Enfermeiras exaustas do A&E do Algarve alertam ‘Vamos cometer erros …’

Enfermeiras exaustas do A&E no Algarve assinaram os seus nomes numa carta a pedir “que as exonerem da responsabilidade pelo que possa acontecer aos doentes”.

Para endereçar a carta aos chefes do Hospital de Faro, 65 dos 72 enfermeiros em serviço afirmam simplesmente não existir “condições” para prestar cuidados de enfermagem com segurança.

Não é apenas uma questão de cansaço devido à época alta, quando o número de mortos em Faro sobe para cerca de 300 por dia (para além da procura criada pela pandemia). Também se deve a uma “deficiência nas proporções enfermeiros / pacientes e enfermeiros / médico”.

A carta alerta que o enfermeiro vai acabar cometendo erros, enquanto os “tempos de espera” por atendimento serão maiores do que deveriam.

As restrições na secção A&E de Faro são habituais (clique aqui). A situação este ano pode ser pior do que o “normal”. Mas a “desculpa” dada pelas autoridades é certamente a mesma.

O lema oficial é que não há enfermeiras suficientes para todos.

Depois dos anos da troika em que as enfermeiras emigraram em massa (de facto, foram positivamente encorajadas a fazê-lo), Portugal chegou a uma situação de vazio.

Segundo Mariana Santos, Chefe de Enfermagem do CHUA (Centro Hospitalar Universitário do Algarve), embora isto seja “assustador” “é claro que todos os doentes receberão atenção de acordo com as suas necessidades”.

Esta última confirmação veio em uma entrevista a vários canais de notícias. Foi em grande parte destruído por Anna Rita Cavaco, chefe do sindicato das enfermeiras, que insiste que o serviço “não tem colegas suficientes para cuidar da vida de todos que vêm em busca de cuidados de saúde”.

Uma reportagem da RTP news explica como a vida de alguns pacientes fica paralisada por “dias e dias”; Outros são deixados em macas nos corredores por muito tempo, enquanto até o processo de liberação de pessoas é dificultado.

A rádio TSF afirma que a “situação” preocupou tanto os funcionários do Hospital de Faro que enviaram emails a quase todos os licenciados em enfermagem do país a pedir-lhes que viessem trabalhar no Algarve.

“Os esforços de recrutamento foram longe demais”, diz o canal de notícias. “A administração do hospital diz ter enviado um pedido de ajuda ao Cônsul de Espanha e ao Sindicato dos Enfermeiros de Espanha, para tentar encontrar profissionais que queiram trabalhar no Algarve …”

No entanto, os Correios do Algarve sugerem que existe um outro lado desta história. De acordo com a internet, o tratamento que Mariana Santos dispensou às enfermeiras, desde que elas anunciaram sua provação, tem sido “inapropriadamente ameaçador”. Esta afirmação vem de Ana Rita Cavaco que afirma que a Sra. Santos ficou incomodada com a forma como as enfermeiras “expuseram os problemas e disseram a verdade” sem “respeitar” a hierarquia, ou seja, o CHUA.

[email protected]

READ  O Momento de Todos do PokerStars: Portugal e França se preparam para uma segunda partida na final do Euro 2016

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *