Cientistas dizem que os modelos sobre as origens da poeira atmosférica estão desatualizados

Durante décadas, os cientistas presumiram que a maioria das emissões globais de poeiras provinha dos desertos varridos pelo vento do Norte de África. Mas novas análises invertem esta suposição.

Dois estudos publicados em Ambiente JGR E Ecologia holísticaSuponhamos que as emissões de poeiras variam de acordo com a estação e entre os hemisférios, e que a quantidade total de emissões de poeiras em todo o mundo é muito menor do que se pensava anteriormente.

Os modelos atuais estão desatualizados e não têm qualquer relação com a realidade no terreno, de acordo com a equipa internacional de investigadores por detrás destes estudos.

“Quando os modelos de emissão de poeira foram desenvolvidos, havia apenas alguns conjuntos de dados globais em constante mudança e foram feitas suposições simplificadoras para implementá-los”, escreveram eles no artigo JGR Atmospheres. Estas simplificações incluíam assumir que a superfície da Terra não contém plantas, que a maior parte da poeira vem do Norte de África e do Médio Oriente e que existe uma quantidade infinita de sedimentos secos e soltos na superfície.

Na verdade, os pesquisadores descobriram que este não é o caso. Quando calcularam as emissões anuais calibradas de poeira de 2001 a 2020, usando observações diárias por satélite de fontes de emissão de poeira a cada 500 metros em toda a Terra, a equipe descobriu que a poeira emitida na superfície é muito menor do que o modelo predominante assume.

A nova análise, publicada na revista Science of the Total Environment, também descobriu que as principais fontes de poeira da Terra mudam ao longo do ano entre desertos no Leste Asiático, Médio Oriente e Norte de África, e matagais na Austrália e na América do Norte – diferenças que estão ocultos pelo modelo atual. .

READ  Novo modelo ajuda a detectar transtornos mentais complexos, como autismo e esquizofrenia

A poeira atmosférica afeta o clima e a saúde humana, mesmo em áreas distantes da sua origem. No geral, escreveram os pesquisadores no estudo JGR Atmospheres, o modelo antigo difere das observações de satélite em até duas ordens de magnitude.

“Os modelos actuais contavam apenas uma pequena parte da história”, diz Adrian Chappell, professor de impactos das alterações climáticas na Escola de Ciências da Terra e Ambientais da Universidade de Cardiff e principal autor de ambos os artigos. Ele disse em um comunicado à imprensa.

Os investigadores alertam que a utilização do modelo antigo corre o risco de atrasar o progresso científico e melhorar as previsões das alterações climáticas. Eles sugerem que o campo adote o paradigma novo e mais sensível para promover a continuação da pesquisa.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *