Enviado do Brasil se encontra com Putin para avançar negociações de paz na Ucrânia – CNN Brasil

BRASÍLIA (Reuters) – O presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, enviou seu principal assessor de política externa para falar com o líder russo, Vladimir Putin, sobre possíveis negociações de paz para encerrar a guerra na Ucrânia, informou a CNN Brasil nesta segunda-feira.

“Seria exagero dizer que as portas estão abertas (para negociações de paz), mas não é correto dizer que estão completamente fechadas”, disse o enviado Celso Amorim à CNN Brasil em entrevista publicada em seu site.

Amorim, que serviu como ministro das Relações Exteriores de Lula de 2003 a 2010, disse que se encontrou com Putin por uma hora na quinta-feira no Kremlin como parte da visita não anunciada anteriormente.

Dois funcionários do governo disseram à Reuters que Amorim parou em Paris no caminho de volta ao Brasil, mas não forneceu detalhes de seus compromissos lá.

O Itamaraty não quis comentar a viagem de Amorim. O gabinete do presidente não respondeu a um pedido de comentário.

Lula propôs formar um grupo de países para mediar as negociações de paz entre a Rússia e a Ucrânia na guerra que dura mais de um ano.

Amorim disse que almoçou com o chanceler russo, Sergei Lavrov, que visitará Brasília no dia 17 de abril, e foi recebido pelo secretário do Conselho de Segurança, Nikolai Patrushev, e pelo assessor de Assuntos Internacionais, Yuri Ushakov.

“Não existe bala de prata. Mas chegará um momento em que, de um lado ou de outro, haverá a percepção de que o custo da guerra – não apenas o custo político, mas o custo humano e econômico – será maior do que o custo das concessões necessárias para a paz”, disse Amorim à CNN Brasil. “.

READ  Protestos em massa no Brasil pedem impeachment de Bolsonaro | Brasil

“Minha sensação é que este momento ainda não chegou, mas pode chegar mais cedo do que o esperado”, acrescentou.

(Reportagem) Por Anthony Bodel e Lisandra Paraguaso; Edição por Brad Haynes e Jonathan Otis

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *