China isenta visto de entrada em Portugal

“Na próxima fase, com a expansão, penso que Portugal entrará na lista de isenção de vistos (para entrar na China). “Para reforçar esta medida é sempre necessário ter uma política e um processo gradual”, explicou o diplomata ao A Lusa, lembrando que os primeiros países da lista Pequim “têm um maior número de intercâmbios comerciais e projetos de cooperação”, pelo que há maior necessidade de reforçar esta medida.

O diplomata sublinhou que esta é uma política que está a ser implementada “de acordo com as necessidades reais”.

Desconhece-se a próxima data para a revisão dos países isentos de vistos, mas Zhao Bintang sublinhou que a relação entre Portugal e a China “não tem obstáculos” e que foram tomadas diversas medidas para facilitar os vistos.

Na sequência do recente alargamento das isenções de visto para estadias até 15 dias, o embaixador de Portugal em Pequim, Paulo Nascimento, disse “não compreender” os critérios para sair de Portugal.

O diplomata observou que a China tem o direito de decidir a sua própria política de vistos de forma independente, mas admitiu que procurará consultar as autoridades do país sobre esta decisão.

Em resposta a uma pergunta da Lusa, o Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês afirmou que a China “sempre esteve aberta à expansão das trocas com países estrangeiros” e está disposta a reforçar as comunicações com Lisboa “para aumentar a facilidade das trocas bilaterais”.

Sobre a ausência de Portugal nos dois primeiros grupos de países europeus, o diplomata justificou que as escolhas se basearam “na frequência do intercâmbio comercial e pessoal entre a China e estes países” e que “a lista irá gradualmente tornar-se cada vez mais aberta”.

Zhao Bintang destacou ainda os valores comuns entre Portugal e a China, como o multiculturalismo e uma economia global aberta, bem como o “consenso e a cooperação” em setores como o desenvolvimento sustentável e a luta contra as alterações climáticas.

Acrescentou que “a China está disposta a trabalhar com Portugal para elevar o nível das relações bilaterais e enfrentar conjuntamente os principais desafios e questões”, a fim de “trazer mais certeza e energia positiva a este mundo incerto”.

A China também garantiu a continuação do trabalho para facilitar a obtenção de vistos+, depois de simplificar também os métodos de pagamento no país.

“Esperamos também que os países estrangeiros possam fornecer medidas de facilitação ao povo chinês”, espera o diplomata, acrescentando que “depois da epidemia, a necessidade de intercâmbios pessoais e comerciais aumentou”.

Relativamente à obtenção de vistos para a China, “não há qualquer obstáculo” para os cidadãos portugueses que queiram deslocar-se ao país em trabalho, uma vez que Portugal é um “país amigo e parceiro estratégico”, concluiu Zhao Bintang.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *