Físicos detectam indícios de uma partícula misteriosa chamada ‘Glueball’

Os cientistas há muito procuram “bolas de cola”, estados associados a átomos subatômicos Galão Partículas por si só, sem qualquer Partículas subatômicas incluído. Agora, podemos tê-los encontrado, escondidos numa experiência com acelerador de partículas.

Promete ser um avanço muito significativo na física, mas para o benefício de todos que não têm doutorado no assunto, começaremos do início. A principal função dos glúons é manter os quarks no lugar e manter os átomos estáveis. Quarks são os blocos de construção que constituem os prótons e os nêutrons.

Este papel torna o glúon parte da força nuclear forte, uma das quatro forças fundamentais da natureza que unem as leis da física, juntamente com a gravidade, o eletromagnetismo e a força nuclear fraca.

Colisor de elétrons-pósitrons II de Pequim. (Academia Chinesa de Ciências)

Esperamos que você ainda esteja conosco agora. Até agora, as bolas de cola eram apenas hipóteses teóricas que os físicos acreditam existir – porque os glúons deveriam ser capazes de se unir – e não algo que realmente foi observado.

Os glúons individuais não possuem matéria, apenas carregam força, mas as bolas de cola possuem massa resultante das interações dos glúons. Se pudermos descobri-los, será outra indicação de que a nossa compreensão atual da forma como o universo funciona, também conhecido como Modelo Padrão de Física de PartículasRealmente verdade.

E assim por diante para experimentos Colisor de elétrons-pósitrons II de Pequim Na China. O colisor foi usado para esmagar mésons, partículas compostas de quarks e antiquarks mantidas unidas pela força nuclear forte.

Ao examinar os detritos subatômicos gerados por essas sessões de destruição de partículas — e estamos falando de uma década de dados que incluem cerca de 10 bilhões de amostras — os pesquisadores conseguiram ver evidências de partículas com massa média de 2.395 MeV/c.2. Esta é a massa que se espera que as bolas de cola tenham.

READ  O gato de Schrödinger mais pesado foi obtido colocando um pequeno cristal em uma superposição de dois estados de oscilação

A partícula em questão chama-se X(2370) e, embora alguns dos outros cálculos envolvidos não correspondam exatamente ao que os investigadores procuravam, não estão muito longe. Mais medições e mais observações serão necessárias para obter uma resposta definitiva.

Portanto, ainda não há provas completas da existência de bolas de cola, mas as evidências estão começando a aumentar. Em 2015, os cientistas também pensaram ter visto bolas de cola. Em pouco tempo, outra partícula poderá dar o salto do teórico para o real.

Grande parte desta investigação científica foi possível graças aos avanços contínuos nas técnicas matemáticas e no poder computacional – necessários para calcular o enorme número de possíveis reações e evoluções específicas, que podem ter surgido de uma bola de cola.

Além disso, temos agora o equipamento e as ferramentas necessárias para investigar o funcionamento básico do mundo natural e para produzir os milhares de milhões de estados moleculares necessários para descobrir algo tão raro e exótico como uma bola de cola.

A pesquisa foi publicada em Cartas de revisão física.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *