Móveis: Tigela de Sopa Sour Canal do Brasil – Blog

“Móveis” por Daniel e a justiça, é nossa série semanal sobre design de produção. Você pode clicar nas imagens para visualizá-las em detalhes ampliados.

Olá! Quero falar com você sobre canais.

Estou falando sério, embora também esteja citando as primeiras linhas do livro estranho e maravilhoso de Terry Gilliam Brasil. É um filme com muitos designs de produção exclusivos, com o diretor de arte Norman Garwood e a cenógrafa Maggie Gray recebendo uma indicação ao Oscar. Eles perderam para Fora da ÁfricaMas acho útil fingir que isso não aconteceu.

É quase impossível escolher apenas um item para exibir. Não me importo de postar todos os cartazes de propaganda engraçados e deprimentes que cobrem as paredes desta miserável cidade cinematográfica. Outra opção é desenhar sequências de sonhos, que se tornam cada vez mais solenes à medida que Sam Lorre (Jonathan Pryce) perde o contato com a realidade.

Mas ainda quero falar com vocês sobre os canais…

Afinal, são eles os tubos que mantêm o filme unido. Ninguém explica completamente o seu propósito, mas isso não importa. Não é isso que importa. É o principal material visual desta fantasia totalitária, ainda mais do que a aterrorizante iconografia Art Déco dos serviços centrais.

Laurie é um burocrata de baixo escalão nesta máquina distópica, embora sua mãe bem relacionada o empurre constantemente para uma promoção. Seu destino começa a mudar quando ele se vê nas repercussões de um erro administrativo que causa a morte de um homem inocente.

Mas esta não é uma falha rara de um sistema burocrático estritamente organizado. Serviços centralizados com arquitetura excessiva e arquitetura excessiva são um desastre, facilmente interrompidos e corrigindo constantemente seus erros. Um único congestionamento na sede pode deixar um departamento inteiro histérico.

No entanto, apesar desta ineficiência, o serviço central introduziu os seus canais em quase todas as salas. Nós os vemos pela primeira vez na televisão, tema de uma antiga carta publicitária.

Eles então aparecem no Shangri-La Apartments, onde a infeliz família Patel está hospedada.

Mas eles não estão apenas nos subúrbios e nas favelas. A mãe de Lori também tem canais enormes em seu grande apartamento, um castelo de papel de parede e decoração mórbida.

Outros canais espreitam atrás das tábuas, esperando o momento certo para atacar. Lowry fica do lado errado de alguns reparadores de aquecimento dos Serviços Centrais e acaba em uma bagunça completa.

Mais tarde, a situação piora quando os reparadores voltam para ligar o sistema de ar condicionado.

Os serviços centrais são vingativos e tacanhos. O seu poder é evidente no descontentamento dos seus cidadãos e no pânico constante na sua sede. A sua face pública é uma mentira em ruínas, cartazes alegres junto a refinarias em dificuldades. Talvez isso nunca seja mais evidente do que no restaurante sofisticado onde Laurie conhece sua mãe. A fonte de água interior é alimentada por canais enormes.

A comida vem em montes de mingau, acompanhada de uma foto divertida de como deveria ser. O garçom insiste que Laurie faça o pedido por número e apoia o sistema de pedidos sem sentido.

Mas se os serviços centrais insistem que é um pato laranja, isso significa que é um pato laranja? Se os serviços centrais encherem as ruas com canos de esgoto vermelhos, isso tornará a cidade um lugar mais limpo?

Eventualmente, os canais crescem em uma pilha final, onde Laurie delirante gargalha. Nessa bagunça emaranhada estão outros símbolos de ordem, uma cruz azul neon e os destroços espalhados de alguns aparelhos de TV/computador. Os canais atingiram a sua forma final, uma montanha imunda de lixo totalitário.

Mas antes de sair dos canais, uma última reflexão. O Brasil não existe no vácuo (ou HVAC). Utiliza elementos de design imaginativos para condensar o espaço urbano e canalizá-lo para um labirinto de distopia sem fim, uma abordagem que acaba por ser muito influente. Tim Burton homem Morcego É um descendente direto, certamente, e podem-se ver estratégias semelhantes em… Agente Hudsucker E o trabalho de Jean-Pierre Jeunet.

Esses filmes simultaneamente levitam o público e o prendem em um elevador que desce perpetuamente para o inferno. É como se grupos do Expressionismo Alemão tivessem sido filmados e editados num filme noir niilista. A grande sociedade desmorona inexplicavelmente na cabeça de um homem pequeno e comum. Mas a diferença é que Brasil Vai um pouco mais longe que o resto, terminando no fundo deste vórtice cinematográfico maníaco.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *