Exercício na Europa: quais países têm mais e menos atividade física?

Todos sabemos que a atividade física regular na forma de exercício ou esporte é essencial para melhorar a saúde física e mental. Entre outros benefícios, apoia o desempenho cognitivo e o bem-estar.

No entanto, a prevalência da falta de atividade física permanece alta na Europa. Quase metade da população da União Europeia (45 por cento) relatou que nunca se exercita ou pratica esportes.

Um relatório conjunto da Organização Mundial da Saúde (OMS) e da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) afirma que o aumento da atividade física pode prevenir milhares de mortes prematuras na União Europeia e economizar bilhões de euros em gastos com saúde anualmente.

Mas quais países são os mais e menos ativos fisicamente na Europa? Quais são as principais razões pelas quais as pessoas não se exercitam com mais regularidade? Como idade, gênero e educação afetam o exercício e a participação em esportes? Qual é o ônus econômico da atividade física insuficiente? E como a pandemia do COVID-19 afetou as rotinas de exercícios das pessoas?

Pesquisa abrangente do Eurobarômetro sobre participação esportiva e atividade física na UE e nos estados membros da UE Relatório da Organização Mundial da Saúde e da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico Intitulado Step Up! Abordando a carga inadequada de atividade física na Europa, responde a todas essas perguntas.

Em 2016, mais de um em cada três (35,4 por cento) adultos em 27 estados membros da UE eram insuficientemente ativos, de acordo com o conjunto de dados da OMS. Isso variou de 19% na Finlândia a 46% em Portugal.

A atividade física insuficiente foi particularmente prevalente em alguns países do sul da Europa e menos frequente nos países do norte da Europa. A taxa mais baixa foi de 18% na Rússia.

READ  Copa do Mundo Feminina 2023: todas as listas anunciadas até agora

A pesquisa Eurobarômetro, realizada em abril e maio de 2022, fornece dados muito recentes sobre esporte e atividade física na União Europeia.

Quando os residentes da UE foram questionados com que frequência se exercitavam ou participavam de esportes, quase metade (45%) relatou que nunca o havia feito. Quase um em cada cinco (17 por cento) disse que raramente se exercita ou se exercita.

Quase um terço dos entrevistados (32 por cento) fazia isso regularmente, enquanto apenas 6 por cento o fazia regularmente.

Significa qualquer forma de atividade física que as pessoas praticam em um contexto esportivo ou ambiente relacionado ao esporte, como natação, treinamento em um centro esportivo ou clube esportivo ou corrida em um parque.

Portugal tem a taxa mais alta de “nunca esportes” em 75 por cento.

Os países nórdicos apresentam os valores mais baixos com apenas 8 por cento na Finlândia, seguidos da Suécia (12 por cento) e Dinamarca (20 por cento). Essa taxa é de 32% na Alemanha e de 45% na França.

Mulher, mais velha, menos escolarizada ou mais pobre? menos exercício

A pesquisa revela que gênero, idade, educação e situação econômica estão associados à prática de esportes na União Europeia.

Mulheres e adultos mais velhos são menos propensos a participar de esportes ou exercícios regulares, assim como pessoas de grupos socioeconômicos mais baixos.

Os homens são mais propensos do que as mulheres a se exercitar ou se exercitar regularmente: 40% deles dizem que “nunca se exercitam” ou se exercitam, em comparação com 49% das mulheres.

Pessoas entre 15 e 24 anos são mais propensas a se exercitar ou praticar esportes com alguma regularidade (54%). Essa porcentagem diminui com a idade, caindo de 42% entre os 25 a 39 anos para 32% no grupo de 40 a 54 anos e 21% entre os 55 anos ou mais.

READ  Entrevista exclusiva com Bruno Lage: treinador do Wolverhampton sobre a derrota do Arsenal, a mudança de função de Raul Jimenez e a exigência de mais | notícias de futebol

Enquanto 31% daqueles que continuaram seus estudos até os 20 anos ou mais relataram nunca ter se exercitado, isso foi de 74% entre aqueles que abandonaram a escola aos 15 anos ou antes.

Incentivos ao exercício e à participação desportiva

Mais de metade dos europeus (54 por cento) afirma que pratica desporto ou atividade física para melhorar a sua saúde, muito mais do que qualquer outra razão.

Cerca de quatro em cada dez praticam esportes ou outras atividades físicas para melhorar a forma física (43%) ou para relaxar (39%).

Pelo menos um quarto dos entrevistados disse que sua motivação era se divertir (27%), melhorar o desempenho físico (27%) ou controlar o peso (25%).

Por que os europeus não se exercitam mais?

A falta de tempo é de longe o principal fator que impede as pessoas em toda a UE de praticar desporto com mais regularidade.

Enquanto 41 por cento disseram que não praticam esportes com mais regularidade devido à falta de tempo, um quarto (25 por cento) disse que não tem motivação ou interesse.

Como o vírus Corona afetou o ritmo de participação e exercício?

Um terço (34%) dos entrevistados disse que continuou a praticar atividades físicas, incluindo a participação em esportes, mas em um ritmo menor, durante o COVID-19.

Quase um em cada cinco (18%) interrompeu a atividade física durante a pandemia.

Um terço dos participantes (34%) disse que estava fisicamente ativo no mesmo nível durante o COVID-19 como antes.

O fardo econômico da atividade física insuficiente

A OCDE estima que o aumento da atividade física poderia economizar € 7,7 bilhões por ano em paridade do poder de compra (PPC) em gastos com saúde se todos fizessem pelo menos 150 minutos de atividade física por semana.

READ  Onde encontrar portugal vs alemanha na tv americana e ao vivo

Grande parte da carga ocorre em países com alta densidade populacional e altos níveis de gastos com saúde, como Alemanha (€ 2,1 bilhões), Itália (€ 1,3 bilhão) e França (€ 1,1 bilhão).

O relatório da OMS-OCDE constatou que, se todos atingissem o nível recomendado pela OMS de 150 minutos de atividade física de intensidade moderada por semana, eles:

• Prevenir mais de 10.000 mortes prematuras (pessoas entre 30 e 70 anos) anualmente.

• Aumentar em 7,5 meses a expectativa de vida das pessoas atualmente insuficientemente ativas e em cerca de dois meses a expectativa de vida da população em geral.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *