Mario Zagallo: Jogador brasileiro quatro vezes vencedor da Copa do Mundo morre aos 92 anos

Fonte da imagem, Imagens Getty

Comente a foto,

Mario Zagallo é o único homem que fez parte de quatro seleções vencedoras da Copa do Mundo

A lenda do futebol brasileiro Mario Zagallo, quatro vezes vencedor da Copa do Mundo como jogador e treinador, morreu aos 92 anos.

Zagallo foi ala da seleção brasileira que conquistou duas Copas do Mundo consecutivas, em 1958 e 1962, e foi titular nas duas partidas finais.

Ele guiou aquele que é considerado o maior time internacional de todos os tempos, incluindo Pelé, Jairzinho e Carlos Alberto, à glória em 1970.

A última vitória de Zagallo na Copa do Mundo aconteceu quando ele era assistente técnico de Carlos Alberto Parreira, em 1994.

Ele voltou como técnico do Brasil após o torneio e levou o país à final em 1998, onde perdeu para a anfitriã França.

Zagallo foi a primeira pessoa a vencer a Copa do Mundo como jogador e como técnico, feito que desde então foi igualado pelo alemão Franz Beckenbauer e pelo francês Didier Deschamps.

Um comunicado em sua conta oficial do Instagram dizia: “É com grande tristeza que informamos a morte do tetracampeão mundial Mario Jorge Lopo Zagallo”.

“Um pai dedicado, um avô amoroso, um sogro carinhoso, um amigo dedicado, um profissional conquistador e um grande ser humano. Um ídolo gigante. Um patriota que nos deixa um legado de grandes conquistas.”

O presidente brasileiro, Luiz Inácio Lula da Silva, disse que Zagallo é “um dos maiores jogadores e treinadores de futebol de todos os tempos”.

Ele acrescentou em sua conta no site X (antigo Twitter): “Zagalo foi um exemplo de brasileiro que nunca desistiu”.

E acrescentou: “Esta é a lição e o espírito de carinho, amor, dedicação e superação que ele deixa para todo o nosso país e para o futebol mundial”.

Uma figura chave na história condecorada do Brasil

O Brasil é o país de maior sucesso em finais de Copas do Mundo, com cinco títulos, e Zagallo é uma das figuras mais efetivas dessa história.

Quando adolescente, no serviço nacional, ele foi um dos cerca de 200 mil espectadores no Estádio do Maracanã que assistiram ao anfitrião Brasil ser surpreendido pelo Uruguai na final decisiva da Copa do Mundo de 1950.

Em declarações à BBC Sport em 2013, Zagallo disse: “Este dia nunca me saiu da cabeça.”

Ele fez sua estreia pela seleção brasileira aos 26 anos, pouco antes do torneio de 1958, mas se tornou peça-chave no time que aliviou parte da dor de 1950, quando Pelé, de 17 anos, levou a Seleção à vitória sobre a Suécia na final. com Zagallo. Ele marcou o quarto gol na vitória por 5-2.

Zagallo foi o último sobrevivente da seleção brasileira vencedora da Copa do Mundo de 1958, que disputou a final.

Com Pelé lesionado nos primeiros momentos da Copa do Mundo de 1962, Zagallo voltou a desempenhar um papel crucial, voltando a ajudar na defesa numa época em que não era costume os atacantes fazê-lo, quando o Brasil derrotou a Tchecoslováquia na final.

Zagallo, que jogou localmente pelo América, Flamengo e Botafogo, se aposentou em 1965 depois de disputar 33 partidas internacionais pela seleção de seu país.

Começou a carreira de treinador no Botafogo antes de substituir João Saldanha como técnico da Seleção Brasileira aos 38 anos, pouco antes da Copa do Mundo de 1970, no México.

O astuto taticamente Zagallo, apelidado de 'O Professor' e 'O Velho Lobo', criou um time repleto de talentos ofensivos como Pelé, Jairzinho, Gerson, Tostão e Rivelino e os tornou irresistíveis.

O Brasil venceu todas as seis partidas, derrotando a Itália por 4 a 1 na final.

Zagallo permaneceu como técnico do Brasil na Copa do Mundo de 1974, na Alemanha Ocidental, onde terminou em quarto lugar.

Posteriormente, ele gerenciou clubes e seleções brasileiras, incluindo Kuwait, Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos, ajudando estes últimos a se classificarem para sua primeira Copa do Mundo em 1990, antes de retornar como coordenador da comissão técnica de Parreira antes da Copa do Mundo de 1994.

O Brasil conquistaria seu quarto título e o primeiro desde 1970, quando derrotou a Itália nos pênaltis na final nos Estados Unidos.

A equipe de Zagallo começou o torneio de 1998 como favorita, mas perdeu por 3 a 0 na final para a França, com o atacante Ronaldo sofrendo uma misteriosa convulsão no dia da partida.

O Brasil conquistou seu quinto título no Japão e na Coreia do Sul em 2002, sob a liderança de Luiz Felipe Scolari, e Zagallo participou do torneio como conselheiro especial.

Ele voltou como auxiliar de Parreira em 2006, quando o Brasil foi eliminado nas quartas de final pela França, e posteriormente se aposentou.

A esposa de Zagallo, Alsina de Castro, morreu aos 57 anos, em 2012. Eles tiveram quatro filhos.

O presidente da Confederação Brasileira de Futebol, Ednaldo Rodriguez, disse: “A Confederação Brasileira de Futebol e o futebol brasileiro estão de luto pela morte de uma de suas lendas.

“A Confederação Brasileira manifesta sua solidariedade aos seus familiares e torcedores neste momento de luto pelo falecimento desta grande estrela do nosso futebol.”

O presidente da FIFA, Gianni Infantino, disse que a influência de Zagallo no futebol, e no futebol brasileiro em particular, é muito grande.

“Em tempos de necessidade, o Brasil via 'O Professor' como uma presença calmante, um braço orientador e um gênio tático”, acrescentou Infantino.

Ele acrescentou: “Ele será lembrado como o padrinho do futebol brasileiro e todos sentirão muita falta de sua presença, especialmente aqui na FIFA”.

READ  GP do Brasil de F1

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *