espera que Haddad anuncie uma nova estrutura fiscal e a proposta de reforma tributária do governo.

“A meta declarada é realmente ambiciosa. Talvez não aconteça tudo o que o governo espera. Haddad já indicou isso”, disse Valli.

Reportagem adicional de Carolina Engiza

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.