Liam Cook: A inglesa treina a seleção brasileira feminina de críquete

Brasil conquistou o Campeonato Sul-Americano pela primeira vez em 2015

Liam Cook ficou no Brasil apenas algumas horas quando percebeu que o interesse pelo críquete poderia ser maior do que ele inicialmente pensava.

“Eu estava sentado em um café e vi uma camisa de críquete Somerset saindo da estrada”, diz ele. “Estava a pensar: não pode haver camisola Somerset em Poços de Caldas.”

“O cara acenou para mim. Ele tinha um Sea Overton nas costas da camisa. Eu pensei:” Aqui está, eu peguei de Devon e há um nome de menino Devon nas costas de sua camisa de críquete no Brasil. “

Trabalhar com a seleção feminina do Brasil não estava no topo da lista de resultados potenciais quando Cook, o jogador de críquete do clube, deixou o emprego em uma empresa de energia aos 26 anos em um esforço para construir uma carreira como treinador.

A oportunidade veio do Street Cricket Championship, em Londres, durante a Copa do Mundo Masculina 2019. Foi o que levou Cook, hoje com 32 anos, ao Brasil pela primeira vez em fevereiro, criando seu próprio projeto de coaching e trabalhando com a seleção feminina de Kent.

Seu primeiro vôo foi interrompido pela pandemia de coronavírus, mas ele está de volta no final do verão no Reino Unido. Embora a ideia geral seja dividir o tempo igualmente entre o trabalho em casa e o Brasil, os planos de deixar o cargo foram suspensos.

O único conhecimento prévio de Cook sobre o críquete brasileiro foi uma entrevista com Roberta Moretti Avery, a líder feminina, que solicitou treinamentos enquanto estava de férias no Reino Unido.

“Eu sabia que Roberta era uma boa jogadora, mas não tinha ideia de como os outros seriam”, disse Cook. “Quando os vi jogar, fiquei muito surpreso. Eles eram muito duros. Seus movimentos no boliche eram diferentes e todos sabiam como acertar a bola de forma longa.”

“Eles não pareciam perfeitos, mas o jogo muda do que parece bom para o que é eficaz.”

A mulher brasileira ocupa o 27º lugar no ranking mundial – excluindo as Índias Ocidentais, é o time mais bem colocado das Américas.

Em janeiro de 2019, 14 jogadores participaram Dados os contratos centrais Por Cricket Brasil. Eles treinam em Poços de Caldas, uma pequena cidade 250 quilômetros ao norte de São Paulo, onde o prefeito tem o prazer de investir no críquete e se orgulha de ter mais jogadores do que futebol.

Alguns jogadores estão sendo recrutados porque se destacaram em outros esportes. Outros foram apresentados ao jogo por meio de projetos em escolas e centros comunitários. Não se trata apenas do nível de elite, pois as crianças de todas as origens são incentivadas a brincar.

“Crianças que podem parar de fazer coisas que não deveriam, ficam depois da escola para jogar críquete”, diz Cook. “Quanto mais eles se envolvem, maiores são as chances de jogar, menos provável que eles se comportem no caminho errado.

“Um dos meninos, Derek, de 16 ou 17 anos, vem de uma origem difícil. Seus pais sempre entraram e saíram da prisão e tentaram evitar a escola o máximo possível.

“Ele só quer ir para a escola se souber que tem críquete à tarde. Ele foi a um jogo no fim de semana passado. Nessas três horas, ele tinha algo que realmente importava para ele.”

Quanto ao Brasil, eles estão trabalhando na classificação para a seção dos EUA nas eliminatórias da Copa do Mundo Feminina da FIFA 2022.

Nela, tiveram a ajuda da lenda sul-africana Jonti Rhodes, que foi nomeado treinador da equipa masculina sueca.

“Ele nos acompanhou nas redes sociais e comentou algumas das postagens”, explica Cook.

“Mandei uma mensagem para ele dizendo que estava contando às meninas a importância de ser o melhor jogador de campo. Perguntei se havia alguma oportunidade de ligar para o Zoom para falar sobre suas experiências e valores como jogador de campo.

“Fale sobre jogar pela África do Sul depois que eles foram excluídos do apartheid – como eles não tinham nada antes deles, porque ninguém nesta equipe tinha feito isso antes. Eles conseguiram fazer isso do seu jeito, com seus próprios valores, para ser o melhor e o mais apto.

“Ele vinculou isso ao Brasil. Iremos para as eliminatórias do T20 no próximo ano e ninguém em nossa equipe terá feito isso antes, então vamos fazer do nosso jeito e criar nossa própria cultura.”

Enquanto Cook negocia barreiras para treinar em português com a ajuda de algumas traduções de outros treinadores e jogadores que falam inglês, há também uma adaptação à vida no Brasil. Poços de Caldas não atraem muitos turistas estrangeiros, então o cozinheiro pode despertar a curiosidade local.

“Eu estava jantando em um restaurante e alguém me ouviu falando inglês”, diz ele. “Ele perguntou se eu estava jogando futebol e me convidou para um pentatlo com os amigos. Ele estava jogando pela esquerda, pela direita e pelo centro – o futebol poderia ser tão cheio.

“Depois disso, é um evento social – eles tomam uma cerveja e fazem um churrasco. Eles estavam perguntando sobre críquete. Eles não tinham ideia, mas sabiam o que era. Se depois disso continuarem contando para as pessoas, então postem o jogo.”

READ  Eliminatórias para a Copa do Mundo de 2022: Tudo o que você precisa saber | notícias de futebol

“Em Poços, as pessoas estão muito orgulhosas de que o centro de críquete esteja na cidade. Eles dizem coisas como:” Quando nos classificarmos para a Copa do Mundo, todos saberão sobre Poços. “

“Os habitantes locais veem o que está acontecendo de bom. Se você fosse passear pelo centro da cidade, certamente encontraria um garoto vestindo uma camiseta do Warwickshire ou do Essex porque o Lord’s Taverners Contêiner de remessa enviadoLink externo Cheio de equipamentos. “

Cook admite que a impressão que teve do Brasil – sol, praia e festas – fez um bom negócio quando decidiu se entregar ao críquete anônimo.

Agora, porém, o sonho do estilo de vida carnavalesco superou o desejo de deixar a marca do Brasil no cenário mundial de críquete.

“A vida real com que ele sonha é ir às eliminatórias da Copa do Mundo T20 no ano que vem, vestindo nossos kits e colocando em prática tudo o que trabalhamos”, diz Cook. “Esperamos surpreender algumas pessoas.”

O Brasil é o atual campeão sul-americano, tendo vencido um torneio que incluiu Argentina, Chile, Peru e México em 2019.

Daqui para frente, eles terão que conquistar o poder dos EUA, mas todas as nações à margem da elite feminina se inspiraram no Tailândia, Quem mais segurou os ombros na Copa do Mundo T20 deste ano.

“Os jogadores da Inglaterra e da Austrália são muito conhecidos aqui”, diz Cook. “O sonho dos nossos jogadores é entrar em campo com Heather Knight ou Meg Lanning.

“Quero ajudá-los a alcançar isso. Se definirmos isso como nosso objetivo, será um bom ponto de partida.”

Seleção Brasileira Feminina de Críquete
O Brasil tornou-se membro associado do Conselho Internacional de Críquete em 2003

Sobre o banner BBC iPlayerSobre o rodapé do iPlayer da BBC

READ  Portugal dissipou 0-2 e acabou gerando polêmica

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *