Juiz brasileiro suspende presidência da Petrobras por conflito de interesses

BRASÍLIA (Reuters) – Pietro Sampaio Mendes, presidente do conselho de administração da Petrobras, foi suspenso por um juiz brasileiro devido a um conflito de interesses relacionado ao seu cargo no Ministério de Energia, de acordo com uma decisão judicial vista pela Reuters. na quinta feira.

A Petrobras não respondeu imediatamente a um pedido de comentário sobre a decisão, ordenada pelo juiz paulista Paulo Cesar Neves Jr., que também ordenou a suspensão do pagamento de salários e salários a Mendes.

Além dos conflitos de interesses, a decisão também citou outras alegadas questões de incumprimento, incluindo a não utilização de um agente de recrutamento quando Mendez foi nomeado para o cargo.

A decisão ocorre depois que um tribunal de São Paulo suspendeu outro conselheiro, Sergio Machado Rezende, na segunda-feira por “suposto descumprimento das exigências do estatuto social da empresa na nomeação”, segundo comunicado da empresa.

Segundo a fonte da empresa, outros dois conselheiros também poderão ser destituídos por conflitos de interesse ou por não atenderem aos requisitos necessários para suas funções.

Os acionistas da Petrobras nomearam Mendes para esse cargo no ano passado.

O conselho anterior da empresa – escolhido pelo governo do ex-presidente de direita Jair Bolsonaro junto com um comitê interno – havia inicialmente decidido que Mendes e três outros membros do novo conselho eram inadequados, no caso de Mendes, citando sua função no ministério .

No entanto, os acionistas aprovaram as nomeações.

As decisões desta semana surgem à luz das crescentes tensões sobre a decisão do Conselho de Administração de reter dividendos extraordinários, contra a vontade do CEO Jean-Paul Prats, que apelou à distribuição de metade do montante disponível.

READ  Portugal 1-0 Bielorrússia - O pênalti de Fabio Vieira é a diferença nas eliminatórias para o Campeonato da Europa de Sub-21

O conflito sobre a distribuição de lucros levou a uma deterioração nas relações de Prats com o ministro da Energia do país e gerou rumores sobre a sua possível demissão.

Mas fontes disseram à Reuters na quarta-feira que a pressão sobre Prats diminuiu e que ele provavelmente permanecerá no cargo por enquanto.

(Reportagem de Ricardo Brito e Pedro Fonseca; texto de Sarah Moreland; edição de Valentin Hillier, Christopher Cushing e Lincoln Feast)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *