Factos-Quem são os candidatos que concorrem às eleições antecipadas em Portugal?

(Reuters) – Portugal realiza eleições gerais antecipadas no domingo, que provavelmente resultarão em um Parlamento suspenso e darão mais influência política à extrema direita.

As sondagens de opinião indicam que nenhum dos principais candidatos – o Partido Socialista, que recebeu cerca de 28% dos votos, ou a Aliança Democrática, que recebeu mais de 30% – obterá uma maioria parlamentar funcional.

Abaixo estão fotos dos partidos mais proeminentes e seus líderes:

Partido Socialista (PS), titular

O Partido Socialista de centro-esquerda é uma força dominante na política portuguesa e está no governo há mais tempo desde a queda da ditadura fascista em 1974.

O governo, que está no poder desde finais de 2015, comprometeu-se a aumentar o salário mínimo e a promover projectos industriais para criar oportunidades de emprego e aumentar a competitividade.

Pedro Nuno Santos, um economista formado de 46 anos, tornou-se o novo líder do partido depois de o primeiro-ministro António Costa se ter demitido em Novembro, no meio de uma investigação sobre alegadas irregularidades na gestão de grandes projectos de investimento pelo seu governo.

Nuno Santos está associado à ala esquerda do Partido Socialista, mas a sua rica origem familiar valeu-lhe a alcunha de “Esquerdista Caviar”. Ele admitiu em 2018 que vendeu seu carro esportivo Porsche porque “não era certo” possuir um.

Ele se descreveu como “neto de sapateiro e filho de empresário” para mostrar que entende os desafios que os trabalhadores e as empresas enfrentam.

Como ministro júnior, coordenou com sucesso o apoio ao primeiro governo Costa com o Partido Comunista de extrema esquerda e o Bloco de Esquerda em 2015-2019.

Tornou-se então Ministro da Habitação e Infraestruturas, período durante o qual enfrentou críticas públicas por não ter conseguido lidar com o aumento dos preços da habitação no meio de um boom turístico. Ele renunciou no final de 2022 devido a um escândalo envolvendo grandes verbas rescisórias pagas pela companhia aérea estatal TAP, que ele supervisionava.

Aliança Democrática (AD) PSD, CDS-PP, PPM

A coligação recém-formada inclui o Partido Social Democrata de centro-direita – o principal rival tradicional dos Socialistas – e dois partidos conservadores que não têm representação parlamentar.

O líder do Partido Social Democrata, Luis Montenegro, é o candidato.

Com promessas de cortes de impostos para a classe média e as empresas, o advogado de 51 anos e antigo salvador espera devolver o seu partido ao poder depois de ter sido deposto em 2015, depois de presidir a um período de austeridade dolorosa ditado pelos termos do governo. Plano de resgate internacional.

Montenegro fechou um acordo com partidos mais conservadores numa tentativa de conter a rápida ascensão do partido de extrema-direita Ceja, que poderá tornar-se um fazedor de reis no novo parlamento.

Ele rejeitou a proposta de Chiga de negociar uma coligação pós-eleitoral e descartou qualquer dependência do apoio de Chiga para governar, embora as sondagens de opinião sugerissem que apenas a direita combinada, incluindo Chiga, obteria a maioria parlamentar.

Shiga (“suficiente”)

Criado há apenas cinco anos, o populista anti-sistema Partido Chiga tornou-se a terceira maior força parlamentar nas eleições de 2022, com 7% dos votos, e as sondagens de opinião mostram que desta vez poderá quase triplicar esse resultado.

Seu líder, André Ventura, de 41 anos, já treinou para ser padre e se formou em direito, mas ganhou fama como comentarista esportivo de televisão. É um antigo membro da Direcção de Segurança Pública que ganhou notoriedade em 2018 pelas suas declarações inflamatórias contra a comunidade cigana local.

Um ano depois, fundou Chiga, apelando a punições mais duras para os criminosos, incluindo a castração química para violadores reincidentes, o fim da política de imigração de “portas abertas” de Portugal e o impeachment do Partido Socialista e do Partido Social Democrata que governaram Portugal nos últimos 50 anos. anos, perpetuando a corrupção.

As sondagens mostram um apoio crescente ao Chega entre os jovens devido à sua atividade em redes sociais como Instagram e Tik Tok.

Iniciativa liberal

O partido de centro-direita, favorável às empresas, apoia reformas económicas, redução de impostos e redução da burocracia. As pesquisas de opinião esperam que a sua taxa de apoio atinja cerca de 5%, em linha com os resultados para 2022.

Bloco de esquerda

Longe do pico de popularidade que lhes deu 19 assentos parlamentares em 2015 e 2019, o partido de extrema esquerda conquistou apenas cinco assentos em 2022, com 4,4%, mas pode ganhar mais alguns assentos agora.

Liderado pela economista Mariana Mortágua, de 37 anos, o partido defende um Estado-providência mais forte, controlo de rendas, impostos sobre os ricos e as grandes corporações, e fez aberturas para se aliar ao Partido Socialista.

partido Comunista

Ela já foi uma grande força na política portuguesa, mas obteve apenas 4,3% em 2022 e as pesquisas mostram que o seu apoio caiu ainda mais depois que o veterano líder Jerónimo de Sousa foi substituído pelo pouco conhecido ex-padeiro Paulo Raimondo, 47, em 2022.

Fígado

O Partido da Esquerda parece pronto para acrescentar um ou dois assentos adicionais ao que conquistou em 2022.

PAN (Pessoas, Animais e Natureza): Na melhor das hipóteses, o partido de esquerda deverá eleger novamente um único legislador.

(Reportagem de Patricia Vicente Roa; edição de Andrei Khalip, Josie Kao e Chizuo Nomiyama)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *