Marte revela estranhas estruturas poligonais abaixo da superfície

Escrito por Jeffrey Rapaport | Publicados

Imagem do videogame Destiny 2

Se você está procurando inspiração para um cenário de ficção científica, observe: os cientistas descobriram recentemente estranhas estruturas poligonais enterradas sob a superfície de Marte. Desenvolvimentos de ponta na tecnologia espacial facilitaram esta descoberta, que é uma descoberta extraordinária do universo.

Contribui com um novo capítulo fascinante para a nossa compreensão da paisagem marciana e da sua história.

Zhurong escavou abaixo da superfície de Marte e descobriu 16 estruturas poligonais notáveis.

A nave espacial chinesa Zurong fez esta descoberta, que representa um marco importante no programa de exploração espacial da China. Na verdade, a aventura de Zurong em Marte faz parte da primeira missão da China a pousar no planeta vermelho.

O rover chinês pousou e foi implantado na Utopia Planitia, uma das bacias de impacto mais importantes do Planeta Vermelho. Esta impressionante tecnologia desempenhou um papel crucial na revelação de estruturas misteriosas e ocultas numa secção particularmente relevante da paisagem marciana.

Terreno de Marte
Marte

A cratera em questão foi atravessada pela última vez há mais de quarenta anos, em 1976, pela sonda Viking 2 da NASA. É uma área de especial interesse para estudiosos, tanto chineses quanto americanos.

Esses polígonos não estão apenas localizados a aproximadamente 35 metros de profundidade, mas também se estendem horizontalmente por aproximadamente 2 quilômetros.

Zhurong escavou abaixo da superfície de Marte e descobriu 16 estruturas poligonais notáveis. Os especialistas consideram essas formações o resultado incrivelmente antigo do ciclo de congelamento e descongelamento. O terreno anteriormente congelado de Marte rachou, um processo observado na Terra em regiões de permafrost.

Porém, segundo os cientistas, os polígonos resultantes desse processo no Planeta Vermelho são enormes – muito maiores que os da Terra.

READ  SpaceX se prepara para o terceiro voo da espaçonave (fotos)

Como os cientistas chegaram à hipótese de congelamento e descongelamento? Consultando dados coletados do avançado sistema de radar do veículo. O que descobri foi surpreendente: estes polígonos não só estão localizados a aproximadamente 35 metros de profundidade, como também se estendem horizontalmente por quase dois quilómetros.

Pesquisas adicionais revelaram detalhes fascinantes sobre as origens geológicas e climáticas de Marte. Embora a atividade vulcânica tenha moldado as estruturas poligonais da Terra – como a famosa Ponte do Gigante da Irlanda do Norte – os polígonos marcianos provavelmente devem as suas formas incomuns à sedimentação e aos processos térmicos, excluindo o envolvimento de lava.

Esperançosamente, estas fraturas fornecerão mais pistas sobre o passado climático de Marte e formarão pontos de comparação com os polígonos da Utopia Planitia.

Além disso, vestígios de antigas inundações marcianas ao longo da Utopia Planitia – inundações que datam de quase três mil milhões de anos – atestam que a dinâmica e diversificada paisagem marciana está a sofrer mudanças revolucionárias. Tal ambiente teria transformado Marte de um planeta rico em água no deserto árido que vemos hoje.

Também facilitaria os processos de congelamento e descongelamento, ou seja, padrões poligonais.

Enquanto o rover Curiosity da NASA continua em movimento, a espaçonave Zurong da China permanece em silêncio desde então. Presumivelmente, isso se deve às fortes tempestades de poeira em Marte – embora, é claro, também não se possa descartar um monstro de terror e ficção científica.

O primeiro explorará em breve terreno marcado por enormes fraturas visíveis em órbita.

Esperançosamente, estas fraturas fornecerão mais pistas sobre o passado climático de Marte e formarão pontos de comparação com os polígonos da Utopia Planitia.

READ  Cientistas resolvem o mistério da levitação magnética além da física clássica

Mais evidências também sugerem que Marte também pode ter sido sujeito a uma inclinação axial ou excentricidade frequentemente variável. Mudanças drásticas na inclinação do planeta teriam levado a flutuações extremas de temperatura. Os cientistas sugerem que a planta vermelha estava inclinada até quarenta graus há cerca de cinco milhões de anos.

O planeta pré-oblíquo experimentaria condições sazonais muito diferentes das que observamos hoje.

No entanto, esta descoberta enriquece a nossa compreensão da história geológica de Marte e oferece novas formas de explorar o clima e as condições meteorológicas anteriores do planeta.

fonte: Astronomia da natureza


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *