Haddad mira os “ultra-ricos” na reunião do G20

O Ministro das Finanças, Fernando Haddad, disse aos seus homólogos numa reunião do G20 na quarta-feira que “não há vencedores” na actual “crise de globalização” e apelou a mais impostos sobre aqueles que descreveu como os “ultra-ricos”.

“Chegámos a uma situação insustentável, onde 1% dos mais ricos possuem 43% dos activos financeiros mundiais e emitem a mesma quantidade de carbono que os dois terços mais pobres da humanidade”, disse Haddad numa reunião de ministros das Finanças em São Paulo. Através de videoconferência.

“À medida que a hiperfinanciarização avança a um ritmo rápido, um sistema offshore complexo é concebido para proporcionar aos ricos formas crescentes de evasão fiscal”, acrescentou. Essas tendências atingiram o pico na crise financeira de 2008, disse ele.

“Embora reconheçamos o progresso que foi feito na última década, devemos reconhecer que ainda precisamos de fazer com que os multimilionários do mundo paguem a sua justa parte dos impostos”, acrescentou Haddad.

Haddad e a administração de Luiz Inácio Lula da Silva conseguiram recentemente promulgar políticas para impor impostos aos ricos no Brasil.

No final de 2023, o presidente Lula da Silva assinou um projeto de lei para impor um imposto sobre investimentos offshore e fundos de investimento utilizados por pessoas ricas. Na semana passada, o governo limitou os fundos de pensão exclusivos para famílias ultra-ricas a até R$ 5 milhões (US$ 1 milhão) em saldos individuais, uma ferramenta para evitar a evasão fiscal de investimentos offshore que migram para esses fundos de pensão.

O secretário do Tesouro Nacional, Rogério Ceron, disse no início deste mês que as receitas dos fundos de investimento estavam “vindo com força”. Receita federal Atingiu o recorde de R$ 280,6 bilhões (US$ 56,5 bilhões) Em Janeiro, um aumento de 6,6 por cento em termos reais face ao ano anterior. Cerca de R$ 4 bilhões vieram do imposto de renda sobre ganho de capital, a maior parte proveniente de fundos exclusivos.

Em Outubro, o Observatório Fiscal financiado pela UE Ele pediu um imposto de 2 por cento Sobre a riqueza de 2.700 bilionários no mundo, que arrecadarão pelo menos US$ 214 bilhões anualmente. Haddad não se referiu a esta proposta, mas apelou aos países do G20 para “avançarem nas negociações em curso na Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico e nas Nações Unidas”.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *