Cingapura acusa ex-executivos e instala Seatrium no Brasil de suborno

As autoridades de Singapura anunciaram que concluíram as suas investigações sobre alegados crimes de corrupção e suborno cometidos pelo antigo fuzileiro naval da Sembcorp e concluíram que havia provas suficientes para instaurar um processo. Dois ex-executivos foram acusados ​​num caso de uma década centrado em pagamentos feitos no Brasil para ganhar negócios, enquanto foi alcançado um acordo provisório segundo o qual a sua empresa sucessora, a Sytrium, pagará multas.

A investigação foi anunciada em Singapura, em maio de 2023, pelo Corrupt Practices Investigation Bureau e agora, após consulta à Procuradoria-Geral da República, avançaram com a acusação. Eles acusaram o ex-presidente, CEO e diretor executivo da empresa, Wong Weng Soon, e um ex-diretor sênior de uma das subsidiárias da empresa, Lee Fook Kang, de cinco acusações de conspiração para pagar subornos a um então consultor da empresa. no brasil. Wong também foi acusado de instruir dois funcionários em 2014 a apagar e-mails contendo provas de subornos.

Subornos foram pagos a vários funcionários do governo e à Sete Brasil e à Petróleo Brasileiro entre 2009 e 2014 para ganhar contratos lucrativos para a compra de equipamentos marítimos. As autoridades de Singapura alegam agora que os executivos da sede da empresa conspiraram para pagar subornos, incluindo 2 milhões de dólares em 2009, 1,9 milhões de dólares entre 2010 e 2012, 1,2 milhões de dólares em 2010 e 300 mil dólares nos EUA em 2010. Além disso, concordaram em pagar até 2,5 por cento dos valores contratuais relacionados aos contratos de plataformas de perfuração a serem adjudicados pela Sete Brasil, no valor de mais de US$ 26 milhões.

Também foi alcançado um acordo provisório para que a Seatrium pague uma multa de US$ 110 milhões para liquidar as acusações em Cingapura. Eles serão autorizados a depositar até US$ 53 milhões para compensar pagamentos de liquidação acordados em princípio com a Procuradoria-Geral da República e outras entidades no Brasil. As autoridades de Singapura afirmaram que o acordo adia as acusações criminais se a empresa concordar em cumprir condições, como admitir a culpa, pagar multas e implementar reparações.

Este é o último de uma série de acordos no caso de longa duração. Em fevereiro, a Sytrium anunciou um acordo de liquidação de US$ 135 milhões no Brasil. Ele se concentra nos pagamentos feitos por um agente que trabalha para a empresa e na concessão à Sembcorp Marine em 2014 de sete contratos de perfuração da empresa brasileira Sete Brasil no valor de US$ 5,6 bilhões. As duas empresas anteriores, Sembcorp Marine e Keppel Offshore & Marine, estavam ligadas ao que ficou conhecido como Operação Lava Jato, que foi descrito como um dos maiores escândalos de corrupção no Brasil envolvendo uma ampla gama de políticos e empresas.

As autoridades recomendam que a empresa estabeleça procedimentos e salvaguardas sólidos contra atividades ilegais. Seatrium respondeu a perguntas da Singapore Exchange Securities Trading que confirmaram que ambos os executivos são ex-funcionários e não têm nenhuma associação atual com a empresa. Também destacaram anteriormente a existência de garantias. A empresa continua a fazer negócios no Brasil por meio de seu estaleiro no país.

O ex-assessor Guilherme Esteves de Jesus foi indiciado em 2020 por lavagem de dinheiro, condenado e sentenciado a 19 anos de prisão. O ex-presidente da empresa brasileira Sembcorp Marine, Martin Cheah Kok Chun, também foi indiciado em 2020 por lavagem de dinheiro e corrupção. Ele foi demitido da empresa em 2015, mas em dezembro de 2023 foi exonerado junto com outro ex-executivo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *