Homenagem a John Barnes, o mago do Liverpool que encantou o Brasil

John Barnes, do Liverpool, durante a partida da Primeira Divisão contra o Arsenal em Highbury, em Londres, em novembro de 1988. Crédito: Alamy

Os jogadores ingleses não deveriam marcar gols assim. E certamente não no Maracanã contra o poderoso Brasil.

A finalização de John Barnes, incluindo um sprint de 35 jardas em que John Barnes venceu cinco jogadores brasileiros com elegância, trabalho de pés rápido e um pouco de velocidade, fez do ala de 20 anos do Watford um nome familiar na Inglaterra.

“Lembro-me muito bem do que aconteceu, mas em termos de pensar no golo, como marquei o golo, não me lembro”, disse Barnes. Vigia Sobre a vitória da Inglaterra por 2 a 0 no Rio.

“Quando você marca um gol driblando, você não lembra porque é instintivo. Todas as voltas e reviravoltas, foi como uma experiência fora do corpo.”

Até então, ele não era um jogador comum. Sob a gestão de Graham Taylor, Barnes era um ala sensacionalmente direto, capaz de virar os defensores adversários do avesso como um par de jeans.

Mas aquela partida em maio de 1984 foi sua sexta participação pela Inglaterra. E Barnes certamente não era esperado para ameaçar a seleção brasileira que encantou a todos na Copa do Mundo de dois anos atrás.

Depois de acertar um passe de cima de Mark Hateley em seu peito, Barnes ficou na ponta esquerda e a cerca de 30 metros do gol, cortando por dentro o lateral-direito brasileiro Leandro.

Exibindo o desempenho habilidoso geralmente associado aos dançarinos, ele comandou toda a defesa do Brasil antes de finalizar o goleiro Roberto Costa.

Deliciosamente, Barnes também conseguiu satisfazer Costa com a menor finta antes de encaixar a bola na rede. Não é à toa que o Maracanã se levantou e aplaudiu. Afinal, o torcedor brasileiro conhece a bola.

Mas o ex-atacante desde então minimizou seu momento de fama instantânea. “Eu não sabia o que fiz até assistir mais tarde e pensar ‘Isso parece bom'”, disse Barnes em 2013.

“Ficou criativo porque foi no Maracanã, contra o Brasil, mas, para ser sincero, os brasileiros nunca se envolveram.

READ  Liga Brasileira de Futebol conta com 1190 Sports como consultora

Talvez eles pensassem que nenhum inglês poderia fazer isso. Também foi apenas um amistoso; Se fosse uma partida da Copa do Mundo, alguém teria agarrado meu pescoço.

“Depois de vencer um jogador, eu só queria passar a bola, mas eles me deixaram continuar. Então, depois de vencer três jogadores, pensei: ‘É assim que as coisas são agora, por favor, deixe-me dar a bola para outra pessoa ‘, até que no final, me vi diante de um goleiro.” O gol. Os brasileiros pareciam chocados.”

Certa vez, ele até afirmou ter marcado um gol melhor para o Watford contra o Rotherham. Claro, esta é uma reação a um rali internacional que, tirando o Rio, sempre pareceu um pouco abaixo do esperado.

Francamente, esperava-se que Barnes repetisse o gol do Brasil toda vez que vestisse a camisa da Inglaterra. Mas estávamos na década de 1980, quando o 4-4-2 era ensinado no currículo escolar e Barnes mal tocava na bola enquanto estava amarrado na lateral esquerda.

“Mudei a percepção das pessoas sobre mim”, disse Barnes em 2009. “Também mudei as expectativas das pessoas sobre mim todas as vezes que joguei pela Inglaterra depois disso.”

• • • •

Lenda do Liverpool, John Barnes Crédito: Alamy

Lenda do Liverpool, John Barnes Crédito: Alamy

Leia: John Barnes: Eu estava gravando World In Motion e Anfield Rap

• • • •

Seu outro grande momento internacional foi como reserva nas quartas de final da Copa do Mundo de 1986 contra a Argentina. Com a Inglaterra perdendo por 2 a 0, Barnes marcou um gol e tirou de posição uma intimidante defesa argentina.

Mas 15 minutos no Estádio Azteca foi a única aparição de Barnes na Copa do Mundo. Pensamento reativo e táticas sufocantes o impediram de replicar seu próprio Maracanã.

Liverpool

Felizmente, Barnes não teve tais problemas no Liverpool. Contratado por Kenny Dalglish em 1987, o astro jamaicano foi uma sensação durante seus primeiros quatro anos em Anfield.

READ  Evans continua no comando da vitória da torcida portuguesa

Com a inteligência posicional de Peter Beardsley permitindo que ele e Barnes dobrassem sobre seus oponentes, além da habilidade incomparável de John Aldridge de ler as entregas de Barnes na área, ele prosperou em um trio que marcou 64 gols em sua primeira temporada juntos.

O drible agitado que os torcedores da Inglaterra tanto desejam de Barnes agora é familiar em Merseyside.

Barnes prosperou em um clube que se orgulhava de passar o futebol, livre das restrições do dever inglês. Sua capacidade de passar pelos defensores e passar pelas marchas em milissegundos o tornou um dos jogadores mais atraentes da Europa.

Seu segundo gol na derrota por 4 a 0 sobre o QPR, líder da liga, em outubro de 1987, foi um exemplo perfeito.

Depois de pressionar a bola no meio-campo, Barnes acelerou ao se aproximar da área com os zagueiros ingleses Terry Fenwick e Paul Parker se aproximando.

Mas sua diligência defensiva foi em vão. Barnes abriu espaço entre eles como se estivesse cruzando o Mar Vermelho antes de cortar a mão esquerda estendida de David Seaman. Todo o movimento continha uma espécie de magia não vista fora de Hogwarts.

“Toda vez que os prospectos escorregam, tento passar a bola para longe deles, enfrentar o desafio e recuperar o equilíbrio e a bola do outro lado”, explicou Barnes em sua autobiografia, fazendo sua arte parecer mais fácil do que descer escadas.

“Depois de empurrar a bola para longe de Fenwick, acertei e devolvi a bola com o pé esquerdo em um único movimento. Foi difícil ver por que não caí.”

Pé esquerdo ou pé direito, o produto final sempre foi o mesmo. O Liverpool conquistou dois títulos da liga e uma FA Cup com Barnes, enquanto o capitão saía de sua posição inicial na esquerda quando as outras alas estavam coladas na linha lateral.

A marca mais alta de Barnes e Liverpool veio na derrota por 5 a 0 sobre o terceiro colocado Brian Clough Floresta de Nottingham Em abril de 1988, o lendário jogador de futebol inglês Tom Finney disse: “Em todo o meu tempo como jogador e espectador, esta foi a melhor exibição de futebol que já vi.”

READ  A Câmara dos Deputados forma um subcomitê para regular as apostas esportivas

E no centro de tudo estava Barnes, aplicando flashes de gênio à obra-prima do Liverpool que se tornou uma de suas melhores performances de todos os tempos. Não é à toa que ele foi nomeado Jogador do Ano e Prêmio de Escritores de Futebol naquela temporada.

amnésia

Infelizmente para Barnes, ele estava no auge de seu profissionalismo quando o futebol inglês estava em seu nadir.

A proibição europeia afetou a qualidade do futebol inglês com o estilo do Liverpool – um legado da chuteira de Anfield e transmitido como uma herança de família – a exceção e não a regra.

E Barnes, como o resto de Liverpool, esmagou Hillsborough. Ele abandonou o jogo da Inglaterra nas semanas após o desastre, depois de assistir a uma série de funerais comoventes e comoventes.

Ele desempenhou um papel não intencional no famoso gol da vitória de Michael Thomas, optando por atacar depois de levar a bola para um escanteio e Kevin Richardson roubá-la para permitir Arsenal para lançar um ataque final.

Barnes parecia um homem quebrado no apito final. Sua carreira nunca mais igualaria os picos do final dos anos 1980, mas após uma série de lesões ele usou sua inteligência futebolística para se reinventar como meio-campista.

Mas o auge do Liverpool Barnes foi único. Um belo e corajoso jogador de futebol de talento temível que pode ter chegado cedo demais.

Esqueça que os gols do Maracanã nunca podem ser marcados toda semana; Barnes merece ser lembrado como um dos grandes nomes do futebol inglês.

Escrito por Michael Lee

Leia o seguinte: Liverpool e conquistou o ímpar hexágono de 97 jogadores no meio da temporada

tRY Um teste: Você pode citar os 30 maiores artilheiros do Liverpool na era da Premier League?

Artigo Homenagem a John Barnes, o mago do Liverpool que encantou o Brasil Ele apareceu pela primeira vez em Planetfootball.com.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *