Ministro dos Negócios Estrangeiros de Portugal afirma que a entrada da Ucrânia na União Europeia resolverá o problema alimentar – Euractiv

O ministro dos Negócios Estrangeiros português, Paulo Rangel, disse na quarta-feira que o alargamento da UE é fundamental para Portugal, citando potenciais oportunidades económicas e soluções para o problema da soberania alimentar e que os países candidatos têm uma visão atlântica.

Rangel expressou a posição de Portugal durante uma audição na Comissão Parlamentar de Assuntos Europeus, na quarta-feira.

“A posição do governo português relativamente ao alargamento é muito favorável por razões estratégicas e, por isso, não tem a reserva ou hesitação que o governo anterior teve”, disse Rangel.

O ministro continuou que a adesão da Ucrânia é “fundamental para Portugal” porque será “uma oportunidade económica – sempre que há alargamentos, há dinamismo económico” e porque é “um país claramente pró-atlântico”.

“Nós, na Europa, precisamos de aliados no Atlântico”, disse Rangel, rejeitando a ideia de que a expansão equivaleria a uma “mudança para Leste”.

“É exactamente o contrário: são países muito pró-atlânticos que seriam parceiros de Portugal, e talvez dos Países Baixos, da Dinamarca, da Suécia e da Irlanda. Ao abrirem-se ao Atlântico, estão a dar profundidade estratégica atlântica à União.”

“A adesão da Ucrânia permitirá resolver o problema alimentar”, afirmou, sublinhando a “importância estratégica da entrada da Ucrânia”, reconhecendo ao mesmo tempo que os agricultores enfrentariam “muitos problemas” e, portanto, teriam de ser compensados.

“Isto aplica-se à Moldávia, aplica-se aos Balcãs e aplica-se à Geórgia”, acrescentou, referindo-se aos outros países candidatos, que atualmente incluem a Albânia, Bósnia e Herzegovina, Macedónia do Norte, Montenegro, Sérvia, Turquia, Ucrânia, Moldávia. e Turquia. Geórgia.

Comentando os recentes ataques russos às infra-estruturas da Ucrânia, disse esperar “uma nova onda de migração, incluindo 8 ou 9 milhões de pessoas”, porque a escassez de energia “torna a vida quotidiana impossível”.

READ  Cruise assume o papel de Ponte Preta e dificulta o acesso à Série A.

Falando sobre uma possível reforma institucional a nível da UE, o ministro dos Negócios Estrangeiros disse que Lisboa preferiria não ter de rever os tratados da UE – porque isso seria “mais rápido e menos divisionista” – mas admitiu que a “melhor forma” poderia ser através de uma “ajuste cirúrgico”. “Para tratados.

(Joanna Haderer, Lusa.pt)

Leia mais com Euractiv

Subscreva agora a nossa newsletter descodificada das Eleições da UE

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *