Crise de saúde no Brasil está obrigando o Santander a recuar

São Paulo (Reuters) – Há menos de um mês, o Banco Santander Brasil tinha quase 65% de seus funcionários em seus escritórios, enquanto os dois maiores bancos do Brasil mantinham quase todos os bancos trabalhando em casa.

Foto de arquivo: Edifício do Banco Santander em São Paulo, Brasil, em 9 de janeiro de 2019. REUTERS / Amanda Perobelli

Agora, sob pressão de trabalhadores e autoridades de saúde, a unidade brasileira do banco espanhol Santander pede que seus funcionários fiquem em casa.

A queda no Santander Brasil é o mais recente sinal de tensão entre a ânsia das empresas em reabrir seus escritórios e o aumento do risco de infecção à medida que a crise do coronavírus se agrava no Brasil.

“Não há mais leitos nos hospitais, então os bancos estão mandando trabalhadores para casa”, disse Ivone Silva, presidente do sindicato dos bancos da região de São Paulo.

O Santander Brasil disse em nota ao sindicato nesta quarta-feira que vai reduzir o tamanho das equipes de trabalho em sua sede, mas não revelou o quanto.

“Depois de muita pressão, o Santander reduziu o número de funcionários em seus escritórios para cerca de 30%”, disse Silva.

O Santander Brasil não quis comentar se a mudança foi feita sob pressão. Em um memorando interno aos trabalhadores, disse que estava evacuando seus prédios devido ao surto.

O CEO do banco brasileiro Sergio Real tem criticado abertamente trabalhar em casa, dizendo que está impedindo que a cultura da empresa se espalhe.

“Não é uma panacéia e nada é transformador como você imagina”, disse ele em uma das conferências do grupo.

READ  5 razões pelas quais Portugal ganhou o torneio

Os bancos estão entre os maiores empregadores do Brasil e 450.000 pessoas trabalham em instituições financeiras, em funções que vão desde cambistas, comerciantes e banqueiros de investimento.

Na Espanha, uma terceira onda da pandemia de coronavírus também forçou o Santander a mandar trabalhadores para casa novamente, reduzindo o número de funcionários de escritório para 30-40% em janeiro e fevereiro de 50-60% em dezembro.

Um porta-voz disse que desde então voltou aos níveis de dezembro.

Teletrabalho “não disponível”

O Santander Brasil não está sozinho na necessidade de revisar seus planos.

Matthews Carneiro, Sócio do BTG e Chefe de Recursos Humanos, disse à Reuters que o Banco BTG Pactual também desistiu de retornar 30% de seus funcionários para sua sede em São Paulo nas últimas semanas, reduzindo esse número para apenas 10%.

Mesmo com protocolos de saúde em vigor no consultório, o trabalho remoto é “inevitável” por enquanto, disse Carneiro, citando as altas taxas de infecção e o sistema de saúde brasileiro sobrecarregado.

Quem trabalha nos escritórios do maior banco de investimento independente da América Latina é testado duas vezes por semana, disse Carneiro, e deve estar a uma distância social dos colegas.

“Agora é uma questão de segurança”, disse Carneiro, acrescentando que o banco espera que apenas 15% a 30% dos seus 3.800 funcionários atuem no longo prazo, já que a presença física é importante para mentoria e banco de investimento.

O presidente brasileiro Jair Bolsonaro, que minimizou a pandemia por meses, descreveu a prática do CEO cessante Roberto Castillo Branco em administrar a empresa de petróleo remotamente como “inaceitável”.

“Ainda temos algumas empresas de estilo de gestão muito controladoras que querem seus funcionários próximos a elas”, disse Tatiana Iwai, professora de cultura do trabalho na Inspire Business School, subsidiária de empresas brasileiras de médio porte.

READ  Fucruz aplica primeiras doses da vacina Oxford da Índia | Rio de Janeiro

No entanto, o Banco Bradesco SA e o Itaú Unibanco Holding SA mantiveram 94% e 97% dos funcionários trabalhando em casa. Executivos disseram neste mês que não apreciam o retorno ao escritório, mas planejam adotar o trabalho remoto em meio período quando a pandemia passar.

Na Europa, HSBC, Lloyds, Nationwide e Santander UK disseram que reduziriam o espaço dos escritórios e misturariam o trabalho em casa com o escritório.

O sindicato dos bancários do Brasil disse que o Santander e o Itao no Brasil não seguiram a proposta do governo de abrir suas agências por menos de cinco horas por dia. A maioria deles reduziu suas horas em uma hora, mas alguns lentamente voltaram para horas mais longas.

O Santander disse em nota a clientes na quarta-feira que fechará temporariamente algumas agências por duas semanas para ajudar a conter a propagação do vírus e reduzir o horário de trabalho em uma hora.

O Itaú também disse em um e-mail à Reuters que suas filiais fechariam uma hora antes de sexta-feira.

(Reportagem de Carolina Mandel e Tatiana Boutzer); Relatado por Stephen Eisenhammer em São Paulo e Emma Benido Gonzalez em Madrid; Editado por Christian Plump, Alexandra Hudson e Alexander Smith

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *