Funcionários afegãos da ONU foram instruídos a ficar em casa, pois o Talibã citou uma proibição da ONU às mulheres

NAÇÕES UNIDAS/CABUL, 4 Abr (Reuters) – A Organização das Nações Unidas disse a cerca de 3.300 funcionários afegãos para não trabalharem no Afeganistão nos próximos dois dias, depois que autoridades do Taleban indicaram na terça-feira que implementariam uma proibição de mulheres afegãs trabalharem no país. . corpo mundial.

A porta-voz da ONU, Stephane Dujarric, disse a repórteres em Nova York que funcionários da ONU no Afeganistão “receberam uma ordem das autoridades de fato impedindo o trabalho de funcionárias nacionais femininas nas Nações Unidas”.

Ele disse que a ONU está estudando as antiguidades e se reunirá com funcionários do Ministério das Relações Exteriores afegão em Cabul na quarta-feira para buscar mais esclarecimentos. Cerca de 400 mulheres afegãs trabalham para as Nações Unidas

Duas fontes da ONU disseram à Reuters que as preocupações com a aplicação da lei levaram a organização a pedir a todos os funcionários – homens e mulheres – que não trabalhassem por 48 horas. Sexta-feira e sábado são normalmente os dias de fim de semana no Afeganistão, o que significa que a equipe da ONU não estará de volta até domingo, no mínimo.

A Missão das Nações Unidas no Afeganistão (UNAMA) na terça-feira expressou preocupação em impedir que funcionárias do sexo feminino na província oriental de Nangarhar venham trabalhar.

“Muito mais comunicados oficiais foram feitos em (capital da província de Nangarhar) Jalalabad. Fomos informados por vários canais que isso se aplica a todo o país”, disse Dujarric, acrescentando que não havia nada por escrito.

“Funcionários do sexo feminino são essenciais para as Nações Unidas fornecerem assistência para salvar vidas”, disse ele, acrescentando que cerca de 23 milhões de pessoas – mais da metade da população do Afeganistão – precisam de assistência humanitária.

READ  Deixe a Turquia na UE se quiser a Suécia na OTAN - DW - 10/07/2023

A administração do Talibã e o Ministério da Informação afegão não responderam imediatamente aos pedidos de comentários.

valores de financiamento?

O secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, condenou a imposição da proibição em Nangarhar, postando no Twitter: “Se esta medida não for revertida, ela inevitavelmente prejudicará nossa capacidade de fornecer ajuda vital para as pessoas que dela precisam”.

A administração talibã, que assumiu o poder depois que as forças lideradas pelos Estados Unidos se retiraram do Afeganistão após 20 anos de guerra, diz que respeita os direitos das mulheres de acordo com sua estrita interpretação da lei islâmica.

Desde a derrubada do governo apoiado pelo Ocidente em Cabul, o Talibã reforçou os controles sobre o acesso das mulheres à vida pública, inclusive impedindo que as mulheres frequentem a universidade e fechando a maioria das escolas secundárias para meninas.

Em dezembro, as autoridades do Talibã proibiram a maioria das trabalhadoras humanitárias de trabalhar, o que, segundo elas, dificultou o acesso às mulheres necessitadas e pode levar os doadores a interromper o financiamento.

As restrições inicialmente não se aplicavam às Nações Unidas e a algumas outras organizações internacionais. Em janeiro, a secretária-geral adjunta da ONU, Amina Mohammed, citou preocupações de que as autoridades possam impor as próximas restrições ao trabalho das mulheres afegãs em organizações internacionais.

Não ficou imediatamente claro se as embaixadas estrangeiras em Cabul receberam instruções semelhantes em relação ao pessoal feminino.

A proibição de funcionárias afegãs da ONU pode representar desafios significativos para a continuação das operações da ONU no Afeganistão. A Carta de fundação das Nações Unidas estipula que não haverá restrições à elegibilidade de homens e mulheres para servir nas Nações Unidas

READ  Rússia move exercícios navais devido a preocupações irlandesas

Os funcionários da ajuda também citaram o risco de os países doadores cortarem o financiamento devido à frustração com as restrições às mulheres, à medida que outras crises internacionais continuam.

As Nações Unidas lançaram seu maior apelo de ajuda a um único país de todos os tempos, solicitando US$ 4,6 bilhões em 2023 para assistência no Afeganistão. Até agora, foi financiado com menos de 5%.

Reportagem adicional de Charlotte Greenfield e Michelle Nichols; Edição por Frank-Jacques Daniel, Mark Heinrichs e Josie Kao

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *