Macron disse que antes de uma possível visita à Ucrânia precisa de um forte sinal da União Europeia

  • Líder francês criticado por sua aparente tendência suave
  • Macron insiste que Paris fará tudo o que puder para impedir a Rússia
  • Macron vê forças da OTAN na Romênia e apoia a Moldávia
  • Schulz, Draghi e Yohannes podem se juntar a Macron em visita a Kyiv

CONSTANTA, Romênia (15 de junho) (Reuters) – O presidente Emmanuel Macron expressou uma posição mais dura em relação à Rússia nesta quarta-feira e disse que a Europa precisa enviar um sinal forte para a Ucrânia enquanto ele tenta acalmar as preocupações em Kyiv e entre alguns aliados europeus sobre sua posição anterior. na Rússia. Moscou.

Macron chegou à Romênia na terça-feira em uma viagem de três dias aos vizinhos do leste da Ucrânia, incluindo a Moldávia, antes de provavelmente ir a Kyiv na quinta-feira para uma visita ao chanceler alemão Olaf Schulz, ao primeiro-ministro italiano Mario Draghi e ao presidente romeno Klaus Iohannis, disseram duas fontes diplomáticas. . .

A visita simbólica ocorre um dia antes de a Comissão Europeia emitir uma recomendação sobre o status da Ucrânia como candidata à adesão à UE, algo que os principais países europeus estão indiferentes e deve ser discutido na cúpula dos líderes em 23 e 24 de junho.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

“Estamos em um ponto em que nós (europeus) precisamos enviar sinais políticos claros, nós europeus, para a Ucrânia e seu povo quando eles resistem heroicamente”, disse Macron, sem dar mais detalhes.

O líder francês foi criticado pela Ucrânia e aliados do Leste Europeu por causa do que eles veem como um apoio vago à Ucrânia na guerra contra a Rússia.

Autoridades francesas tentaram nos últimos dias reforçar as mensagens públicas, enquanto Macron parecia ter uma postura mais dura na noite de terça-feira, quando estava com suas tropas. Consulte Mais informação

READ  Ucrânia dá golpes psicológicos no jogo de drones sobre a Crimeia | Ucrânia

“Faremos tudo o que pudermos para parar as forças militares russas, ajudar os ucranianos e seu exército e continuar as negociações”, disse ele às forças francesas e da Otan em uma base militar na Romênia.

Macron disse repetidamente nas últimas semanas que é necessário não “humilhar” a Rússia para que uma solução diplomática possa ser encontrada quando os combates terminarem, e continuou a manter os canais de comunicação abertos com o Kremlin, para grande desgosto dos aliados. Consulte Mais informação

Falando ao lado de Yohannes, Macron minimizou esses comentários, mas insistiu que a Ucrânia, que ele esperava vencer a guerra, eventualmente terá que negociar com a Rússia.

“Nós compartilhamos um continente”, disse ele a repórteres. “A geografia é teimosa e, no final das contas, a Rússia está lá. Estava lá ontem, está lá hoje e estará lá amanhã.”

A França lidera um grupo de combate da OTAN na Romênia, composto por cerca de 800 soldados, incluindo 500 soldados franceses, além de outros da Holanda e da Bélgica. Paris também implantou um sistema de mísseis terra-ar.

Macron viaja para a Moldávia ainda nesta quarta-feira para apoiar um país que muitos temem que possa ser arrastado para um conflito na vizinha Ucrânia.

O foco pode se voltar para Kyiv na quinta-feira, onde fontes diplomáticas disseram que líderes europeus podem se dirigir à capital ucraniana.

Macron se recusou a comentar “assuntos logísticos”, mas disse que é importante manter novas conversas com a Ucrânia sobre assuntos militares e financeiros e questões relacionadas à exportação de grãos do país.

READ  Explosões abalam a capital ucraniana, Kyiv, após semanas de relativa calma

Iohannis, da Romênia, disse que o apoio deve incluir a oferta do status da Ucrânia como candidata na União Européia.

“Na minha opinião, o status de candidato deve ser concedido o mais rápido possível, é uma solução correta do ponto de vista moral, econômico e de segurança”, disse Yohannes, acrescentando que há esforços para encontrar uma solução prática para as diferenças entre as potências europeias.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

Reportagem e Redação Adicional de John Irish em Paris; Edição por Edmund Blair e Frank Jack Daniel

Nossos critérios: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.