Com Pix e UPI, Brasil e Índia lideram pagamentos instantâneos em todo o mundo

A América Latina normalmente não está na vanguarda da política económica global, mas com iniciativas financeiras pioneiras como a BEX, o Brasil está a emergir como líder no rápido crescimento dos pagamentos instantâneos, ao lado da Índia.

O Brasil lançou o sistema de pagamento instantâneo Pix em 2020, durante o auge da pandemia de COVID-19. Da mesma forma, a Índia, outra grande economia em desenvolvimento, introduziu a iniciativa UPI há alguns anos. Em ambos os casos, estas iniciativas fizeram parte de esforços mais amplos para digitalizar rapidamente as populações e empurrar estas economias para a era da banca digital.

Avançando até hoje, ambos os países representam juntos mais de 60% de todas as transações em tempo real em todo o mundo. De acordo com “Além das fronteiras”, um relatório anual publicado pela fintech de pagamentos brasileira Ebanx sobre tendências de pagamento, a forte adoção do Pix no Brasil agora é responsável por 15% de todos os pagamentos instantâneos em todo o mundo, enquanto o UPI na Índia é responsável por 46%.

Em particular, o crescimento do BEX no Brasil tem sido rápido, com transações que se aproximam dos 400 mil milhões de dólares por mês. A sua base de utilizadores, que inclui mais de 150 milhões de adultos, continua a expandir-se, com muitos a utilizá-la diariamente. Além disso, o Pix está evoluindo para oferecer novos recursos como pagamentos offline, débito direto e crédito em um futuro próximo.

BEX e inclusão financeira no Brasil

Estas plataformas, reconhecidas pelo Banco Mundial como catalisadores para melhorar a inclusão financeira, contribuem para modernizar o panorama financeiro e promover a digitalização. Operando 24 horas por dia, 7 dias por semana, esses serviços permitem transferências rápidas de dinheiro sem nenhum custo para os indivíduos e estão sendo cada vez mais adotados pelas empresas.

Wagner Ruiz, EBANX, à esquerda, conversa com o presidente da Fintech Nexus, Peter Renton, sobre inovações em pagamentos na sessão Bull Markets no palco principal.Wagner Ruiz, EBANX, à esquerda, conversa com o presidente da Fintech Nexus, Peter Renton, sobre inovações em pagamentos na sessão Bull Markets no palco principal.
O cofundador do Ebanx, Wagner Ruiz, à esquerda, conversa com o CEO da Fintech Nexus, Peter Renton.

Avanços recentes no setor bancário digital ajudaram a duplicar a proporção de adultos com contas na América Latina. De acordo com o Índice Global do Banco Mundial, em 2021, 74% dos adultos na região tinham uma conta financeira, em comparação com apenas 39% em 2011. Isto significa que, no espaço de uma década, mais de 100 milhões de indivíduos foram integrados no sistema financeiro , Ebanks. Ela observou em seu relatório.

“Em termos da narrativa de inclusão financeira, o problema de acesso foi resolvido”, disse Lindsay Lear, diretora-gerente de Inteligência de Mercado de Pagamentos e Comércio. “Agora, trata-se de experiência do usuário, velocidade, segurança e agregação de valor.”

Ao oferecer serviços gratuitos aos consumidores e reduzir as taxas para os comerciantes, as plataformas de pagamento digital estão a registar uma rápida adoção. Isto é especialmente verdadeiro para os mercados emergentes. O sucesso do Pix no Brasil serve de inspiração para outros países latino-americanos. Impulsiona-os a explorar os seus próprios quadros de pagamentos instantâneos para acelerar a transformação digital nas suas economias.

O comércio eletrônico está em alta

O aumento dos pagamentos digitais está intimamente ligado à expansão do comércio eletrônico na América Latina. De acordo com o estudo da Ebanks, o comércio digital está a crescer quase o dobro nos mercados emergentes do que nas economias desenvolvidas. Durante a próxima década, espera-se que a indústria do comércio eletrónico cresça seis vezes à medida que as regiões em desenvolvimento se recuperam. Isso impulsionaria o uso de ferramentas como Pix no Brasil e UPI na Índia.

O comércio digital nos países desenvolvidos regista uma taxa de crescimento constante de até 13% anualmente. No entanto, as vendas nos mercados emergentes estão a aumentar 20%. As projeções indicam que até 2026, o volume do comércio digital na América Latina atingirá aproximadamente US$ 950 bilhões.

“Ainda vemos pessoas comprando online pela primeira vez. É inacreditável, mas é real”, disse Andre Allen, vice-presidente de crescimento do EBANX. “À medida que a infraestrutura melhora, e com redes 5G e de banda larga mais estáveis, mais serão acessados.” De áreas remotas e setores de consumo mal atendidos. “Ainda há uma curva de crescimento.”

  • Davi FilipaDavi Filipa

    David é um jornalista da América Latina. Ele reporta regularmente sobre a região para organizações de notícias globais, como The Washington Post, The New York Times, The Financial Times e Americas Quarterly.

    Trabalhou na S&P Global Market Intelligence como correspondente financeiro na América Latina e ganhou experiência em fintech e tendências de mercado na região.

    Mora em Buenos Aires.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *